3/31/2016

Chico Buarque lembra 1964 e diz que manifestantes estavam reunidos por apreço a democracia

0 comentários


"Vocês me animam a acreditar que não, de novo não, não vai ter golpe", afirmou Chico durante ato no centro do Rio.

O cantor e compositor Chico Buarque falou no início da noite de hoje (31) em ato contra o impeachment e pela democracia, realizado no Largo da Carioca, região central do Rio de Janeiro. Segundo ele, havia na manifestação pessoas que votaram ou não no PT e quem pode estar desiludido ou decepcionado com o governo, "mas não se pode pôr em dúvida a integridade da presidente Dilma Rousseff".

Segundo Chico, que já foi hostilizado em redes sociais e pelo menos uma vez na rua por suas posições políticas, que os participantes do ato estavam "unidos pelo apreço à democracia e em defesa intransigente da democracia".

Ele lembrou da data de hoje, quando se completam 52 anos do golpe que derrubou o presidente João Goulart, e destacou a importância do ato. "Vocês me animam a acreditar que não, de novo não, não vai ter golpe", afirmou.


Continue Lendo...

Professor de filosofia descobre em sala de aula como a mídia desinforma

0 comentários



Ontem num debate sobre ética em uma aula minha percebi o resultado da estratégia da manipulação midiática.

Todos os meus alunos achavam que o processo de impeachment contra a Dilma (golpe) era por causa da Lava Jato.


Quando comecei a explicar que a tese do impeachment (golpe) era de que a presidenta usou dinheiro da Caixa Econômica Federal para manter os programas sociais eles ficaram perplexos.

— Mas professor, ela não roubou?

— Não, não é acusada de ter roubado um único centavo. A única coisa que fez foi colocar dinheiro público de um banco estatal em programas sociais, e depois, devolver esse dinheiro à Caixa.

Isso foi suficiente para passarem a se posicionar contra o impeachment e se sentirem enganados pelos meios de comunicação que misturam uma coisa com a outra o tempo todo.

Agora pergunto: isso é fazer propaganda petista ou cumprir com a minha obrigação como professor de filosofia de questionar a massificação da propaganda ideológica golpista feita pelos meios de comunicação?

Acredito firmemente que a função da filosofia no ensino médio deva ser possibilitar que os alunos pensem criticamente a sociedade. Isso significa pensar por conta própria. E numa época de mídia de massa onde os meios de comunicação, principalmente a Globo que comprovadamente já participou de alguns movimentos golpistas na nossa história, determinam os rumos da política, temos a obrigação de desconstruir a ideologia dominante.
Ideologia essa que nos leva a passos largos para o abismo fascista.

Adorno após a Segunda Guerra já nos alertava da necessidade de uma Educação pós-Auschwitz.

Não temos portanto o direito de aderir à histeria da classe média, frustrada em suas pulsões consumistas durante um período de crise mundial.

Nem o niilismo, nem o individualismo pós-moderno atendem as necessidades de enfrentar o avanço fascistizante.

Apenas o apelo à razão, tão surrada nos últimos tempos, nos serve neste momento.

As classes se levantam e se conflitam no movimento dialético da história. Não há espaço para torres de marfim.

Heidegger não foi perdoado. Já conhecemos o mundo onde pisamos. Faz-se urgente transforma-lo.

Ou deixaremos a tristeza e a servidão como únicas heranças para os pensadores(as) do futuro.

O golpe está em andamento diante dos nossos olhos. O silêncio não é uma opção.

*Professor de Filosofia da Rede Estadual de Minas Gerais; membro da Direção Estadual do Sindute
Continue Lendo...

3/30/2016

Os golpistas nunca se fazem chamar de golpistas, por Emir Sader

0 comentários



Os golpes nunca se dizem golpes, os golpistas nunca se fazem chamar de golpistas. Há sempre vários tipos de nomes, pelos quais os golpistas tentam disfarçar seu golpe.


Aqui mesmo o golpe de 1964 pretendeu se chamar "Revolução", que iria acabar com a subversão e com a corrupção no Brasil. "Revolução", para justificar o uso da força. Mas diziam que iriam salvar a democracia, que estaria em perigo. Os jornais imediatamente reproduziram essa versão, tanto O Globo, quanto O Estado de São Paulo, a Folha de São Paulo e os outros: a democracia foi salva pelo movimento dos militares. Isso justificaria os "excessos" que seriam cometidos.

