sexta-feira, 31 de agosto de 2018

Museu da Memória Histórica Santanense: Um passeio pela histórica política, cultural e educacional de Santana do Cariri



Nicolau Neto durante vista ao Museu da Memória Histórica
Santanense, sendo recepcionado por Sandro Cidrão.

Inaugurado em 25 de novembro de 2014, O Museu da Memória Histórica Santanense se configura como mais um espaço dedicado a preservação de objetos de caráter histórico de Santana do Cariri, município localizado na Região Metropolitana do Cariri e de pouco mais de 17.000 habitantes, conforme dados do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE).

O Museu que foi idealizado pelo professor Raimundo Sandro Cidrão, graduado em Letras pela Universidade Regional do Cariri (URCA), reforça uma das principais características do município centenário, uma cidade histórica no sentido literal do termo. Poucas da região tem espaços como o que se encontra em Santana dedicados a não deixar morrer a história, muitas destas presentes em um rico e diversificado acervo, que perpassa pela iconografia, uma pinacoteca, vestimentas usadas pelo Padre Cristino Coelho, móveis e utensílios de cozinhas que retratam o cotidiano de pessoas de anos não tão distantes, além cadeiras escolares antigas e documentação que remontam ao século XIX – época em que o município ainda tinha a denominação de Santana do Brejo Grande.

Ainda consta do acervo histórico recortes de antigos jornais da municipalidade, arte sacra, álbuns e documentos da primeira professora de Santana e construtora da primeira biblioteca. O mais recente documento a incorporar o museu, que o professor Sandro chamou de “relíquia histórica”, é o Inquérito Policial do crime praticado por Raul Alves contra Benigna Cardoso, datado de 1941. Segundo Sandro, a concessão veio do Tribunal de Justiça do Ceará (TJCE). Benigna passou a ser um dos principais símbolos religiosos de Santana.

Inquérito Policial da Morte de Benigna. (Foto: Divulgação).

Este professor e signatário fez uma visita na última terça-feira, 28, ao espaço. Fui recebido pelo próprio Sandro que contou como surgiu a ideia de construir o museu. “A criação do museu partiu da necessidade de preservar a memória e a história do município e da região, levando-se em conta o vasto acervo que consegui ao longo de minha vida”, disse. O objetivo, segundo ele, é proporcionar a comunidade o acesso a bens culturais em vários campos. “Iconografia, arte sacra, coleções, imagem e som, arte plástica, dentre outros”, nomeou.

Localização e Horários de Visitas

O Museu da Memória Histórica Santanense divide a atenção dos munícipes com o Museu de Paleontologia Plácido Cidade Nuvens (criado em 1985) e com o Casarão do Coronel Felinto (datado do século XIX, mas sua inauguração se deu em 1911).

Para os que desejarem conhecer o espaço, ele fica localizado à Rua Duque de Caxias, 420. Está aberto a visita de segunda a sábado, das 8h30 às 11h30 e das 13h30 às 16h30.

Mais de mil e quinhentas pessoas já direcionaram seus olhares ao museu, entre estudantes, professores e turistas, relatou Sandro.


Conceição Evaristo na Academia Brasileira de Letras: um passo para descolonizar o pensamento


A Escritora Conceição Evaristo. (Foto: Reprodução/El País).

Imagino um encontro de Carolina Maria de Jesus e Conceição Evaristo. Não nos anos de 1960, mas no agora, em meio ao burburinho em torno da candidatura da autora de Olhos d’ água (Prêmio Jabuti 2015), à cadeira número 7 da Academia Brasileira de Letras (ABL), cujo resultado será conhecido nesta quinta-feira (30). A autora de Quarto de despejo, é bem provável, se rejubilaria na conquista de Conceição, que transcende o trabalho individual e faz as vezes de caminhada de muitas outras Conceições e Carolinas. A expectativa é que Conceição Evaristo, se eleita for, viva um feito histórico para a literatura brasileira e de forma mais ampla para mulheres negras, cujo lugar da escrita não foi dado como natural, uma vez que jamais está dissociado do poder e, em uma sociedade como a brasileira, a recusa branca à concessão de privilégios é uma pauta permanente. Mas voltemos a cena. Conceição chega à ABL acompanhada por Maria Firmina dos Reis, autora do precursor Úrsula (1859), de Ruth Guimarães, que publica Água funda quase cem anos depois, em 1946, e, como nas narrativas do afrofuturismo, em que passado e presente se combinam em torno de um futuro mais viável, por mais dezenas de jovens escritoras afrodescendentes, que produzem no século XXI narrativas a um passo de descolonizar o nosso pensamento, a começar pela escrita.

