quarta-feira, 6 de junho de 2018

TV Record censura (mais uma vez) referência a religiões de matriz africana


Cantora Iza no Programa da Sabrina, da Record. (Foto: Reprodução).

No último dia 26 de maio, a cantora Iza, famosa pelo hit “Pesadão”, participou do Programa da Sabrina, na Record. Iza foi divulgar o seu álbum e claro, cantou o seu novo sucesso “Ginga”. No entanto, algo causou estranhamento em quem conhece a letra da música. A parte que diz “fé na sua mandinga” não foi cantada por Iza. A suspeita é que a Record, de propriedade do bispo chefe da Igreja Universal, tenha censurado o trecho por fazer referência explícita a elementos de religião de matriz africana. Não é a primeira vez que isso acontece. Tempos atrás, Ivete Sangalo foi impedida de cantar o seu sucesso “Festa” em que cita o candomblé. A baiana desistiu de participar de programas da emissora. Quem conhece um pouco da programação da emissora já deve ter visto nos seus programas religiosos diversas referências negativas e preconceituosas a essas religiões.

Para quem não sabe, em abril deste ano, a Record perdeu um recurso na Justiça Federal de São Paulo e será obrigada a exibir 16 programas em horário nobre feitos por entidade ligada a religiões de matriz africana. Entre os autores da ação, está o Instituto Nacional de Tradição e Cultura Afro Brasileira (Intercab) que à época alegou que as religiões afro-brasileiras sofrem constantes agressões em programas veiculados na Record. Ainda cabe recurso a tribunais superiores. A emissora mantém silêncio sobre o caso.

Outro vacilo do último fim de semana veio do Programa Sílvio Santos, exibido nas noites de domingo no SBT. No clássico quadro Jogo das Três Pistas, que contava com a participação das atrizes Cristiana Oliveira e Karina Bacchi, foram dadas as pistas: Pabllo Vittar, Gominho e David Brazil. Ganhava os pontos a participante que conseguisse encontrar a relação entre os três nomes. Não acertando, o desafio foi para a plateia, que após diversas tentativas conseguiu acertar. E a resposta era BICHAS! A repercussão foi instantânea. Diversas críticas ao programa por usar termo preconceituoso e pejorativo.

Coisas assim jamais deveriam acontecer na TV! (Por Felipe Marcelino - professor de filosofia -, no Brasil de Fato).


0 comentários:

Postar um comentário

Ao comentar, você exerce seu papel de cidadão e contribui de forma efetiva na sua autodefinição enquanto ser pensante. Agradecemos a sua participação. Forte Abraço!!!