O golpe de 1964 também disse que era um movimento legal, que defendia a Constituição, contra os planos subversivos do presidente da República. O presidente da Câmara, Ranieri Mazilli, assumiu, empossado pelo presidente do Senado, Áureo de Moura Andrade, pelo "vazio de poder", já que o presidente da República havia abandonado o palácio presidencial em Brasília.

Acontece que tropas militares tinham se sublevado em Minas Gerais contra o presidente legal do Brasil na noite anterior e deram inicio a um plano golpista planejado há tempos, de tal forma que esse movimento foi sucedido imediatamente por pronunciamentos dos chefes das várias regiões militares do país de adesão ao golpe. João Goulart tentou apoio no sul do pais, da mesma forma que o havia logrado em 1961, porque estava deposto pelos militares golpistas.

Na sequência, os laranjas da época (Mazzilli e Moura Andrade, como agora seriam Michel Temer e Eduardo Cunha) cederam o poder a quem havia dado efetivamente dado o golpe – os militares. E desapareceram na poeira da história, como estes de agora também desapareceriam, caso lograssem dar o golpe.

Ser golpista, assim como ser de direita, é feio. Ninguém é golpista, mesmo que planeje e dê um golpe, interrompa o processo democrático e imponha uma ditadura. Ele sempre se pretende imbuído de uma missão nobre: limpeza ética do país, combate à subversão, resgate da economia dos riscos do estatismo.

As Marchas que ajudaram à desestabilização do governo assumiam os valores que estariam em perigo: "Deus, família, propriedade". O direito à crença religiosa e a existência mesmo de escolas religiosas, a existência da família (com os fantasmas da guerra fria de que as crianças seriam retiradas da família e mandadas estudar na URSS), a propriedade, pelo riscos do Estado se apropriar de todos os bens das pessoas.

Mesmo com a repressão imediatamente desatada – lembremos da imagem de Gregório Bezerra, negro, nordestino, comunista, arrastado pelas ruas do Recife amarrado a um jipe do exercito, para mostrar a sorte que correriam os que ousassem enfrentar os golpistas -, a mídia não chamou o golpe de golpe. A democracia foi destruída, instalou-se um regime de ditadura militar, o Estado tornou-se o quartel general das FFAA para controlar o país e reprimir tudo o que caracterizassem como subversivo. O Legislativo e o Judiciário foram depurados sucessivamente dos seus membros, o poder foi controlado completamente pelos altos mandos das FFAA. Todo tipo de violência e de arbitrariedade foi cometido pelo regime militar.

Mais tarde o nome de golpe militar foi se generalizando no lugar do de "Revolução" e a palavra "golpe" ganhou conotações claramente negativas. A ponto que O Globo, na parodia de autocritica, e A Falha, quando tentou passar a ideia de que o que teria havido seria uma "ditabranda", usaram explicitamente a palavra golpe.

Golpe é a ruptura do processo democrático por vias não previstas pela Constituição. A ditadura de 1964 passou a decretar atos institucionais, que se sobrepunham à Constituição. A democratização demandou uma nova Constituição para o país.

O movimento golpista atual pretende interromper o processo democrático, tirando do governo a uma presidenta eleita pelo voto popular, sem nenhum crime de responsabilidade. Uma ação abertamente golpista. Mas, como todo golpe, ele não gosta de ser chamado de golpe, os golpistas não querem ser chamados de golpistas.

Os golpistas de 1964 tampouco queriam ser chamados de golpistas, o golpe de 1964 não seria um golpe.

Aquele, como este, tem tudo de golpe: cara, jeito, ação, projeto. Só não aceita o seu verdadeiro nome: golpe. Não querem aparecer e oposição ao que querem destruir: a democracia.
Continue Lendo...

Manifestações nesta quinta-feira (31) em todo o país vão combater o 'golpe'

0 comentários


Movimentos sociais e centrais sindicais organizadas na Frente Brasil Popular vão realizar amanhã (31) mobilização nacional em defesa da democracia e contra o golpe, a reforma da Previdência e o ajuste fiscal. Eles não pretendem deixar as ruas, independente do resultado do processo de impeachment contra a presidenta Dilma Rousseff. “Não vamos reconhecer um eventual governo (Michel) Temer. A 'saída Temer' é um jogo casado dos golpistas”, afirmou o presidente da CUT São Paulo, Douglas Izzo.


Em 18 de março, a frente levou milhares de pessoas às ruas em defesa da democracia.
Para o dirigente sindical, um governo de coalizão entre PMDB, PSDB e DEM representa “o pior dos mundos” para os trabalhadores e vai ser enfrentado com amplas mobilizações e paralisações. “Não vamos reconhecer um governo que não tem a legitimidade dos votos do povo. Que só representa ajuste, flexibilização das leis trabalhistas e ataques contra os programas sociais”, disse Izzo.