Em todo o país, os últimos anos assistiram o surgimento de trabalhos que procuram dar visibilidade à autoria de mulheres negras, resultado de um mundo em que as minorias, percentualmente a maioria no país, reivindicam reparações a direitos históricos, de uma universidade brasileira em que mais negros puderam ter acesso a partir de 2002, e de leitores que desejam se ver finalmente representados nas narrativas. Não me refiro apenas ao trabalho de pesquisa acadêmica que, driblando o racismo institucional, aponta para o crescente interesse pelo espólio de Carolina Maria de Jesus, redescobre a poetisa simbolista Gilka Machado (branca nas imagens de época tal e qual o primeiro presidente da ABL, Machado de Assis, também embranquecido pela história), e faz uma releitura da crítica e da historiografia literária. Editoras de pequeno porte, batalhas nas periferias (e não só nelas!) como os slams, eventos literários, projetos de inserção de escritoras negras, são algumas ações que desenham o panorama de refração do efeito produzido por autoras que furaram o cerco e se estabeleceram no campo literário brasileiro como a mineira Conceição Evaristo, com sete obras publicadas. Em meio a dezenas de iniciativas, o Escritoras Negras da Bahia é um projeto que me chama atenção, não apenas pelo rastreamento de escritoras negras no estado brasileiro onde o Brasil começou, mas sobretudo porque incentiva que as próprias escritoras negras se anunciem neste censo. Em um ano de projeto já foram mapeadas cerca de 50 autoras e o público pode conhecer os perfis de pelo menos 30 delas pelo website da iniciativa, clicando nos nomes das escritoras ou explorando o mapa da Bahia. Para se ter a dimensão do que esse número representa, podemos pensar em outra iniciativa importante, o Panorama editorial da literatura afro-brasileira através dos gêneros romance e conto, dossiê elaborado por Luiz Henrique Silva de Oliveira e Fabiane Cristine Rodrigues. Nele, foram contabilizados 29 autores, entre eles apenas nove mulheres, publicados entre 1859 e 2016, totalizando 61 romances de autoria afro-brasileira. Mas também podemos apelar para uma situação concreta e até individual, parafraseando a provocação que fomenta o projeto baiano: quantas escritoras negras contemporâneas, você, leitor, conhece? Se adaptarmos a pergunta para o contexto baiano, estaremos falando do mesmo local de onde saíram nomes amplamente conhecidos como Castro Alves e Jorge Amado. Como justificar então que não se conheça o trabalho de escritoras negras do estado mais negro do país?

A coordenadora do projeto, jornalista e doutoranda em Literatura pela Universidade de Brasília (UnB), Calila das Mercês, define sua atuação, bem como da equipe que viajou pela Bahia, ministrando oficinas para estabelecer contato com as escritoras de diversos gêneros, tanto escritos quanto orais, como uma espécie de curadoria, sem intenção de eleger bons e maus textos, de dizer quem pode ou não carregar a alcunha de escritora. À equipe cabe o papel de incentivar essas artistas da palavra a compartilharem seus trabalhos, a se sentiram escritoras, feito ainda raro para muitas delas. O grupo, que conta ainda com Kênia Freitas, pesquisadora de cinema negro e afrofuturismo, e Raquel Galvão, doutoranda em Literatura pela Universidade de Campinas (Unicamp), começou as visitas pelo extremo sul da Bahia, não à toa, porque é lá que começam as narrativas sobre o descobrimento. Caravelas, uma das primeiras cidades do território brasileiro, entre outras dos 417 municípios baianos, foi visitada pelo projeto em busca de diálogo com mulheres leitoras e escritoras, cuja ancestralidade é centenas de anos anterior aos movimentos feministas. Em seu primeiro ano, o projeto recebeu apoio do Fundo de Amparo à Cultura do Estado da Bahia, e agora deseja outros voos, como a publicação independente de textos de algumas das autoras mapeadas, porém com trabalhos ainda inéditos ou publicadas por selos de pouca visibilidade.

A jornalista e curadora de eventos literários Jéssica Balbino coordena a partir de São Paulo um trabalho similar, de auto mapeamento autoral, porém voltado para a autoria de mulheres periféricas. Apesar do recorte específico, o projeto Margens também nos ajuda a enxergar a inserção de mulheres negras no campo da escrita em praticamente todas as regiões do país. Outro aspecto a ser notado é que as duas iniciativas se desenrolam em plataformas digitais, de modo a tornar possível a circulação dos nomes dessas autoras, bem como alguns de seus textos, pondo fim a “justificativa” de que não se lê autoras negras porque não são conhecidas ou não se sabe onde elas estão. A professora da Universidade Federal Rural do Rio de Janeiro, Fernanda Felisberto da Silva, que realiza ampla pesquisa sobre a presença negra no mercado editorial brasileiro, o que inclui autoras nacionais e estrangeiras traduzidas, chama atenção para o fato do mercado não estar alheio às discussões de raça no país, ao mesmo tempo em que o acolhimento em relação à autoria feminina negra ainda precisa avançar, porque a maior parte dessa autoria continua sendo publicada por editoras de médio e pequeno portes, esbarrando muitas vezes no problema de distribuição dos livros. Diante das dificuldades de infiltração, muitas autoras optam pela estratégia de publicação em coletâneas, equacionando custos, para ver seus textos circularem. Traduzida para o inglês, o francês e o espanhol Conceição Evaristo, por exemplo, é publicada pelas editoras Malê e Pallas, especializada em cultura afro-brasileira. Para Fernanda, a eleição de Conceição abre novos horizontes, em que a autoria negra passa a compor o imaginário simbólico e literário nacional. Mas como será o depois, na prática, é difícil prever.

Até aqui podemos aferir que a opção, seja na obra de comprar ou ler, mais do que nunca, é política e ideológica, e jamais circunstancial. Do mesmo modo que levar autoras negras para a sala de aula é, como sempre foi, uma escolha. No Distrito Federal desde 2014, o projeto Mulheres Inspiradoras leva para escolas públicas de Brasília e seu entorno as experiências de autoras que precisam furar o cerco social, editorial e institucional para serem lidas. A lista de livros não é formada exclusivamente por autoria negra, porém inclui livros poucos previsíveis para um ambiente escolar pensado como branco e mantém Carolina Maria de Jesus como um de seus nomes obrigatórios. Além dela, os alunos do 8º e 9º anos do Ensino Fundamental e do Ensino Médio são incentivados a ler as obras das escritoras negras Cristiane Sobral, Meimei Bastos, a ruandesa Scholastique Mukasonga além de Conceição Evaristo e da autora indígena Eliane Potiguara.

