18 outubro 2015

Minha identidade Negra, por Raissa Couto



Identidade. Dentre tantas palavras que eu poderia escolher pra descrever meu processo de autoaceitação, essa é a que mais me representa. Como toda menina negra a rejeição e o racismo sempre foram presentes na minha vida com início na fase pré-escola, sempre procurei me encaixar.

Mas nunca passei da menina do cabelo duro. Por anos acreditei nisso, nessa inferioridade que é imposta na vida de crianças negras, e fazia de tudo pra “compensar” isso, sendo extremamente legal e disponível pra todos. A maioria das pessoas agem que como se tudo fosse normal, porque é um problema enraizado em nossa sociedade, que destrói a autoestima de qualquer menina. Lembro de entrar em lojas de brinquedos e incansavelmente procurar por bonecas que se parecessem comigo,o que sempre falhava porque até hoje as prateleiras estão lotadas de barbies loiras, de olhos claros seguindo o padrão eurocêntrico. Minha adolescência foi marcada de alisamentos, relaxantes e muito embranquecimento, sempre fui o cupido da história, aquela que arranjava os namoros, nunca a protagonista do romance. Com tempo e minha insatisfação com processos químicos passei a me incomodar com minha imagem no espelho, mas não sabia como mudar essa realidade, me vi perdida e sozinha. Daí começaram as buscas na internet por meninas que também estavam passando por essa transição, demorou um pouco, mas encontrei pessoas maravilhosas que me ajudaram muito nesse processo. Me entender como negra, e como uma mulher bonita foi doloroso, e continua sendo, estar na contramão de tudo que lhe dizem, da mídia e das pessoas que te apontam, é como matar um leão por dia.

Depois de passar pelo bigchop (grande corte pra remover toda parte com química do cabelo) tudo mudou, finalmente me deparei comigo, com minha real imagem, despida de toda máscara, ufa, lágrimas caiam enquanto cortava eu mesma, aquela parte morta que me fez escrava por tanto anos.

Depois desse dia minha vida não tornou um mar de rosas, nem passei a ser vista como a mulher ideal para relacionamentos, empregos, continuo sendo rejeitada e invisível e a mídia me oferece como referência a globeleza, a mulata tipo exportação.

Agora a luta já não é comigo mesma, e sim contra o mundo que não vai deixar de ser racista e machista, mas nem por isso deixarei de resistir e gritar para que todos ouçam minha voz. Meu cabelo segue sendo cultivado todos os dias com muito afeto, cada vez mais armado com certeza, e agora sei quem sou e me orgulho disso, mulher negra do cabelo crespo.



0 comentários:

Postar um comentário

Ao comentar, você exerce seu papel de cidadão e contribui de forma efetiva na sua autodefinição enquanto ser pensante. Agradecemos a sua participação. Forte Abraço!!!