Já no caso da derrota dos defensores do impeachment, o coordenador estadual do Movimento dos Trabalhadores Rurais Sem Terra (MST) Gilmar Mauro ressalta que os movimentos vão pressionar o governo a adotar o programa vencedor das eleições de 2014 e adotar uma agenda econômica de desenvolvimento e distribuição de renda. Dentre as pautas estão as reformas política, tributária e das comunicações, a taxação das grandes fortunas, o fim do ajuste fiscal e a retomada dos programas sociais, que já vêm sendo colocadas pelos movimentos desde o ano passado.

Evidente que do ponto de vista legal há uma busca do governo em mobilizar 180 votos no Congresso e depois reorganizar o governo. Mas também é preciso ressaltar que a mobilização dos movimentos sociais e centrais foi determinante para evitar retrocessos. Nós não estamos aqui colocando 'tudo bem, vamos lutar contra o golpe'. Nós queremos ser ouvidos por esse governo. E as nossas pautas precisam ser ouvidas”, explicou Mauro.

Para o ativista, a população brasileira está passando por um processo intenso de politização nas últimas semanas, demonstrado pelo número de ações em defesa da democracia que vêm ocorrendo em vários pontos do país. “Isso se deve principalmente ao ascenso de ideias fascistas nas mobilizações pró-golpe”, ressaltou. Mauro destacou que os movimentos farão vigília em Brasília se houver votação da aceitação da denúncia de impeachment na Câmara, em abril. “Os setores golpistas estão assustados com a reação do povo, por isso têm pressa. Mas nós não vamos parar”, emendou.

As mobilizações vão ocorrer em, pelo menos, 56 cidades pelo Brasil e também na Europa. O maior ato será em Brasília, onde estarão as principais lideranças do movimento social e sindical brasileiro e terá participação do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva. O evento é realizado em união pela Frente Brasil Popular e Frente Povo Sem Medo. A manifestação terá concentração e apresentações culturais no Estádio Mané Garrincha, às 14h, seguido de marcha pelo Eixo Monumental e Esplanada dos Ministérios.

Em São Paulo, a manifestação vai ocorrer na Praça da Sé, centro da cidade, a partir das 16h. Haverá atividades culturais e ato político. “Onde há 30 anos a população defendeu o direito ao voto direto, agora nós vamos defender a democracia”, afirmou Raimundo Bonfim, coordenador da Central de Movimentos Populares (CMP).

Classe estudantil
O movimento estudantil também vai participar das mobilizações na capital federal e outras cidades brasileiras com a sua “Jornada Nacional de Lutas da Juventude Brasileira”. A ação vem sendo realizada todos os anos, em março, para lembrar o golpe de Estado de 1964 e homenagear os líderes estudantis Edson Luís e Honestino Guimarães, assassinados pelos agentes da ditadura. A ação é organizada pela União Nacional dos Estudantes (UNE), União Brasileira de Estudantes Secundaristas (Ubes) e Associação Nacional de Pós-Graduandos (ANPG).

Desde a semana passada, os estudantes têm realizado uma blitz no Congresso Nacional, visitando gabinetes de deputados federais para apresentar os motivos por que a juventude não apoia o impeachment sem base legal. Adesivos com os dizeres “Contra o impeachment, esse parlamentar apoia a democracia” são colados na porta dos gabinetes dos parlamentares que se opõem ao impeachment.

Além disso, os discentes criaram uma campanha para pressionar os parlamentares pela internet. Pelo site mapadademocracia.org.br, qualquer cidadão pode enviar mensagens aos deputados e acompanhar o posicionamento de cada um com relação ao processo de impeachment.

Além das mobilizações de rua, a Frente Brasil Popular está criando comitês em defesa da democracia em várias cidades e na periferia das capitais. No último final de semana, utilizaram carro de som e distribuíram panfletos na zona sul da capital paulista. Ação que deve se repetir em outras regiões nos próximos finais de semana. Na segunda-feira (28), a frente inaugurou um acampamento popular na Praça do Patriarca, região central de São Paulo, onde estão sendo realizados debates e atividades culturais.


Continue Lendo...