Se é consenso não conseguirmos prever o passo após a chegada de Conceição à Academia, também há concordância de que qualquer efeito positivo, seja para o mercado editorial, tornando-o mais empático com a autoria feminina negra, ou para que mais mulheres negras escrevam, não é transitório. A autoria negra não espera ser celebrada apenas em edições temáticas de feiras literárias, muito menos disputa cota quando se é maioria no cerne da questão. Espera-se muito mais que isso. Porque Conceição e tantas escritoras negras não são feitas de matéria passageira, mas de percurso espinhoso, que inclui problemas estruturais e sistêmicos, racismo institucional em meio a resistência, mobilizações e, no caso da postulante à nova vaga entre os imortais, também de trabalho crítico e literário ao mesmo tempo em que denuncia os descalabros sociais da população negra. A ABL tem agora uma chance única de espantar o mofo incrustado. É ela quem sai levando a melhor ao coroar Conceição Evaristo. (Com informações do El Pais e Ceert).

quinta-feira, 30 de agosto de 2018

Academia Brasileira de Letras não merece Conceição Evaristo



(Foto: Divulgação/Flip).


Em julho deste ano, Conceição Evaristo, 71 anos, cruzava de barco a Restinga da Marambaia, debaixo de sol, e se embrenhava na mata para ter um encontro com os quilombolas e caiçaras do isolado Quilombo da Marambaia. Pé na terra, abraçou, comeu, ouviu e falou. Viveu.

Nossa literatura acadêmica é composta, basicamente, por brasileiros que não têm o costume de ir ao encontro do mundo. Nossa arte clássica é, em geral, produzida por artistas que nunca saíram da sombra, que pouco saíram de casa, e que baseiam sua vivência de mundo em uma vivência exclusivamente intelectual e elitizada. Não sujam as mãos, não colocam os pés na terra, não vão ao encontro do outro.

Por isso, a Academia Brasileira de Letras não merece Conceição Evaristo.

A ABL é uma instituição que, afinal, só é notícia quando há a morte de um membro e na eleição do substituto.

Uma espécie de involuntário cemitério de elefantes, onde se migra para esperar a visita definitiva da grande senhora. Mais um retiro do que um lugar vivo, que produz, pulsa, compartilha.

Afirmo na condição de autor de “Fé na Estrada” (Ed. Leya/Casa da Palavra), eleito recentemente por voto popular um dos 25 romances mais importantes do século XXI. Entre autores consagrados, quase todos homens brancos. Afirmo em consonância com meu amigo Luís Fernando Veríssimo que, ano após ano, recusa o convite para de candidatar a uma vaga na Academia.

A ABL não está em movimento.

Já Conceição Evaristo está. E, de certa forma, é.

A autora criou o incrível termo Escrevivência – “um jogo acadêmico com o vocabulário e com as ideias de escrever, viver e se ver.” – segundo a autora.

É essa a principal revolução que Conceição Evaristo levaria, se tivesse sido eleita hoje para uma cadeira da ABL que, blindada, casa fechada, não incorporaria.

Conceição Evaristo seria a primeira mulher negra a integrar a ABL. Não foi. Mas isso diz mais à respeito do Brasil, da Academia, e de nossa Cultura, do que sobre a autora.

O movimento não é uma novidade para o negro. O negro está em constante movimento. E, em um momento no qual acontece no Cine Odeon o Encontro de Cinema Negro Zózimo Bulbul – Brasil, África e Caribe, reunindo centenas de cineastas negros, em que Gilberto Gil palestra sob Inovação e tecnologia, no Teatro Oi Casagrande lotado, as rodas de Slam ocupam praças nas periferias, e uma FLUP (Festa Literária das Periferias) se concentra na região do Cais do Valongo para promover seminários como a “Escrita Preta” e, em parceria com a TV Globo, prepara roteiristas negros de TV, evidencia-se isso.

Hoje, parece que todo o movimento que há na cidade é negro.

E Conceição Evaristo, toda ela movimento e escrevivência, um exemplo já no radar de meninas negras de periferia que desconfiam, com razão, de que sua origem de classe e cor de sua pele as impeçam definitivamente de seguirem a carreira de escritoras.

O movimento de Conceição Evaristo é tão vigoroso que é capaz de colocar em movimento tudo em volta.

Enquanto nossa ABL, distante da vida aqui fora, insiste em ser um jazigo do passado. (Por Dodô Azevedo no G1 e reproduzido no Geledés).

STF leva trabalhadores ao século 19 ao liberar a terceirização irrestrita


Presidenta Carmén Lúcia discordou dos ministros que associaram terceirização a precarização ou "degradação" do trabalho. (Foto: Rosinei Coutinho/SCO/STF).


Na quinta e última sessão para discutir o tema, o Supremo Tribunal Federal (STF) decidiu liberar a terceirização, independentemente de setor ou atividade, como pediam representantes patronais. Por 7 votos a 4, a Corte acolheu a Arguição de Descumprimento de Preceito Fundamental (ADPF) 324, ajuizada pela Associação Brasileira do Agronegócio, e o Recurso Extraordinário (RE) 958.252, da empresa Cenibra, de Minas Gerais.

O voto decisivo, o sexto, foi dado na tarde desta quinta-feira (30) pelo decano do STF, ministro Celso de Mello. Em meia hora de exposição, o decano se alinhou àqueles que defendem a liberdade de contratação por parte das empresas. "É certo que a liberdade de iniciativa não tem caráter absoluto", afirmou Mello, para quem há limitações "que o Estado pode legitimamente impor", com base no artigo 170 da Constituição, que fala em ordem econômica "fundada na valorização do trabalho humano e na livre iniciativa". A maioria desconsiderou a Súmula 331 do Tribunal Superior do Trabalho (TST), que vedava a terceirização em atividades-fim.

Votaram pela terceirização irrrestrita os ministros Luís Roberto Barroso, Luiz Fux (relatores), Alexandre de Moraes, Dias Toffoli (futuro presidente do STF), Gilmar Mendes, Celso de Mello e Cármen Lúcia. Posicionaram-se contra Edson Fachin, Rosa Weber, Ricardo Lewandowski e Marco Aurélio Mello. Com o resultado já definido, a presidenta da Corte, Cármen Lúcia, fez um voto rápido, em poucos minutos, acompanhando a maioria.

