27 abril 2017

A troco de quê 51 deputados traíram os trabalhadores em 7 dias? E hoje quantos enterrarão a CLT?


Os golpistas perderam qualquer resquício do pudor.

O “toma lá dá cá” é a céu aberto, e a vítima, para variar, são os trabalhadores.

Em apenas uma semana, 51 deputados federais traíram os trabalhadores.

Um deles, Arnaldo Jordy (PPS/PA), em dose dupla.

Explico.

Viomundo - Na terça-feira passada (18/04), a manobra da dupla Michel Temer-Rodrigo Maia colocou em votação a urgência da reforma trabalhista.
Implodiu: por 230 a 163 votos, a Câmara rejeitou a urgência.

Menos de 24 horas depois, o presidente da Câmara, Rodrigo Maia (DEM-RJ), num golpe à la Cunha, colocou de novo em votação a urgência da reforma trabalhista.

E a Câmara aprovou.

Detalhe: em menos de 24 horas, 24 deputados que haviam sido contra a urgência, votaram sim.

Em matéria na Folha de S. Paulo, Ranier Bragon, observou:

A comparação dos mapas de votação de terça (18) e desta quarta-feira (19) mostram que, em menos de 24 horas, foi criada uma bancada de 24 deputados “vira-casaca”: eles votaram contra a tramitação mais rápida da reforma na terça, mas mudaram de ideia e, nesta quarta, apoiaram a tese do governo.

A derrota do dia anterior foi simbólica para o governo porque ele pretende usar a aprovação da reforma trabalhista como um sinal ao mercado e ao país de que tem musculatura legislativa para aprovar a reforma da Previdência, que exige apoio maior dos congressistas (pelo menos 60%).

Com isso, o governo pressionou partidos que têm ministério e conseguiu reverter as defecções: o partido com mais vira-casacas foi o próprio PMDB de Temer. Quatro mudaram de ideia a favor do governo em menos de 24 horas.

Depois vêm PSB (3), PP (3), PTN (3) e PR (3), incluindo Tiririca (SP), deputado mais votado no Brasil em 2010 e o segundo mais votado em 2014.


Abaixo, a lista do vira-casacas, feita por Bragon. Veja-os na fotomontagem acima.



Nessa terça-feira (25/04), a comissão especial da reforma trabalhista votou o relatório.

Ele foi aprovado por 27 votos a 10.

Os nomes dos que traíram os trabalhadores estão na lista abaixo.  O deputado  Arnaldo Jordy pediu “bis”.


Neste momento, a reforma trabalhista está em debate no plenário da Câmara.

Rodrigo Maia quer votar hoje de qualquer jeito.

Afinal, quem vai trair os trabalhadores hoje e enterrar a CLT? A troco de quê?

Na semana passada, a União Geral dos Trabalhadores (UGT) fez um levantamento, cotejando a mudança de votos no dia 19 de abril com o Diário Oficial da União (DOU).

Descobriu um grande volume de  nomeações e liberações de verbas publicadas naquelas 24horas.

A relação do governo Temer com Congresso se caracteriza pela troca de favores”, observa o deputado federal Paulo Pimenta (PT-RS).

E na votação em plenário isso vai prevalecer mais ainda”, atenta.

Tanto que exonerou três ministros para que voltassem à Câmara e votassem”, expõe Pimenta.”Ou seja, aqueles que o governo não consegue comprar, ele substitui”.

0 comentários:

Postar um comentário

Ao comentar, você exerce seu papel de cidadão e contribui de forma efetiva na sua autodefinição enquanto ser pensante. Agradecemos a sua participação. Forte Abraço!!!