3/29/2016

Censura à vista: Delegado da Lava Jato quer barrar críticas e informações na internet

0 comentários



O delegado federal Igor Romário de Paula, um dos chefes da Operação Lava Jato, está processando o site de busca Google e a plataforma Facebook para que eles revelem os autores e tirem do ar críticas que lhe estão sendo feitas em virtude de seu posicionamento político nas eleições de 2014, quando apoiou fervorosamente o candidato Aécio Neves (PSDB) e fez críticas jocosas ao PT e sua então candidata presidencial, Dilma Rousseff (PT).

Igor de Paula perdeu a ação judicial em primeira e segunda instância. Ainda cabe recurso.

Militante pró-Aécio nas redes sociais, delegado da Lava Jato Igor de Paula costuma aparecer no Jornal Nacional.
Conforme então revelou o jornal “O Estado de S.Paulo”, Igor de Paula costumava pedir votos para o então candidato Aécio Neves, em páginas de redes sociais fechadas ao público geral. Além disso, participava de uma comunidade cujo símbolo era uma caricatura da presidente Dilma Rousseff (PT), com dois grandes dentes para fora da boca e coberta por uma faixa vermelha na qual estava escrito “Fora PT!”.

O delegado chegou a se referir a Aécio Neves como “O CARA!”. O senador tucano é alvo de diversas delações premiadas no âmbito da Lava Jato. Quase todas as delações, porém, foram engavetadas.

Depois da veiculação da reportagem do Estadão, De Paula passou a sofrer críticas nas redes sociais. Perfis foram criados para criticar a postura considerada partidária do delegado que investigava supostos crimes cometidos por políticos de diferentes legendas partidárias, entre elas, o PT, mas também o PSDB.

De acordo com o advogado de Igor Romário de Paula, as mensagens contidas nessas páginas extrapolam o direito de liberdade de expressão na medida em que maculam a honra do delegado federal.

Os advogados do Facebook mostraram surpresa em relação ao pedido do delegado federal, e recusaram-se a atendê-lo, conforme alegam no processo: “Uma medida dessa natureza (retirada das páginas do ar) certamente configuraria censura, inadmissível até mesmo em países com regimes não democráticos. Ainda mais assustador constatar que quem pretende esse tipo de prática é ninguém menos que um delegado da Polícia Federal!”

No ano passado, foi proferida sentença em primeira instância, em que a juíza Cecília de Carvalho Contrera não só nega o pedido do delegado, como também mostra espanto em relação ao que se pede:

As supostas ofensas mencionadas na petição inicial devem ser compreendidas num contexto de livre exposição de ideias e manifestação do pensamento. O autor exerce função pública e, como tal, está especialmente sujeito a críticas em relação a sua atuação e da instituição da qual faz parte. Surpreendente a dificuldade demonstrada em conviver com críticas e opiniões distintas.”

Igor de Paula, porém, não se deu por vencido, e recorreu da decisão. Já no início deste ano, o Tribunal de Justiça de São Paulo proferiu acórdão sobre o tema, novamente rejeitando os pedidos do delegado, conforme se vê no voto do relator do processo, desembargador Paulo Alcides, da 6ª Câmara de Direito Privado do TJ-SP:

O receio do abuso não pode constituir em freio à liberdade de manifestação do pensamento e de expressão. Isto, especialmente nas matérias concernentes a atos políticos e administrativos dos agentes estatais, como o recorrente (delegado Igor de Paula), que estão especialmente sujeitos a avaliações de suas condutas, justas ou injustas, seja pela população, seja pela opinião pública ou até mesmo por membros partidários no afã de defender suas posições partidárias.”
Continue Lendo...

Prefeito Delvamberto e Secretário de Agricultura de Altaneira alertam para baixo nível de água do Açude Pajeú

0 comentários


O Secretário de Agricultura e Meio Ambiente de Altaneira, Ceza Cristóvão e o prefeito Delvamberto Soares (PDT) realizaram na manhã desta terça-feira, 29 de março, visita ao Açude Valério (popularmente conhecido por Pageú), único reservatório que abastece todo o município de Altaneira e demonstraram preocupação com o seu volume de água.

Imagem capturada do vídeo publicado na rede social facebook.
Em vídeo publicado na página do município “Altaneira Ações” no facebook o secretário foi categórico ao afirmar que o açude encontra-se com um nível de água abaixo dos 30% e alertou para que os altaneirense usem de forma racional a água em suas residências.

A mesma preocupação foi compartilhada pelo gestor municipal. Segundo Delvamberto a população precisa preservar a água e fazer economia e disse que vai precisar tomar decisões duras, porém não disse quais medidas.