Para o ministro Celso de Mello, eventuais abusos na prática da terceirização devem ser "reprimidos pontualmente". Mas a "construção de obstáculos genéricos" é inadmissível, acrescentou, falando em perda de eficiência produtiva. Sem citar a fonte, o decano disse ainda que há "dados estatísticos" comprovando relação entre crescimento de emprego formal e terceirização. Ele também não viu sinais de precarização e prejuízo ao trabalhador com a adoção dessa prática. Pelo contrário, disse: ele seria prejudicado com a proibição.

Segundo ele, na terceirização as empresas contratadas devem adotar as mesmas regras das tomadoras de serviços. "As regras trabalhistas se mantêm preservadas e perfeitamente aplicadas", afirmou o decano. Não se pode proibir totalmente, acrescentou, apenas porque "algumas empresas pretendem burlar as regras trabalhistas".

Para Cármen Lúcia, a preocupação no debate é saber qual a forma mais "progressista" de se assegurar empregos, direitos econômicos e, principalmente, o direito do trabalhador. Ele discordou dos ministros que associavam a terceirização a uma precarização ou "degradação" do trabalho.

Na semana passada, os dois relatores, Barroso e Fux, concordaram com o ponto de vista empresarial, considerando a prática lícita em todas as etapas da produção. Moraes, Toffoli, Gilmar e Mello acompanharam o voto, enquanto Fachin, Rosa, Lewandowski e Marco Aurélio divergiram. O Ministério Público Federal também se manifestou contra a terceirização ilimitada, afirmando que trabalho não é "mercadoria". (Com informações da RBA).

quarta-feira, 29 de agosto de 2018

Na Globo, Bolsonaro foge de perguntas, nega o que disse e parte para o ataque


"O policial, se mata dez, 20 ou 30, deve se condecorado", disse candidato do PSL no Jornal Nacional.
(Foto: Reprodução).

Na segunda entrevista realizada com alguns dos candidatos à presidência da República em série iniciada na segunda-feira, com Ciro Gomes (PDT), o Jornal Nacional recebeu Jair Bolsonaro (PSL) nesta terça (28) . Fiel ao seu estilo, ao ser questionado em pontos polêmicos procurou falar mais alto e deixou de responder objetivamente a maioria das questões dos apresentadores William Bonner e Renata Vasconcellos.

Foi perguntado sobre por que se julga o novo, se atua há 27 anos e fez da politica uma profissão. Respondeu que sua família é "limpa", nunca teve um cargo em governos e sempre se valeu do que conquistou em seus mandatos.

Sobre questões trabalhistas, tentou explicar por que votou contra a PEC dos trabalhadores domésticos e justificou: "(A PEC) levou milhões para ser diaristas, e não recolhem sequer para a Previdência. Muitas mulheres perderam emprego por causa de excesso de direito". Segundo ele, as pessoas que dormiam na casa dos patrões "perderam o café da manhã e o pernoite".

Ao ser questionado a respeito dos direitos trabalhistas, disse que os empregadores "têm dito que um dia o trabalhador vai ter que decidir entre todos os direitos e menos emprego ou menos direitos e mais emprego". A respeito de quais direitos estaria disposto a retirar, saiu pela tangente: "quem tira direito é a Câmara  e o Senado". Acrescentou: "O salário é muito para quem paga e pouco pra quem recebe. Não jogue a responsabilidade sobre um candidato".

Ele tentou negar uma afirmação na qual defendeu que, se fosse patrão, não empregaria mulheres com mesmo salário dos homens. "Ouviu ou leu onde?", devolveu à apresentadora Renata. "Ouvi e li", retrucou a jornalista. Depois, ainda questionado sobre o tema, o candidato afirmou que "na CLT já se garante isso (igualdade). Por que o Ministério Público do Trabalho não age? Isso está na CLT", repetiu. 

Nas redes sociais, telespectadores acusaram a Globo de "levantar a bola" para o candidato e de dar "palco" para ele discorrer sobre "as maluquices" que gosta de falar. A jornalista Helena Chagas escreveu em seu perfil: "É impressão minha ou o JN não está taaaaaaão agressivo com o Bolsonaro?"

No entanto, além de ser questionado sobre sua posição contra a classe trabalhadora, também foi perguntado sobre receber auxílio-moradia, preconceito contra LGBTs, por estimular a violência e outros temas. Mas usou sempre o recurso de desviar o foco das questões ou partir para o ataque.

Disse que não tem preconceito contra LGBTs, e que seu intuito é "defender as crianças". Repisou a questão do kit gay. "Um pai não quer chegar em casa e ver um filho brincar com boneca por influência em sala de aula", respondeu, após ouvir a pergunta sobre seu preconceito e sua frase segundo a qual "seria incapaz de amar um filho homossexual" e que preferiria que um filho morresse do que aparecer "com um bigodudo por aí".

Sobre sua proposta de militarizar a sociedade e combater a violência com mais violência, respondeu: "mais violência é se o bandido tem uma .762 (ponto 762, um fuzil), o policial também tem que ter. Se (o bandido) tem uma .50 (ponto 50), o policial tem que ter um tanque. Não pode (o bandido) ser tratado como um ser humano normal. O policial, se mata 10, 20 ou 30, ele deve ser condecorado. Vai dar florzinha pra ele? Tem que atirar", pregou.

Ao colocar a questão sobre a democracia e o fato de o candidato a vice de Bolsonaro, o general Hamilton Mourão, ter defendido que os poderes "têm que buscar solução" para situação de caos, William Bonner teve que ouvir o candidato, mais uma vez, lembrar que o todo-poderoso Roberto Marinho, mandatário da Globo até sua morte, em 2003, defendeu a ditadura em editorial de outubro de 1984. "Deixe os historiadores pra lá", disse Bolsonaro.

