02 fevereiro 2017

Eleição na Câmara: cinco votos brancos, quatro para Bolsonaro



Pré-candidato à Presidência da República, Jair Bolsonaro parece não ter no Congresso o mesmo prestígio conferido por seus ruidosos seguidores nas manifestações de rua e nas redes sociais. Capitão da reserva do Exército e expoente da chamada "Bancada da Bala", o deputado do PSC registrou na noite de ontem a sua candidatura ao comando da Câmara. Amealhou quatro votos, um deles possivelmente de sua própria lavra. Terminou em último lugar na votação secreta. Até mesmo os sufrágios em branco tiveram desempenho um pouco melhor.

Formado na Academia Militar de Agulhas Negras em 1977, Bolsonaro integrou a brigada de paraquedistas, onde conquistou a patente de capitão. Em 1986, foi preso por 15 dias, após liderar um protesto contra os baixos salários dos praças. Absolvido pelo Superior Tribunal Militar dois anos depois, decidiu abandonar a farda e ingressar na política.

Em 1988, elegeu-se vereador do Rio de Janeiro. Dois anos depois, conquistou uma cadeira na Câmara dos Deputados. Reeleito a cada nova legislatura, está em seu sétimo mandato como deputado federal. Um feito e tanto para um político sempre considerado irrelevante nas articulações políticas do Congresso.

Praticamente desconhecido fora de seus redutos eleitorais por duas décadas, Bolsonaro ganhou projeção nacional nos últimos tempos graças ao antipetismo e à habilidade de atrair os holofotes da mídia com seu discurso de intolerância. Aliado à Bancada da Bíblia, fez intensa campanha contra as cartilhas lançadas pelo governo Dilma Rousseff para estimular o debate nas escolas sobre questões de gênero e sexualidade. Segundo o parlamentar, tratava-se de um “Kit Gay” para fazer “apologia ao homossexualismo”.

Defensor da redução da maioridade penal para 14 anos, além de propor um plebiscito para a população decidir sobre o encarceramento a partir dos 12 anos, é a favor da pena de morte e costuma zombar das entidades que defendem direitos humanos. “Prefiro cadeia cheia de vagabundo a cemitério cheio de inocentes” é um de seus bordões, repetido à exaustão pelos seus numerosos seguidores, que carinhosamente o apelidaram de “Bolsomito”. Mantém especial desprezo pelas mulheres do Parlamento, e chegou a dizer que não estupraria a deputada Maria do Rosário porque ela “não merece”. Em consequência do estupro, tornou-se réu no Supremo por incitação ao crime.

A cada aniversário do golpe de 1964, prepara uma homenagem aos militares que assaltaram o poder e reprimiram os dissidentes políticos. Debochado, chegou a posar para fotos no gramado do Parlamento, ao lado de uma faixa: “Parabéns, militares. Graças a vocês o Brasil não é Cuba”. No impeachment de Dilma, dedicou o voto ao coronel Carlos Alberto Brilhante Ustra, ex-chefe do DOI-Codi paulista, reconhecido pelas práticas de tortura contra opositores do regime militar.

O discurso de ódio, ora em moda, despertou a mosca azul do parlamentar. Bolsonaro trocou o PP pelo PSC, com o sonho de participar da corrida presidencial de 2018. E figura com impressionantes 9% das intenções de voto, segundo as mais recentes pesquisas. Nos maiores centros urbanos, entre eleitores da classe A, chega a registrar 25%. Ao se levar em conta a votação na Câmara, o deputado talvez não passe mesmo de um mito.

Ao se levar em conta a votação na Câmara, o deputado talvez não passe mesmo de um mito.
Foto: Thyago Marciel/Câmara dos Deputados.



0 comentários:

Postar um comentário

Ao comentar, você exerce seu papel de cidadão e contribui de forma efetiva na sua autodefinição enquanto ser pensante. Agradecemos a sua participação. Forte Abraço!!!