02 abril 2016

Conheça a vereadora que promoveu jantar para comemorar o golpe de 1964


Um movimento desconexo, distante até daqueles que marcham pelo impeachment da presidente Dilma Rousseff, ganhou força nos últimos tempos. Ganhou grupos nas redes sociais. E adeptos públicos, como a vereadora porto-alegrense Mônica Leal (PP), que participou na quinta-feira, dia 31, de um jantar em comemoração aos 52 anos do golpe militar de 1964.
Vereadora Mônica Leal (PP). 
O jornal Sul21 publicou o convite de Mônica na íntegra:

No dia 31 de março será realizado, às 20h, um jantar comemorativo do Movimento Cívico Militar de Março de 1964. Os participantes são representantes da sociedade gaúcha, militares da reserva e civis. O 31 de março de 1964 foi um movimento cívico militar na história do Brasil onde a sociedade reafirmou seus valores de liberdade, independência e progresso”.

Por telefone, a vereadora explicou que acredita que o aniversário do golpe deve ser comemorado. “O movimento cívico de 31 de março defendeu a nação brasileira. Foi um movimento democrático, que impediu a implantação do comunismo, combateu a ordem subversiva e a corrupção. Ah, e é importante destacar, que teve o apoio da população brasileira na Marcha da Família com Deus pela Liberdade”.

Mônica é filha do coronel do Exército Pedro Américo Leal, ex-deputado estadual e ex-vereador. Sua vida política começou como supervisora no gabinete do pai na Câmara Municipal de Porto Alegre, em 1993, e após 11 anos ela virou sua herdeira política.

É autora do projeto de lei que impede homenagens a personagens históricos que considera subversivos, como Lamarca, Luiz Carlos Prestes e Carlos Marighella, assim como, é contrária a alteração do nome da antiga Avenida Castelo Branco para Avenida da Legalidade e Democracia, aprovada pela Câmara em 2014.

Mônica também tentou retirar do Memorial do Rio Grande Sul o acervo Luta Contra a Ditadura e se mostra insatisfeita com a apuração feita pela Comissão da Verdade, que investigou os crimes militares.

Seu pai, Pedro Américo era o porta-voz do regime militar no Rio Grande do Sul. Costumava afirmar nos jornais e redes de televisão que os militares não praticavam torturas e que faziam milagres para salvar o país.

Mônica perpetua a mesma crença e comemorou com seus pares, cerca de 150 pessoas, na Parrilla del Sur, no bairro Petrópolis, em Porto Alegre.

*Diplomada em comunicação social em Porto Alegre, colabora com publicações como Estadão, UOL, El País, Zero Hora, Sul21, Jornal Já, Caros Amigos e Notícias do Dia. Fez dois documentários: “Em Busca da Terra do Nunca” e “Vênus do Cárcere”.

0 comentários:

Postar um comentário

Ao comentar, você exerce seu papel de cidadão e contribui de forma efetiva na sua autodefinição enquanto ser pensante. Agradecemos a sua participação. Forte Abraço!!!