Ao se despedir, afirmou que "dois partidos (PT e PSDB) mergulharam o Brasil na mais profunda crise ética e moral" e acrescentou: "Precisamos eleger um presidente honesto que tenha Deus no coração".

Os entrevistadores da Globo não perguntaram sobre o fato de o candidato ser réu em duas ações penais no Supremo Tribunal Federal por declarações de 2014 contra a deputada federal Maria do Rosário (PT-RS). Bolsonaro é réu por injúria e incitação ao estupro.

Bonner e Renata também não se lembraram de que, nesta terça-feira, a Primeira Turma do STF iniciou julgamento em que discute a admissibilidade de mais uma ação contra ele.

A Rede Globo já informou que "não vai haver cobertura de campanha" do candidato do PT. O candidato a vice na chapa do ex-presidente Lula, o ex-prefeito Fernando Haddad, não foi convidado.

O JN dá sequência à série com Geraldo Alckmin (PSDB), nesta quarta (29), e Marina Silva (Rede) na quinta. (Com informações da RBA).

UFCA terá aula inaugural da disciplina “Educação, Cultura, História Africana e Afro-Brasileira” neste dia 30


Imagem capturada do portal da UFCA.


Nesta quinta-feira, 30, às 18h00, na Universidade Federal do Cariri (UFCA), Campus Brejo Santo, ocorrerá aula inaugural da disciplina “Educação, Cultura, História Africana e Afro-Brasileira” e será ministrada pelo professor Dr. Reginaldo Domingos.

Segundo o sítio da instituição, no momento inaugural será realizada uma mesa redonda com a participação do professor Robson Almeida, Pró-Reitor de Cultura da UFCA, da professora Ana Karla Nascimento, do Instituto de Formação de Educadores (IFE) e do professor Reginaldo Domingos, proponente da disciplina e docente do mesmo IFE.

Esta é a primeira vez que a Procult oferta disciplinas livres aptas a serem cursadas por estudantes de todos os cursos da UFCA. Para Gustavo Ramos, coordenador de Política Cultural da Procult, a oferta de disciplinas pela Procult é fruto de um longo debate que envolveu toda a comunidade acadêmica para que se pudesse definir, conceitualmente, o que seriam essas disciplinas ofertadas por uma pró-reitoria de Cultura.

Ainda de acordo com o sítio da UFCA, a disciplina Educação, Cultura, História Africana e Afro-brasileira tem como finalidade promover o reconhecimento e a valorização das contribuições sociais, históricas, culturais, tecnológicas e educacionais legadas por africanos e afrodescendentes na formação da identidade nacional, bem como incitar práticas de pesquisas educacionais voltadas às questões étnico-raciais e afrodescendentes.

Para a professora Alexsandra Oliveira, esposa de Reginaldo, esse é “mais um importante espaço de discussão e construção do conhecimento sobre as africanidades e afrodescendencias que se abre na Universidade”. 

segunda-feira, 27 de agosto de 2018

“Lula foi um bom presidente pro Brasil e o povo sabe disso”, diz Ciro Gomes em entrevista no Jornal Nacional


(Foto: Reprodução/Jornal Nacional).

O candidato do PDT à presidência, Ciro Gomes, foi pressionado por William Bonner e Renata Vasconcellos na entrevista que concedeu, na noite desta segunda-feira (27), no “Jornal Nacional”. Os apresentadores lembraram as declarações de Ciro em que afirmou que alertou Lula sobre a corrupção na Petrobras, tentando tirar do candidato uma crítica ao petista.

Ciro, no entanto, saiu em defesa do ex-presidente. “Lula não é uma satanás como a imprensa pensa, e não é um santo como parte do PT acha. Eu conheço Lula há 30 anos, tive honra de trabalhar com ele, e ele fez muita coisa boa para o Brasil. Eu faço essa menção: Lula foi um bom presidente pro Brasil e o povo sabe disso. Há 5, 7 anos atrás o Brasil estava melhor. E a população mais pobre sentiu na pele as consequências de um bom governo. No governo Dilma acabou. Mas não devemos comemorar o fato de o maior líder político do Brasil estar preso”, disparou.

Antes disso, os apresentadores relembraram declarações críticas de Ciro ao judiciário brasileiro e ao Ministério Público. O pedetista ponderou, afirmando que é favorável à operação Lava Jato, mas disse que o Ministério Público, atualmente, comete “abusos” a pratica “política”.

Nesse momento há muitos abusos, você não tem ideia do que estão fazendo com prefeitos, as destruições de reputação que se faz (…) Estão exercendo política na medida que os outros poderes estão desmoralizados”, pontuou. (Com informações da Revista Fórum).


STF julga nesta quinta (30) se reforma do ensino médio é constitucional


Professores e alunos dos municípios de Altaneira e Noa Olinda em roda de conversa (2016) para debater as medidas autoritárias de Temer. (Foto: Ana Cleide, da EEFM Padre Luís Filgueiras).


O Supremo Tribunal federal (STF) julgará nesta quinta-feira (30) a constitucionalidade da Medida Provisória (MP) 746/2016, que institui a reforma do ensino médio, por meio da Ação Direita de Inconstitucionalidade (ADI) 5599 movida pelo Psol. Sancionada por Michel Temer, no início deste ano, a proposta de reelaboração das diretrizes escolares é criticada por professores, estudantes e especialistas por alterar parar pior a composição do currículo e comprometer a educação brasileira.

Na sexta-feira (24), alunos e professores das escolas estaduais de São Paulo ocuparam a Avenida Paulista, na região central da capital, e protestaram pela revogação da reforma do ensino médio, reivindicando também maior participação no processo de elaboração da Base Nacional Comum Curricular (BNCC) e ampliação dos investimentos e recursos para as escolas.

