05 agosto 2016

Política, politicagem e a indignação seletiva



Certa vez na casa situada à “rua povo discutindo tudo”, o casal Dório e Febrôncia estava em um debate sobre política.

- Eu detesto política. Disse dona Febrôncia.

- Deixe de besteira. Respondeu indignado seu Dório. E no mesmo instante perguntou a ela - Você detesta se vestir? Detesta andar descalça? Detesta comer? Quer ver seus filhos passando fome?

- Não! Respondeu prontamente. E com um ar de quem não estava entendendo as provocações de seu esposo, disse: E porque tantas perguntas Dório?

- Como o porquê das perguntas. Ninguém deve odiar o que nos traz comida, roupas e calçados. Ninguém deve odiar de onde se pode trazer melhoria para nossa rua. Nenhuma pessoa deve dizer que não gosta do que pode tirar milhões de pessoas da miséria, Febrôncia.

- Eu sei de tudo isso Dório. Mas, não é a política que permite que esses benefícios aconteçam. Nenhum político está preocupado com o bem-estar do povo. Ao contrário, eles só se preocupam com o bolso deles e de suas famílias. Não adianta votar nesse ou naquele, nessa ou naquela candidata, porque todos são iguais. Olha, o melhor que a gente faz é trocar nosso voto por algum benefício. Sei lá.... um saco de cimento, cerâmica, telhas, tijolos... Sei lá... dinheiro, qualquer coisa. Se fizermos isso, perderemos menos. Afinal, quando ele ou ela chegar na câmara ou na prefeitura, não vão fazer nada em prol do povo mesmo. Disse com fervor a Dona Febrôncia.

- Não, mulher. Não deves pensar assim. Falou com uma voz suave o seu Dório. Quando age assim só irá contribuir para alimentar ainda mais um sistema perverso de corrupção. Você estará favorecendo a entrada no poder público de candidatos que, comprando votos, se sentirão na obrigação de não fazer nada para melhorar a sua cidade. Muitos já fazer isso porque gostam, imagina você ajudando...

- Isso é politicagem. Não gosto, disse ela. Aliás, detesto quando chega época de período eleitoral. Pessoas que nunca andaram em minha rua e agora só porque é candidato/a se acha no direito de bater em minha porta para pedir voto. Antes passava por mim e nem um bom dia dava. Se faltasse dez centavos para completar o dinheiro do quilo de açúcar não vendia e agora vem todo sorridente? Não, comigo não, afirmou ela.

 - Seu Dório, mesmo entendendo que nesse caso sua mulher tinha razão, falou – Você está certa, mas, olhe... Até mesmo na politicagem devemos prestar muita atenção. Ela tem muito a nos ensinar. Por ela, Febrôncia, nós podemos não votar em candidatos com esse currículo que você citou. Isso que você disse mostra que está antenada na política e na politicagem. Demostra ainda que tu estás indignada com o que ocorre em nossa cidade. É muito importante conhecer e investigar a história daquele e daquela candidata. Se procurarmos fazer isso com todos eles não iremos cometer o erro de, por exemplo, acreditar em todas as suas promessas e mentiras, pois saberemos que ele e ela quando estiveram no poder nada fizeram. Querem apenas voltar ao poder ou permanecer nele.

- Febrôncia, suspira e diz – Dório, desde quando tu entendes tanto desses assuntos, nunca te via discutir assim?

- Dório, sorri e responde – a vida nos ensina.

- Mas,  e se nessa história de investigar o passado do candidato, da candidata descobrimos que não tem em quem votar?, perguntou ela.

- Podemos anular o voto, disse ele. Essa é uma das formas que temos de manifestar nossa indignação com o estado de coisas que se arrasta de há tanto tempo. E quando você pensa e age assim, demonstra que se estás indignada e revoltada com muitos e não apenas com um ou dois candidatos só porque é desse ou daquele partido.

Mas se ao conhecer a história do candidato, da candidata, resolver votar nele ou nela, é preciso que saiba que sua função não acaba quando o resultado sai. É necessário saber cobrar trabalho daqueles em quem votamos. Porque são eles que irão nos representar para dirigir nossas cidades, nossos Estados e nosso país.

São os vereadores, prefeitos, deputados, senadores que ao serem eleitos com o nosso voto irão dirigir nossos destinos. São eles que, uma vez colocados no poder legislativo e executivo, aprovarão leis que podem prejudicar e deixarão de aprovar outras que poderiam nos beneficiar. São eles ainda que irão fazer leis em causa própria, completou seu Dório.

- Então, disse a esposa - a política influi em tudo na nossa vida. Precisamos redobrar as atenções, principalmente quando estiverem eleitos, afinal, lá estarão eles ganhando altos salários e, na grande maioria das vezes desviando recursos. Mas, lá estão também aqueles e aquelas que estão procurando governar com e para o povo.

Imagem puramente ilustrativa.





0 comentários:

Postar um comentário

Ao comentar, você exerce seu papel de cidadão e contribui de forma efetiva na sua autodefinição enquanto ser pensante. Agradecemos a sua participação. Forte Abraço!!!