Essa não é a primeira vez que informações como essa são divulgadas. Em abril de 2015 em artigo publicado aqui mesmo no Informações em Foco foi constatado segundo dados da Companhia de Gestão dos Recursos Hídricos do Estado do Ceará – COGERH, que o reservatório do Pageú estava apenas com 902,000 m³, o que equivalia a 48% de sua capacidade.

Os índices pluviométricos desde ano não tem sido nada otimistas para os munícipes. No mês de março, por exemplo, só choveu dois dias, 09 e 17. No primeiro foi computado 08 mm e no segundo 33 mm.

  
Continue Lendo...

OAB repete ações de 1964 e presidente da entidade passa vexame

0 comentários



O presidente da OAB, Claudio Lamachia, passou um vexame histórico em Brasília na tarde desta segunda-feira 28, ao ser barrado na tentativa de entregar ao presidente da Câmara, Eduardo Cunha (PMDB-RJ), um novo pedido de impeachment contra a presidente Dilma Rousseff.


Um grupo de advogados, aos gritos de "não vai ter golpe" e "a OAB apoiou a ditadura", tentou impedir a entrada de Lamachia na sala de Cunha. Outro grupo, em apoio ao presidente da OAB, gritava "fora, PT". "Nesse momento os advogados que defendem a Democracia e a Constituição estão rechaçando o descabido pedido de impeachment da OAB", comentou no Twitter o deputado Wadih Damous (PT-RJ), que estava no local.

Lamachia recebeu mais cedo, nesta segunda, três pedidos de advogados para que a Ordem realizasse uma consulta ampla à categoria sobre a questão e adiasse a entrega do novo pedido de impeachment (leia mais). Segundo Lamachia, os pedidos para suspender a decisão da entidade de apoiar o afastamento de Dilma não representam a categoria e negou que haja um racha na instituição. Lamachia ponderou ainda que a decisão de apoiar o afastamento da presidente foi técnica e ouviu mais de 5 mil dirigentes da Ordem.

Com o tumulto no Salão Verde da Câmara, que durou mais de uma hora, Lamachia desistiu de entregar o pedido diretamente a Cunha, que é réu no Supremo Tribunal Federal por corrupção, e decidiu apenas protocolar o pedido. Em coletiva após a entrega do documento, Lamachia disse que a OAB "não se manifesta na linha da política partidária", e que não estava lá defendendo governo ou oposição, mas sim "em nome dos cidadãos". Ele rechaçou novamente que haja um racha na instituição. "De maneira alguma", assegurou.

Confira aqui a íntegra do pedido de impeachment da OAB, divulgado pelo portal jurídico Jota. 
Continue Lendo...

A quem serve Temer, o PMDB e sua proposta econômica, por Ivan Valente*

0 comentários


Do site do Psol

O PMDB de Michel Temer, além de articular a debandada do governo, mesmo que num festival de fisiologismo e clientelismo, conspira com o impeachment e está preparando um programa de ajuste fiscal que surpreende os mais liberais defensores do mercado.

Vice-presidente Michel Temer e ao fundo o presidente da Câmara Eduardo Cunha, ambos do PMDB.  Crédito da Foto: Antônio Cruz/Agência Brasil.
Jorge Picciani, aquela liderança carioca que “prima” pela ética e coerência, apoiou Aécio Neves para presidente, apesar do PMDB ter Temer como vice de Dilma. Depois, girou a favor de Dilma para o PMDB abocanhar mais ministérios e firmar Leonardo Piacciani, seu filho, como líder do partido na Câmara dos Deputados. E agora, prega o desembarque do PMDB do governo, dizendo ser necessário um definitivo ajuste fiscal. Ele acompanha outros próceres do PMDB, que concorrem para ver quem mais prejudica os trabalhadores e se credencia com banqueiros e ricaços em geral, com o plano de Michel Temer “uma ponte para o futuro” ou as 50 propostas de Renan Calheiros.

O jornal Estado de São Paulo de domingo traz uma síntese desta proposta para um “futuro” governo Temer: superar o vigoroso ajuste fiscal suicida de Dilma, com um mega ajuste fiscal. Eles prometem entre outras coisas:

– revisão dos gastos na área social;
– mudanças nas concessões de bolsa de estudo (Prouni, Pronatec…);
– extinção de todas as indexações, inclusive salários e benefícios previdenciários;
– extinção de todas as vinculações, inclusive para a saúde e educação;
– revisão de subsídios, entre eles o uso do FGTS para financiar o programa Minha Casa Minha Vida;
– avaliar limitar o ensino gratuito nas universidades públicas. Leia-se cobrar mensalidades e partir para privatização escancarada;
– tornar o SUS mais eficiente. Leia-se cortar gastos com a saúde pública;
– a volta das privatizações que nunca pararam no governo Dilma e Lula. Agora é privatização total, para além da privataria tucana;
– flexibilização da legislação trabalhista. O que for negociado está acima do legislado;
– reforma da previdência com aumento do tempo de contribuição e de idade de aposentadoria;
– autonomia do Banco Central.

