20 de novembro de 2019

Conheça Nicolau Neto


Nicolau Neto durante manifestação em Nova Olinda em 2016. 

O professor e ativista dos direitos civis e humanos das populações negras, José Nicolau da Silva Neto, é um dos mais importantes sujeitos políticos atuantes contra o processo de discriminação na região do cariri e se tornou referência regional na defesa da educação para as relações étnico raciais. Nascido em 14 de março de 1986, na cidade de Assaré, no sul do Estado do Ceará, é filho dos agricultores João Nicolau da Silva e Neusa Lourenço da Silva, hoje aposentados.

A família composta por 10 filhos saiu de Assaré com destino a Altaneira, também no sul do Ceará em 06 de maio de 1990 e durante anos viveu de aluguel. Pouco tempo depois, o falecimento de um dos filhos, Edson, abalou a família. Com o pai trabalhando na roça e a mãe tendo que deixar de ajudar o companheiro na agricultura para trabalhar na vizinha cidade de Crato visando adquirir renda extra, o sustendo e a educação dos filhos foi garantida. Com muito trabalho conseguiram moradia própria.

Terceiro na lista dos mais jovens, Nicolau Neto sempre estudou em escola pública. Iniciou a vida estudantil aos 4 anos na Escola Municipal de Educação Infantil Disneylandia, hoje denominada de Escola Municipal de Educação Infantil Professora Fausta Venâncio. O Ensino fundamental foi feito nas Escolas Joaquim Rufino de Oliveira (antes um anexo da Escola 18 de Dezembro) e nesta própria. Concluiu o Ensino Médio na Escola Estadual Santa Tereza em 2006. Ainda neste ano prestou vestibular na Universidade Regional do Cariri (URCA), campus do pimenta, em Crato, vindo a figurar entre os 10 primeiros colocados para o curso de História.

No período da universidade, o jovem Nicolau teve a oportunidade de ter uma ampla formação educacional influenciada pelos valores de sua própria cultura e da cultura europeia. Com isso, o futuro professor e ativista político e social conseguiu diferenciar como o pensamento colonial se impôs no meio educacional, influenciando de forma decisiva o ambiente educacional, vindo a dizer quais os lugares que negros e indígenas podiam e deviam ocupar. Foi também no ambiente universitário que Nicolau teve a oportunidade de se inserir nas lutas e nos movimentos sociais que lutavam e ainda lutam contra as desigualdades sociais e contra a discriminação racial.

Seu ativismo veio junto com a função de professor, onde prestou seleção pública da Secretaria da Educação do Estado Ceará (Seduc) em 2012, vindo a lecionar História e Filosofia na Escola Estadual Santa Tereza, em Altaneira. Em 2013 deixa à docência para exercer a função de Assistente Técnico junto a Secretaria Municipal de Educação de Altaneira. Mas a paixão pela sala de aula falou mais alto e mais uma vez presta seleção pública e em abril de 2014 vai lecionar na recém-criada Escola Estadual de Educação Profissional Wellington Belém de Figueiredo, em Nova Olinda, que atende além de alunos desta, os de Altaneira e Santana do Cariri em regime de consórcio. Nesta instituição de ensino, Nicolau exerceu também a função de Diretor de Turma no Curso Técnico em Redes de Computadores. Seu trabalho voltado principalmente para atender uma educação para a cidadania, politização e para as relações étnico raciais levou a escola a ter reconhecimento nacional a partir do projeto “Cultura Afro-brasileira e Indígena”.

Em 2016, seu trabalho como professor foi mais uma vez interrompido, tendo que deixar a escola em março em virtude de ter logrado êxito em dois concursos públicos, em Nova Olinda e Altaneira. O namoro com a professora Valéria Rodrigues, hoje sua esposa e que conhecera naquela escola, o fez optar por Altaneira, pois esta também tinha passado neste mesmo concurso. Casado com Valéria, bacharel e licenciada em Biologia e hoje Agente Social, Nicolau tem uma filha, Beatriz. Antes de conhecer sua esposa, ele teve um filho, Saullo.

O ambiente escolar e as universidades sempre são os locais mais frequentados por Nicolau. Em 2012 resolveu fazer pós-graduação em Docência do Ensino Superior pela Faculdade Católica do Cariri (FCC), em Crato. Ao concluir o curso, Nicolau passou a fazer com constância palestras em escolas e em universidades, tendo como temáticas principais a educação, desigualdades sociais e raciais, preconceitos, discriminação, políticas afirmativas (como cotas raciais) e as leis 10.639/2003 e 11.645/2008 que versam sobre a obrigatoriedade da história e cultura africana e afro-brasileira e história e cultura indígena no ensino básico.

No dia 25 de junho de 2016, em um encontro em Crato, Nicolau resolveu integrar sua luta e defesa da cultura e igualdade para as populações afrodescendentes no Brasil junto ao Grupo de Valorização Negra do Cariri (Grunec). Naquela oportunidade, ele chamou a atenção para a volta de pautas que colocavam em riscos o direito da juventude pobre e negra deste pais, como, por exemplo, a Proposta de Emenda à Constituição que faz menção a Redução da Maioridade Penal (PEC 171/93), assim como aquela que tinha como objetivo colocar a margem e censurar as manifestações artísticas e sociais do Estado do Ceará através de um projeto de lei apresentado pela Deputada Silvana Oliveira com mandato pelo PMDB que disciplina, no âmbito do estado do Ceará, manifestações sociais, culturais e/ou de gênero e dá outras providências.

No dia 21 de julho de 2018 a Academia de Letras do Brasil/Seccional Araripe elegeu Nicolau como seu mais novo integrante para ocupar a cadeira de número 33. Ele percebeu a Academia como mais um espaço para buscar um reconhecimento pelo que cotidianamente luta e que externa também em forma de textos, se referindo as relações étnico-raciais e os efeitos dela resultantes, como as desigualdades e o racismo. Sua posse ocorreu em 12 de outubro de 2019 em Araripe, tendo como patrono João Zuba, o mestre da banda cabaçal de Altaneira.

Nicolau também exerce a função de Diretor-vice-presidente da Associação Beneficente de Altaneira (ABA), entidade mantenedora da Rádio Comunitária Altaneira FM. Por esta mesma entidade ele chegou a ocupar o cargo de Diretor de Programação na gestão 2015 – 2016.

Em 2018, Nicolau prestou concurso público para professor junto à Secretaria da Educação do Estado Ceará (Seduc), vindo a figurar na lista dos aprovados. Com a homologação ocorrida em 27 de dezembro de 2019, ele aguarda a sua chamada para ingressar no quadro de professores efetivos da rede estadual de ensino.

Além de professor, ativista dos direitos civis e humanos das populações negras, membro da ABA e da Academia de Letras, Nicolau também é blogueiro. Ele atua na blogosfera desde de abril de 2011. Nunca usou o espaço para práticas de sensacionalismo e de elitismo para conseguir mais acessos. O único objetivo como bem demonstra o painel do blog é estar sempre A SERVIÇO DA CIDADANIA, EMPODERAMENTO e DIVERSIDADE e, para tanto, sempre buscou oportunizar os menos favorecidos, os que por algum motivo não tem voz através da comunicação. O Blog, inclusive, se tornou uma importante ferramenta pedagógica e coletiva visto que abriu espaço para escritores e escritoras. Atualmente conta com três colunistas.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Ao comentar, você exerce seu papel de cidadão e contribui de forma efetiva na sua autodefinição enquanto ser pensante. Agradecemos a sua participação. Forte Abraço!!!