15 novembro 2015

Impacto humanitário e ambiental em Mariana e o lado EUROPEU de alguns BRASILEIROS


Sugestão da Professora Valéria Rodrigues*

Um dos maiores desastres ambientais ocorridos recentemente no Brasil foi, sem dúvida, o rompimento de duas barragens da mineradora Samarco, em Mariana, Estado de Minas Gerais que ocasionou por alto ao menos a morte de 04 (quatro) pessoas, mais de 500 (quinhentos) desalojados, 22 (vinte e duas) desaparecidas, além da destruição de moradias.

Ao passo que o Brasil passa por isso e por outros entraves sociais que vai além de embates político-partidários – muitos se aproveitam disso para ganhar terreno e voltar ao poder sem apresentar, no entanto, nenhuma solução – outro fato chamou a atenção. Trata-se de um atentado terrorista em Paris, França, onde mais de 120 (cento e vinte) pessoas perderam a vida. As últimas informações dão conta que o governo da França e a imprensa do país têm usado a palavra "camicase" para descrever os terroristas e que um deles já foi identificado.

Mas o que tem de diferente entre esses dois fatos? A cobertura ou melhor a maneira como a mídia enfoca nos seus noticiários? Sim. A imprensa brasileira é golpista, é seletiva. O que importa é a audiência e para isso os meios não são levados em consideração, mas os fins sim. A forma como os brasileiros absorvem as informações? Também. Muitos são uma cópia fiel da mídia e acabam apenas reproduzindo as notícias sem o mínimo de contextualização, de criticidade. 

Tanto é assim que uma infinidade de catástrofe está acontecendo na África e mesmo no Brasil e nenhum se utilizou de redes sociais para trocar fotos de perfil em apoio e, ou, em solidariedade. Mas o fizeram com os franceses. Seriam eles (europeus) mais importantes que os africanos e que seus conterrâneos? Não. Na dinâmica da vida o ser humano tem o mesmo grau de importância. O valor atribuído a cada um é que é diferenciado.

O brasileiro expressa nos casos mais simples o seu VIGOR EUROPEU. Quantos africanos morrem todos os dias? Quantos brasileiros são assassinados todos os dias e ninguém se solidariza? Quantas pessoas são atacados em sua dignidade e não há, por parte da MAIORIA, solidariedade. Quando não há omissão emerge discursos retrógrados – daqueles que enoja qualquer um com o mínimo de bom senso- “vocês estão se vitimizando”... “Não há racismo. Não podemos se bitolar desse jeito. Parem de falar que ele acaba...”.  Quantos trocaram as fotos do perfil em solidariedade ao Amarildo? Quantos? Quanto aplicaram a alteridade nos casos que não chegam a mídia, mas são reais e muitos, nos arriscamos a afirmar, são conhecidos da maioria? Quantos aplicaram o lado humano na chacina de 19 jovens pobres na capital cearense? QUANTOS?

Mas repitamos a pergunta inicial – O que há de diferente entre o caso Mariana e o de Paris? A repercussão MIDIÁTICA  e a REPRODUÇÃO de alguns BRASILEIROS a ela. Um modismo faceano (rede social facebook). Somente isso. Porque as dores são  as mesmas.

Não queremos afirmar com isso que não se pode trocar fotos de perfil em respeito ou afinidade ideológica ou de apreço a nacionalidade. Isso em si não ajuda ninguém, é bom dizer. Mas revela o despreparo, a falta de humanidade para com aqueles que foram privados no passado de tudo, além de revelar ainda o ser condicionado pela mídia.

* Valéria Rodrigues é professora, Bacharel em Ciências Biológicas pela Universidade Regional do Cariri (URCA), colaboradora e leitora assídua desse portal

0 comentários:

Postar um comentário

Ao comentar, você exerce seu papel de cidadão e contribui de forma efetiva na sua autodefinição enquanto ser pensante. Agradecemos a sua participação. Forte Abraço!!!