Para a professora de Sociologia Michelle Souza da Silva que leciona na Escola Estadual Augusto de Carvalho, localizada na Freguesia do Ó, zona norte da capital paulista, a reforma promove o que classifica como “apartheid educacional” por precarizar ainda mais as condições de trabalho dos docentes e, ao flexibilizar as disciplinas, acabar por esvaziar o currículo escolar. “Na medida que você coloca a obrigatoriedade de cursar duas disciplinas e as demais você tem a escolha, sem ser uma oferta equivalente para todos os estudantes, isso vai afastar, impedirá que parte dos alunos tenham acesso à educação formal”, explica.

O vice-presidente do Sindicato dos Professores do Ensino Oficial do Estado de São Paulo (Apeosp), Roberto Guido, destaca ainda que a entidade também reivindica a revogação da reforma. “Ela tem um caráter privatista, empobrece o currículo, ela vende um produto que a sociedade não terá acesso, como o estudante poder escolher seu percurso escolar. Para isso ocorrer você precisa ampliar os investimentos e não reduzi-los”, critica Guido em entrevista à repórter Beatriz Drague Ramos, da Rádio Brasil Atual. (Com informações da RBA).

domingo, 26 de agosto de 2018

Candidatos à presidência intensificam campanha no Nordeste



Terra vermelha desde 2002, quando Lula foi eleito presidente da República, a região Nordeste volta a ser alvo de disputa entre os presidenciáveis. O fato novo que impulsiona a guerra pelo voto dos nordestinos é a possibilidade de Lula ser retirado da disputa pelas questões judiciais.

(Foto: Reprodução/O Povo).
Preso desde o dia 7 de abril deste ano, acusado de receber vantagem indevida de contratos entre empresas e o Governo Federal, o ex-presidente lidera com folga as pesquisas de intenção de voto. No Nordeste, conforme apontou o Ibope, no último dia 20 deste mês, a vantagem chega a indicar 51 pontos percentuais para o segundo colocado, Jair Bolsonaro (PSL).

Com a provável saída de Lula, caso a Justiça entenda que o caso dá enquadramento na Lei da Ficha Limpa, os eleitores órfãos terão que escolher outros nomes para comandar o País pelos próximos quatro anos. É visando a possibilidade judicial que candidatos têm intensificado a agenda pela região.

Na última quinta-feira, 23, o candidato geraldo Alckmin (PSDB), que tem apenas 2% das intenções de voto na região, visitou Pernambuco e falou em "salvar" o rio São Francisco. "É preciso salvar o rio. Faremos um grande projeto para revitalizar nascentes e tratar o esgoto de 115 municípios", disse o tucano no momento da visita.

Em entrevista ao O POVO, deputado federal Guilherme Coelho (PSDB-PE) argumentou que a campanha de 2018 será diferente da de 2006, quando o ex-governador disputou o Palácio do Planalto contra Lula. "Na última vez botaram na cabeça dele que era pra ele não visitar porque estava perdido. O voto do Nordeste não tem dono. O nordestino não vota com cabresto. O Alckim está certo ao vir", defendeu o parlamentar. A expectativa é que o candidato visite o Ceará no próximo dia 31.

A estratégia não é apenas tucana. Jair Bolsonaro (PSL), que tem 9% da preferência nordestina, deverá intensificar a agenda nos estados da região para conquistar esse eleitorado que poderá ficar órfão nas próximas semanas. De acordo com o articulador da candidatura no Ceará, Heitor Freire, o candidato deverá percorrer o interior cearense nas próximas semanas.

"Nós acreditamos que o nordestino é um povo conservador. Acreditamos nisso. Infelizmente, por desinformação, eles não conhecem verdadeiramente quem é Bolsonaro. Quando ele visita, desperta curiosidade. Jair Bolsonaro está muito bem no Ceará. Acredito que ele bate os 30%", projeta o dirigente.

A presidenciável Marina Silva (Rede) esteve nos estados do Ceará e Pernambuco na última semana. Uma das principais beneficiadas com a saída de Lula do cenário eleitoral, de acordo com as pesquisas, a ex-ministra tenta recuperar o recall de 2014 na região para manter o patamar positivo nos levantamentos.

O cearense Ciro Gomes (PDT) tem investido, nesse primeiro momento, na região Sul do País. Pela ligação dos últimos anos com o ex-presidente Lula, a coordenação pretende intensificar em setembro a campanha no Nordeste. A crença é que ela seria a principal beneficiada com a saída do petista.

Por outro lado, Fernando Haddad, vice na chapa de Lula, e encarado como plano B do PT, faz verdadeira maratona pelo Nordeste. O ex-prefeito de São Paulo busca colar imagem à do ex-presidente e, nos últimos dias, visitou Sergipe, Paraíba, Piauí, Bahia, Aracaju e Rio Grande do Norte. De acordo com o deputado José Guimarães (PT), o candidato vem ao Ceará ainda nesta semana. (Com informações do O Povo).


sábado, 25 de agosto de 2018

Professora Ana Paula, da URCA, confirma participação no 9º Artefatos da Cultura Negra



Professora Ana Paula. (Foto: Reprodução/Facebook).

Depois de Sônia Guimarães, Janaina Oliveira, Teresa Cárdenas, Ermildo Panzo, Socorro Alexandre e de Djamila Ribeiro, agora foi a vez da pedagoga, professora da Universidade Regional do Cariri (URCA) e mestre em educação pela Universidade Federal do Ceará (UFC), Ana Paula, confirmar sua participação na 9ª Edição do Artefatos da Cultura Negra que ocorrerá entre os dias 18 e 22 de setembro em Crato e Juazeiro do Norte, conforme divulgação na página oficial do evento no facebook.

