segunda-feira, 9 de abril de 2018

Por que a comentarista da Globo chama de burro quem não acredita nela


Manifestantes de mãos dadas esperam pela saída de Lula do sindicato na tarde desta sábado (7).
Mundo fora do alcance da Globo. (Foto: Reprodução/ RBA).


Nos últimos dias a imprensa brasileira tem mostrado sem freios nem sutileza todo seu ímpeto despótico. São atitudes que vão desde surrupiar a transmissão de uma emissora, como feito contra a TVT, e ter ainda a desfaçatez de pedir para "tirar a tarja", até um aumento descomunal no nível de agressividade contra uma figura política e, principalmente, contra seus apoiadores.

Não basta usar apenas o adjetivo e classificar como mau jornalismo. É preciso encontrar os substantivos certos. Um deles é agressão. Em um canal pretensamente noticioso, que passa horas e horas de transmissão sem entrevistar uma única fonte, um especialista ou pesquisador acadêmico, profissionais apelam a fontes anônimas para dizer que o fato de o ex-presidente Lula ter sido impedido por manifestantes de sair do sindicato tratava-se de "manobra" para que não se apresentasse à Polícia Federal no sábado. Obviamente o fato foi desmentido pelo próprio desenrolar dos acontecimentos. Não houve um "erramos" no ar, embora a acusação estivesse consumada.

TVT bate maiores canais e estuda ação por uso não autorizado de imagens 

A TVT (Televisão dos Trabalhadores), que transmite pelo canal digital 44.1 e por seu canal no YouTube, bateu recordes de audiência nos últimos quatro dias na resistência à prisão política de Lula. A TVT acionou seu departamento jurídico para avaliar processar os canais comerciais que utilizaram seu sinal sem autorização, como Globo, GloboNews, Band e Record. "Faltou ética e respeito por parte desses veículos", diz Paulo Salvador, um dos coordenadores da TVT. "Claro que temos direitos autorais. Mas estamos felizes por batermos todos os canais da velha televisão. E provamos que em tempos de internet podemos e vamos nos estabelecer como uma emissora popular"

Se a mídia tradicional estivesse realmente preocupada em apurar, talvez soubesse que, em meio à manifestação em frente ao Sindicato dos Metalúrgicos do ABC, muitos já falavam, antes do discurso de Lula, em não deixar o ex-presidente sair dali. Sentimento, aliás, que pouco mudou depois do discurso do ex-presidente. Eram pessoas, majoritariamente jovens, não ligadas a qualquer grupo organizado, mas também integrantes de movimentos populares e legendas partidárias que não apenas o PT, como insistiam em dizer os jornalistas convertidos em narradores.

O que em outros tempos seria uma propaganda eleitoral involuntária – afinal, dizer que todos ali eram petistas poderia demonstrar um grande poder aglutinador do partido – era na prática uma forma de simplificar e identificar o "inimigo": todos aqueles que eram contrários à prisão eram petistas obedientes ao comando de participar de uma farsa. Essa simplificação é nada mais que uma tática fascista, adotada com gosto pela mídia comercial.

A defesa enfática de dois presidentes do PT, Gleisi Hoffmann (nacional), e Luiz Marinho (em São Paulo), de que os manifestantes respeitassem a decisão de Lula, foi igualmente desprezada. Até mesmo a "loucura" (termo usado por um dirigente sindical) de Marinho, de submeter a uma "assembleia" a liberação ou não dos portões, foi ignorada.

Mas não interessava a apuração. Interessava, e sempre interessou, a tal da narrativa. E esta era a de sempre, a da criminalização. Assim, Lula era a figura que elaborava uma "estratégia" para não cumprir o mandado de prisão (diferente da decisão judicial que "recomendava" sua apresentação até 17h de sexta, dia 6).

Uma comentarista política – seja lá o que isso for – dizia: "só sendo muito ingênuo para achar que o povo está impedindo a saída de Lula do sindicato".

Só mesmo em meio a uma cultura de ódio, fomentada à exaustão por parte da imprensa, seria possível alguém chamar parte de seus telespectadores, sem rodeios, de "burros". E assim são tratados todos aqueles que pensam diferente dos desígnios dos grandes grupos. Quase todos os dias, mas de forma ainda menos sutil nas últimas horas.

Em uma coluna de jornal, outra pessoa escreve que falar de Lula como um preso político é repetir uma "estultice" e que o ex-presidente "engana" cada vez menos gente. Percebe-se, mais uma vez, o vício de tais profissionais chamarem os que pensam de forma distinta de seus empregadores de burros. Mas ela vai além e diz que Lula se comportou como "chefe de bando".

Como é que uma pessoa que apoia Lula, foi ao sindicato acompanhá-lo ou mesmo viu tudo à distância, deve se sentir quando alguém lhe diz que faz parte de um "bando"?

Ilustrar esse comportamento midiático seria tornar esse texto interminável, mas é preciso registrar ainda o incentivo explícito à violência. Atribuir a apoiadores de Lula a pecha de "vagabundos", lugar comum dos agressores de microfone ou de redes sociais, e pedir intervenção policial ou clamar por repressão desmedida é mais um sintoma do ódio de classes travestido de jornalismo.

E é outro tipo de conduta adotada todos os dias nas centenas de programas policiais em todo o país, priorizando a humilhação de pobres e pretos, e tendo como alvo com esse mesmo tratamento, às vezes, inimigos políticos.

Se o cachimbo entorta a boca, talvez tais profissionais nem sequer percebam o quanto seu trabalho cotidiano cumpre um papel anticivilizatório. A violência verbal naturalizada, decorrente da estrutura social brasileira amalgamada pelo ódio classista, adquire agora conotações políticas (e até partidárias) mais evidentes, dialogando de perto com práticas fascistas que buscam a eliminação dos contrários.

E é igualmente triste que as autoridades públicas, essas que buscam se mostrar tão ciosas aos olhos da opinião pública, fechem os olhos diante de flagrantes desrespeitos à legislação praticados em rádios e televisões em vez de destinar o mesmo tratamento rigoroso destinado a agentes públicos – afinal, seus donos e acionistas não passam de empresários detentores de concessões públicas. Essas violações, aliás, são denunciadas publicamente há décadas.

Não existe meia volta: quem estiver interessado de fato em restaurar ou construir um Estado democrático no Brasil precisa voltar seus olhos para os meios de comunicação. Eles são detentores de um oligopólio sem paralelo em qualquer país razoavelmente desenvolvido – e talvez aqui esteja a verdadeira "jabuticaba" brasileira de que tanto se fala.

Eles detonam, no dia a dia, qualquer noção de civilidade, estimulam o ódio e fazem da Constituição e das leis brasileiras letras mortas, submetidas ao seu próprio arbítrio e vontade. Não há democracia possível diante de um poder desses. (Com informações da RBA).

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Ao comentar, você exerce seu papel de cidadão e contribui de forma efetiva na sua autodefinição enquanto ser pensante. Agradecemos a sua participação. Forte Abraço!!!