Para o PMDB e os articulistas e comentaristas econômicos que povoam nossos noticiários, as ações de Dilma são populismo econômico e proposta desastrosa, mesmo fazendo todas as vontades dos banqueiros e rentistas com a maior taxa de juros do mundo, privatizações e potente ajuste fiscal de Levy e Nelson Barbosa. E não acharam ruim quando as desonerações fiscais feitas pelo governo às grandes empresas chegaram a R$ 120 bilhões de reais, sem gerar emprego e distribuir renda.

No Congresso só o PSOL votou contra essas isenções e desonerações fiscais que esvaziam os cofres do Estado com perda fabulosa de arrecadação sem contrapartida. E mais, causam danos extraordinários à previdência social que atende 30 milhões de trabalhadores e de quem agora se pretende tirar direitos para pagar mais essa conta. Taxar grandes fortunas e grandes heranças, fazer auditoria da dívida pública, cobrar a dívida ativa dos grandes empresários com o Estado que chega a um trilhão de reais, não lhes passa pela cabeça.

A manobra cínica do PMDB e da direita brasileira para colocar no poder um partido em que os principais líderes estão citados, indiciados e alguns já são réus na Operação Lava-Jato, vai além da chegada espúria ao poder. Eles são instrumentos para que o povo brasileiro mais explorado e excluído pague a conta do ajuste brutal e da crise econômica.


É um plano para sossegar os especuladores, propiciar à grande mídia ultraliberal noticiário de saída para a crise, mesmo com mais sofrimento para o povo, aumento do desemprego e perda de direitos. Tudo combinado com tucanos e empresários.

* 68 anos, é deputado federal por São Paulo e líder do PSOL na Câmara.
Continue Lendo...

3/28/2016

Com tempo de quase duas horas, Higor vence II etapa do III Campeonato de MTB de Altaneira

0 comentários



Com participação de ciclistas Crato, Juazeiro do Norte e Nova Olinda, realizou-se na manhã de ontem (27/03) no Circuito da Trilha Sítio Poças a segunda etapa do Terceiro Campeonato Municipal MTB de Altaneira.


Higor foi o vencedor no Grupo Local completando as seis voltas em 1h.44min.07seg., Jonathan Soares foi o segundo colocado e Lindevaldo Ferreira, com o pneu furado, chegou em terceiro.

Apenas 9 ciclistas altaneirenses participaram da segunda etapa e a Classificação no grupo Local foi assim:

1) Higor Gomes  - 6 voltas - 1h.44min.07seg.;
2) Jonathan Soares - 6 voltas - 2h.04min.28seg.;
3) Lindevaldo Ferreira - 5 voltas - 1h.45min.04seg.;
4) Paulo Robson - 5 voltas - 1h.55min.15seg;
5) Richard Soares - 4 voltas - 1h.225min.34seg;
6) Ryan Batista - 4 voltas - 1h.59min.34seg;
7) Bruno Roberto  - 3 voltas - 1h.07min.44seg.;
8) Ricardo Pereira - 3 voltas - 1h.33min.29seg;
9) Raimundo Soares - 2 voltas - 1h.16min.26seg.

Higor e Lindevaldo cravaram a melhor volta, dentre os altaneirenses, com o tempo de 16min01seg.

Dentre os visitantes o ciclista juazeirense Ruan Jacinto venceu mais uma vez e assim como ocorreu na primeira etapa o segundo colocado foi Vanderlei Calista. Kelvyn Kleber chegou em terceiro.

 A Classificação do Grupo Visitantes foi a seguinte:

1) Ruan Jacinto - 6 voltas - 1h.39min.03seg.;
2) Vanderlei Calixta - 6 voltas - 1h.44min.05seg.;
3) Kelvyn Kleber - 6 voltas - 1h.47min.05seg.;
4) Francisco Serafim - 6 voltas - 1h.59min.46seg.;
5) Rafael Cromado - 5 voltas - 1h.43min.02seg.;
6) Willamy Brito - 5 voltas - 1h.48min.57seg.;
7) Luis Carlos Barroso - 5 voltas - 1h.54min.02seg.;
8) Allef Melo - 5 voltas - 1h.54min.47seg.;
9) Beto Ciclo - 5 voltas - 2h.01min.15seg.;
10) Fabiano Alencar - 4 voltas - 1h.42min.51seg.;
11) Andreia Alencar - 1h.20min.15seg.;
12) João Filho - 2 voltas - 1h.20min.16seg.;
13) Ernesto Rocha - 1 volta - 21min.20seg.;
14) Geraldo Feitosa - 1 volta - 21min.40seg.;
15) Robério Brito - 1 volta - 24min.32seg.;
16) Tiago Cavalcante - 01 - volta - 27min.30seg.