Ana Paula é doutoranda  em Educação na Universidade Federal do Ceará na linha de pesquisa: movimentos sociais, educação popular e escola, no eixo sociopoética, cultura e relações étnico-raciais. Ela compõe a comissão organizadora do Artefatos da Cultura Negra, é membro do Núcleo de Estudos em Educação, Gênero e Relações Étnico-Raciais - NEGRER/URCA e do Grupo de Estudos e Pesquisa em Geografia Agrária- GEA-URCA, tendo experiência na área de Educação, atuando principalmente nos seguintes temas: formação de professores quilombolas, Lei 10.639/2003, gestão escolar e pedagogia de quilombo.

A professora terá sua participação no artefato a partir da Mesa “Re) existência quilombola: direito, identidade e educação, no Salão de Atos da URCA”.

ALB/Seccional Araripe promove cerimônia de preito de gratidão aos novos patronos


Acadêmicos e acadêmicas da Academia de Letras do Brasil/Seccional Araripe durante cerimônia de entrega do preito de gratidão aos novos patronos. (Foto: Aristóteles Alencar).

Patronos são os exemplos que devemos seguir em honradez, simplicidades e serviço prestado para o desenvolvimento histórico-cultural”, foi com essa assertiva que a Academia de Letras do Brasil/Seccional Araripe promoveu na noite desta sexta-feira, 24, no município de Araripe, a cerimônia visando entregar preitos de gratidão a familiares dos mais novos patronos da entidade.

O evento foi marcado por uma celebração eucarística realizada pelo pároco Vileci e prosseguiu com a entrega do preito pelo então acadêmico e presidente da seccional, Francisco Adriano. Dentre eles, elenca-se o poeta altaneirense Antônio Rodrigues (Ribuliço), patrono da professora Socorro Lino, o folclorista e um dos principais representantes da cultura popular de Altaneira a partir da Banda Cabaçal, João Sabino Dantas, que figurou no imaginário do município como João Zuba, representado por este professor e blogueiro e a professora e artesã Maria Constância da França Muniz, representada pela professora e blogueira Lucélia Muniz.

Todos os demais patronos que compõem hoje a academia foram lembrados, a saber: Fausta Venâncio David (Professora), Noemi de Alencar Arraes (Escritora), José Pereira de Lima (Político), Elói Francisco da Silva (Empresário), Raimundo Araújo Silva (Padre), Antônio Nunes Alencar (Homem Público), Manuel Januário do Nascimento (Latifundiário), Feliciano Ferreira da Silva (Latifundiário), Higino Teles de Menezes (Latifundiário), Generosa Amélia da Cruz (Política), Miguel Dalmir Rodrigues (Músico), José Oêmio Timotio de Arruda (Técnico Agrícola), Manuel Vieira de Albuquerque (Comerciante),  José Freire de Gusmão (Militar), Maria Emília de Alencar Barbosa (Professora), Antônio Paulino de Lima (Sapateiro), Antônio José de Lira (Construtor), Euclides Guedes Rodrigues (Dentista), Antônio Alves Cavalcante (Político), José Júnior Leite, Antônio Girão Barroso (Poeta e Escritor),  Alexandre (Enfermeiro Prático),  Ezequiel Pereira de Amorim, Antônio Mendes Amorim, José Alves Batista (Político), Theodolina Rodrigues (Professora), Alexandre Alexandrino de Alencar (Político), Luiz Otacílio Rodrigues (Pecuarista), Maria Vera Lúcia Rodrigues de Alencar (Funcionária Pública),  Maria Luiza Leite (Professora) e Antônia Rosa Ribeiro.

Nicolau Neto recebendo o preito de gratidão das mãos do presidente da ALB/Araripe, Francisco Adriano.

Mais de 20 acadêmicos, entre novatos e veteranos, acompanhados de familiares dos patronos participaram do momento. Adriano afirmou que se sentiu muito feliz com a cerimônia. “Caríssimos acadêmicos, estou felicíssimo com tanta festa, com tantas homenagens, com tudo... Muito obrigado. Felicidades a todos. Meus agradecimentos”, disse. Segundo ele, a posse está marcada para outubro.

Sandro e Nicolau. (Foto: Arlindo)
A Academia de Letras do Brasil (ALB) se configura como uma entidade nacional e que está presente em 80% do território brasileiro e com atuação fora do país. No Ceará, ela chegou em 02 de julho de 2016 e já conseguiu empossar 55 (cinquenta e cinco) membros fundadores efetivos e vitalício.

No município de Araripe, a Seccional foi instalada no dia 27 de outubro de 2017 e representa ainda as cidades de Altaneira, Campos Sales, Potengi, Salitre e Santana do Cariri.

O professor santanense e acadêmico Raimundo Sandro Cidrão que esteve presente no evento, usou a rede social facebook para desejar boas-vindas a este signatário. “Meu caro aluno Nicolau, agora vendo-o membro da ALB/ARARIPE-CE, cresce minha admiração por você, e alegra-me sobremaneira, pelos frutos profícuos que seu trabalho, com certeza trará, para nossos pares nessa confraria. Seja bem- vindo!”, disse.

Este professor, palestrante, blogueiro e ativista dos direitos civis e humanos das populações negras ocupará a cadeira de número 33. 

Abaixo outras fotos:

Lucélia Muniz e Nicolau Neto. (Foto: Aristóteles Alencar).

Arlindo e Nicolau Neto. (Foto: Sandro Cidrão).

Arlindo, Nicolau e Sandra Agra. (Foto: Sandro Cidrão).
Nicolau Neto, Francisco Adriano e Sandro Cidrão.


sexta-feira, 24 de agosto de 2018

O Brasil não muda sem atacar os privilégios, diz presidenciável Guilherme Boulos


Boulos: "Não tenho ambiguidades".

As negociações partidárias limitaram o número de candidaturas presidenciais do campo progressista. Com Lula preso, o PT sem representante nos debates e Ciro Gomes em busca do eleitorado centrista, resta a Guilherme Boulos, do PSOL, a missão de exercitar a crítica ao golpismo do Judiciário e a perseguição política ao ex-presidente, expor os presidenciáveis que apoiaram desde a primeira hora o impeachment de Dilma Rousseff e a ascensão de Michel Temer (“os 50 tons de Temer”, de acordo com sua definição), e criticar de maneira mais contundente o sistema financeiro.

