03 fevereiro 2016

Após pendurar manequim negro pelos pés, marca de Huck é acusada de racismo



Essa não é a primeira vez que a empresa se envolve em polêmicas. No ano passado, ela colocou manequins com cabeças de veado e macaco e os dizeres “O preconceito está na sua cabeça”. A campanha foi acusada, na época, de ironizar a militância de negros e gays


Reprodução/Facebook.
Um manequim negro pendurado de cabeça para baixo, com cordas amarradas nos pés, foi a maneira que a loja Reserva do Shopping Rio Sul, no Rio de Janeiro, encontrou para chamar a atenção dos clientes. A ideia foi considerada ofensiva por boa parte do público, que acusou a marca de racismo.

Reserva. Sempre um mau gosto para montar vitrines e passar mensagens”, escreveu um internauta ao denunciar a ação nas redes sociais. “Práticas de tortura e racismo em pleno shopping. E não sou só eu que está falando. Eu nem tinha reparado na vitrine até uma senhorinha negra passar ao meu lado e falar para si mesma: ‘que horror!’”, comentou.

A empresa tem como um dos sócios o apresentador da TV Globo Luciano Huck. E essa não é a primeira vez que a marca se envolve em polêmicas. No ano passado, ela colocou em destaque manequins com cabeças de veado e macaco e os dizeres “O preconceito está na sua cabeça”. A campanha foi acusada, na época, de ironizar a militância de negros e gays.

Em outra situação, a UseHuck, etiqueta parte do Grupo Reserva, lançou a campanha “Somos Todos Macacos”, que também foi bastante criticada pela comunidade negra.

0 comentários:

Postar um comentário

Ao comentar, você exerce seu papel de cidadão e contribui de forma efetiva na sua autodefinição enquanto ser pensante. Agradecemos a sua participação. Forte Abraço!!!