Os participantes do sexo masculino são divididos em duas categorias e os três primeiros colocados recebem medalhas, confiram as posições:

Júnior Visitantes:
1) Francisco Sarafim (Crato);
2) Allef Melo (Juazeiro do Norte).

Júnior Local:
1) Richard Soares;
2) Ryan Batista;
3) Ricardo Pereira.

Veterano Visitantes:
1) Willamy Brito (Crato);
2) Luis Carlos (Crato);
3) Beto Ciclo (Crato).

Veterano Local:
1) Paulo Robson;
2) Bruno Roberto;
3) Raimundo Soares.

Elite Visitantes:
1) Ruan Jacinto (Juazeiro do Norte);
2) Vanderlei Calixta (Juazeiro do Norte);
3) Kelvyn Kleber (Juazeiro do Norte).

Elite Local:
1) Higor Gomes;
2) Jonathan Soares;
3) Lindevaldo Ferreira.

Ruan baixou o tempo a melhor volta do circuito com o tempo de 15min15seg para 15min07seg e ganhou uma premiação em dinheiro no valor de R$ 100,00.

Mais uma vez o evento contou com uma boa participação de público. A próxima etapa do Municipal está marcada para o último domingo do próximo mês (27/03), na mesma hora e no mesmo local.

A mesa de cronometragem foi coordenada pelos estudantes Pedro Rafael e André Victtor, respectivamente presidente e secretário da Comissão Organizadora do evento. Atuaram como Fiscais de Prova Lino Ferreira, Humberto Batista e Luciano Ferreira.

Continue Lendo...

Ministra da Igualdade Racial diz que só ação federativa pode conter violência contra jovens negros

0 comentários



A ministra das Mulheres, da Igualdade Racial e dos Direitos Humanos, Nilma Lino Gomes, pediu hoje (28) que os três poderes nos estados, Distrito Federal e municípios trabalhem juntos com a esfera federal para que o país supere os altos índices de violência contra os jovens negros.

Nilma: "precisamos reduzir os homicídios no Brasil, principalmente dos jovens negros, os que mais sofrem".
Precisamos reduzir a taxa de homicídio no Brasil, principalmente dos jovens negros, que são os que mais sofrem. Não bastam ações do governo federal, precisamos de uma ação federativa e articulada, precisamos de articulação entre os estados e municípios e o Distrito Federal, precisamos de articulação entre Judiciário, Legislativo e Executivo para encontrarmos caminhos e alternativas para essa situação”, disse Nilma.

Dados do Mapa da Violência, divulgado em 2015, apontam que os homicídios representam 46% das causas de morte de adolescentes entre 16 e 17 anos. O estudo mostra que 93% das vítimas são homens, com destaque para os perfis de escolaridade e cor. Homens negros morrem três vezes mais que homens brancos, e as vítimas com baixa escolaridade também são maioria.

A ministra participou hoje (28) de sessão solene na Câmara dos Deputados para lembrar o Dia Internacional pela Eliminação da Discriminação Racial, celebrado no último dia 21 de março. Ela fez um balanço sobre as políticas e ações desenvolvidas pelo governo federal nos últimos anos para promover a igualdade entre os jovens, brancos e negros, como o Plano Juventude Viva, a Lei de Cotas e o Programa Universidade para Todos.

Nilma Lino destacou a iniciativa ID Jovem, que será lançado no próximo dia 31 de março. Segundo ela, a identidade jovem será um documento que comprova a condição de jovem de baixa renda para acesso ao benefício da meia entrada e, também, da reserva de vagas no transporte interestadual para jovens de baixa renda.

É uma forma de possibilitar à juventude brasileira e de baixa renda, principalmente jovens negros e negras, a ter mais acesso a atividades culturais e esportivas e ao direito de ir e vir”, disse. A identidade será destinada a jovens de 15 a 29 anos, com a famílias inscritas no Cadastro Único e renda mensa de até dois salários mínimos.