Boulos, não se pode negar, cumpre as tarefas com denodo. “Precisamos dialogar com os desiludidos e os insatisfeitos”, afirma. “Caso contrário, vamos empurrar o eleitorado para o colo do Bolsonaro.”





Com aliança do Centrão, Alckmin terá quase metade do horário eleitoral na TV


Alckmin terá o maior tempo de programa no horário eleitoral na TV, seguido de Lula e Meirelles. Sem ter conquistado alianças, Bolsonaro terá 8 segundos para expor ideias e planos para o país. (Foto: Reprodução/RBA).


O horário eleitoral na TV começa no dia 31, com espaço apenas para as eleições estaduais. Os programas dos presidenciáveis começam a ir ao ar em 1º de setembro (sábado). Serão dois blocos por dia. O último dia de horário eleitoral gratuito será 4 de outubro. De acordo com a divisão dos programas informada pelo Tribunal Superior Eleitoral, além dos tempos em cada um dos blocos, Geraldo Alckmin (PSDB), com sua aliança de muitos partidos, terá mais de metade do total de inserções diárias ao longo das programações: 434 inserções de 30 segundos em rádio e TV.

O dilema estratégico do PSDB será se utiliza mais tempo para se desvencilhar do golpe e do governo Temer – dos quais o partido é protagonista – e seus efeitos negativos na vida dos brasileiros. Se vai optar por bater em Jair Bolsonaro (PSL), hoje principal figura anti PT e seu adversário direto por uma vaga no segundo turno. Ou se aponta as baterias para o próprio PT, que lidera as pesquisas.

O ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT) terá 189 inserções, e será o destaque da legenda, até que o TSE decida sobre os pedidos de impugnação de sua candidatura. O partido deve usar a propaganda na TV para popularizar o nome do vice na chapa, Fernando Haddad. Recentemente, em sabatina, Haddad afirmou que Alckmin e Bolsonaro terão de disputar o mesmo eleitorado e apenas um deles estará no segundo turno para enfrentar o PT.

Bolsonaro terá direito a 11 inserções em 35 dias de campanha e deve apelar para divulgar suas redes sociais, onde concentrará a campanha. Ciro Gomes (PDT) contará com 51 programas de meio minuto e Marina Silva (Rede), 29.

Divisão

Os programas dos candidatos a presidente serão veiculados aos sábados, terças e quintas-feiras, em dois blocos diários de 12 minutos e 30 segundos. No rádio, haverá um bloco às 7h e outro às 12h. Na TV, o primeiro bloco será veiculado às 13h e o segundo às 20h30.

O tempo de cada presidenciável corresponde a um cálculo proporcional à representação na Câmara dos Deputados de cada um dos partidos que integram a coligação. Abaixo, todos os tempos de cada candidato (em ordem alfabética):

Alvaro Dias (Podemos, PSC, PTC, PRP): 2 blocos diários de 40 segundos cada um + 52 inserções no primeiro turno + 1 inserção de sobra de 30 segundos

Cabo Daciolo (Patriota): 2 blocos diários de 8 segundos cada um + 11 inserções no primeiro turno

Ciro Gomes (PDT, Avante): 2 blocos diários de 38 segundos cada um + 50 inserções no primeiro turno + 1 inserção de sobra de 30 segundos

Eymael (Democracia Cristã): 2 blocos diários de 8 segundos cada um + 11 inserções no primeiro turno + 1 inserção de sobra de 30 segundos

Geraldo Alckmin (PSDB, PRB, PP, PTB, PR, PPS, DEM, PSD, SD): 2 blocos diários de 5 minutos 32 segundos cada um + 434 inserções no primeiro turno

Guilherme Boulos (Psol, PCB): 2 blocos diários de 13 segundos cada um + 17 inserções no primeiro turno

Henrique Meirelles (MDB, PHS): 2 blocos diários de 1 minuto e 55 segundos cada um + 151 inserções no primeiro turno

Jair Bolsonaro (PSL): 2 blocos diários de 8 segundos cada um + 11 inserções no primeiro turno

João Amoêdo (Novo): 2 blocos diários de 5 segundos cada um + 7 inserções no primeiro turno + 1 inserção de sobra 30 segundos

João Goulart Filho (PPL): 2 blocos diários de 5 segundos cada um + 7 inserções no primeiro turno

Lula (PT, PC do B, Pros): 2 blocos diários de 2 minutos e 23 segundos cada um + 188 inserções no primeiro turno + 1 inserção de sobra de 30 segundos

Marina Silva (Rede, PV): 2 blocos diários de 21 segundos cada um + 28 inserções no primeiro turno + 1 inserção de sobra de 30 segundos

Vera Lúcia (PSTU): 2 blocos diários de 5 segundos cada um + 7 inserções no primeiro turno

Ordem de aparição na TV

No mesmo evento, foi sorteada a ordem de veiculação do primeiro dia de propaganda para presidente, em 1º de setembro:

Marina Silva

Cabo Daciolo

Eymael

Henrique Meirelles

Ciro Gomes

Guilherme Boulos

Geraldo Alckmin

Vera Lúcia

Lula

João Amoêdo

Alvaro Dias

Jair Bolsonaro

João Goulart Filho

A ordem mudará a cada dia, de modo que o primeiro de antes será o último no dia seguinte.

Assim, no segundo dia de propaganda, 4 de setembro, o primeiro programa será de Cabo Daciolo e no terceiro dia, 6 de setembro, o primeiro será de Eymael, e assim por diante.

Todos os dias, o último a veicular sua propaganda terá nove segundos a mais, relativos a uma sobra no tempo de cada bloco. (Com informações da RBA).