25 outubro 2016

Quando ocupar se torna um ato pedagógico, Por Max Maciel*



Em nosso primeiro artigo aqui na Caros Amigos, falamos sobre como a PEC 241 e a MP da Reforma da Educação podem ampliar a exclusão social no acesso ao Ensino Médio. Desde que o tema surgiu, vários coletivos e movimentos de estudantes têm se levantado contra as propostas.

Segundo a União Brasileira dos Estudantes Secundaristas (Ubes),  até está segunda-feira (24), mais de mil escolas foram ocupadas em todo o Brasil.

Publicado originalmente na Caros Amigos

No Distrito Federal, as ocupações iniciaram com os Institutos Federais (IFs) de Samambaia, São Sebastião, Planaltina e Estrutural, e agora começam a ganhar escolas de Ensino Médio. Fui visitar algumas das ocupações, a 304 de samambaia, Centrão de Planaltina, Gisno da Asa Norte e pude notar no olhar desses meninos e meninas muita garra. Esses jovens têm mostrado que se interessam, sim, pela educação.

Sem movimento estudantil organizado ou partidos encabeçando as mobilizações, os próprios alunos têm se organizado numa nova autogestão escolar. Essas ocupações têm sido pedagógicas tanto para eles quanto para a própria escola e comunidade.

Eles se revezam na portaria, dividem tarefas que vai da limpeza à presidência das plenárias. Ainda confundem questões de ordem com apartes (“Interrupção, breve e oportuna, do orador com indagação, comentário ou esclarecimento relativo à matéria em debate”), não se incomodam em falar, querem propor e, sobretudo, mostrar que estão ali e que a escolas estão ocupadas.

Letras de músicas viraram gritos de ordem. Improvisam cartazes, temas e regras para o bom convívio entre todos. Esse momento tem se mostrado o quão qualificados e responsáveis são para assumir esses espaços.

Eles se revezam nos “aulões”. Se dividem em oficinas, atividades culturais e reforço escolar de matérias que dominam para aqueles que têm dificuldades. Organizam, conjuntamente, o cronograma da semana, dividem tarefas e rejeitam o “Caixote” - aulas fechadas, sem espaço pro debate. Fazem moções, debatem igualdade, gênero, raça e futuro. Nas ocupações não cabe o silêncio sistêmico. Lá, o silêncio é por apropriação.

Muitos podem se perguntar “por que eles não faziam isso antes?”. Eu faço outra indagação: “quando a escola os chamou para participar ativamente da construção, por exemplo, da rotina do dia a dia da escola?”.

Eles não vêm aceitando mais coisas de cima para baixo, querem ser incluídos, presentes e participativos. Fortalecer e apoiar essa garotada nas ocupações é apoiar a cidadania ativa. Ir às ocupações é aprender com eles que nem tudo pode ser entregue sem resistência.

As ocupações têm mostrado claramente que educação não se faz com PECs e MPs, mas sim com diálogo. Ocupar é resistir!

* Jovem periférico nascido e criado em Ceilândia, maior periferia do Distrito Federal, é ativista social, pedagogo de formação e especialista em Gestão de Políticas Públicas em Gênero e Raça pela Universidade de Brasília (UnB).

Assembleia realizada por alunos do colégio Pedro II/Divulgação.



0 comentários:

Postar um comentário

Ao comentar, você exerce seu papel de cidadão e contribui de forma efetiva na sua autodefinição enquanto ser pensante. Agradecemos a sua participação. Forte Abraço!!!