Segundo a ministra, a Secretaria Nacional da Juventude também deverá, em breve, ser integrada ao Ministério das Mulheres, da Igualdade Racial e dos Direitos Humanos, para fortalecer as ações voltadas à juventude.

A sessão solene de hoje foi convocada e presidida pelo deputado Vicentinho (PT-SP), que ressaltou a importância de colocar em pauta na Casa projetos de interesse da população jovem e negra. “Decidimos abordar nessa sessão a questão da defesa da nossa juventude, vítima da violência e do preconceito, em cada periferia vítima da maldita droga, da violência policial e da discriminação. Uma sociedade justa nós só teremos quando jovens brancos e negros forem tratados com as mesma condições e os mesmos direitos”, disse o deputado.

O dia 21 de março foi instituído pela Organização das Nações Unidas como é o Dia Internacional pela Eliminação da Discriminação Racial, em 1966, em memória à tragédia que ficou conhecida como Massacre de Shaperville, em 1960, na cidade de Joanesburgo, na África do Sul. Na ocasião, 20 mil negros protestavam pacificamente contra a Lei do Passe - que os obrigava a portar cartões de identificação, especificando os locais por onde eles poderiam transitar na cidade - quando se depararam com tropas do exército, que abriram fogo sobre a multidão, matando 69 pessoas e ferindo outras 186.
Continue Lendo...

Artista produz desenhos impressionantes com caneta bic

0 comentários



Por Zeca de Oliveira, no Ybothis

Desde pequenos aprendemos a desenhar com o lápis, porque se errarmos dá para pegar na borracha e apagar.  A caneta fica para escrever coisas muito importantes ou, no máximo, rabiscar coisas pouco importantes.

Com Enan Bosokah, um jovem artista ganense, não foi diferente. Ele aprendeu a desenhar com lápis e usar a borracha para apagar aquilo que não ficou bem. Depois de um tempo, porém, decidiu quebrar os próprios limites e passou a desenhar apenas com a caneta bic.

Para ele, a ideia de que o desenho feito à caneta não poderá ser apagado é divertida e o ajuda a ganhar domínio sobre a sua arte. O resultado é o que é e ponto. Mas chega de falar, vamos ver alguns dos seus drafts:












Todas as imagens: ©Enan Bosokah


Continue Lendo...

3/27/2016

Mapa da Democracia – Mensagem encaminhada ao Dep. Eduardo Bolsonaro (PSC/SP)

0 comentários


Já conhece o Mapa da Democracia? Ainda Não? Por ele você ajudar a preservar o regime democrático. Como? Enviando mensagens para os parlamentares que são a favor do impeachment, para aqueles que estão indecisos ou ainda para reforçar o posicionamento dos que já são a favor da democracia. A minha mensagem foi encaminhada via facebook para o  Advogado, Servidor Público e Deputado Federal Eduardo Bolsonaro (PSC/SP).

Dep. Federal Eduardo Bolsonaro (PSC/SP). Foto: Página do
político no facebook.
Confira abaixo

Olá nobre parlamentar.

Faltam poucos dias para que o futuro do nosso país seja decidido. A nossa democracia conquistada à duras penas corre sério risco de ser destruída se nada for feito a tempo. É sabido que o impeachment é uma prerrogativa legal e constitucional, mas somente se for comprovado crime de responsabilidade fiscal, fato que não ocorreu. Muitos dos que hoje foram e ainda vão às ruas (me refiro aos políticos partidários) não querem de fato acabar com a corrupção, pois são também corruptos e a lista da Odebrecht corrobora para o que ora cito. 

Sendo assim, afirmo que esta não se configura uma defesa do PT e do governo, haja vista que não sou filiado. O meu propósito em enviar-lhe esta mensagem é para reforçar o meu desejo pela continuidade da democracia e dos direitos assegurados na CF/88. Desta feita, peço a vossa excelência que se quer realmente o fim da corrupção que vote contrário ao impeachment e em 2018 faça do seu mandato uma bandeira de luta para mudar o gestor federal. A saída para superar a crise política que é muito maior que a econômica é um pacto pelo fortalecimento do regime democrático e não pelo rompimento, pois a saída da governante sem que se comprove ato ilegal não recebe outro nome se não o que ecoa da boca dos que defendem uma sociedade justa e igualitária, a saber - "GOLPE". Sem mais para o momento reforço as minhas saudações.

Atenciosamente:

Jose Nicolau da Silva Neto - Blogueiro, professor com graduação em História e pós-graduação em Docência do Ensino Superior


Continue Lendo...