31 outubro 2015

Cadernos de provas do ENEM 2015 já estão disponíveis

0 comentários


Além do caderno de questões o candidato pode ter acesso ainda aos gabaritos no site do Inep.
O Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira (INEP) já disponibilizou em seu site os cadernos de questões referente ao Exame Nacional do Ensino Médio (ENEM) realizado no último final de semana, dias 24 e 25 de outubro.

O candidato que fez o exame e concluiu as provas antes do horário permitido para a liberação dos cadernos de questões já podem ter acesso a eles e fazer o download.

Clique aqui e obtenha as provas e os gabaritos dos dias de aplicação.



Continue Lendo...

Você sabe com que esta falando? Por Mário Sérgio Cortela

0 comentários


Imagem capturada do vídeo no youtube.
Respostas filosóficas, históricas, sociológicas e geográficas você pode encontrar para dar quando alguém ousar lhe perguntar: “Você sabe com que está falando?” na palestra do filósofo brasileiro Mário Sérgio Cortela

Não vamos nos estender muito. Assista ao vídeo.

                       
Continue Lendo...

30 outubro 2015

Ex-secretário da Educação de Altaneira lança nota sobre desempenho das escolas no Spaece

0 comentários



O Centro de Eventos na capital cearense foi palco na manhã da quarta - feira, 28, da solenidade de entrega do prêmio Escola Nota 10 que visa agraciar e estimular as instituições de ensino públicas que obtiveram melhor desempenho com as turmas do 2º e 5º ano do ensino fundamental a partir dos resultados na prova do Sistema Permanente de Avaliação da Educação Básica (Spaece), tendo 2014 como ano de referência.

O momento foi marcado pela presença de professores e do governador Camilo Santana (PT), da vice Izolda Cela e do Ministro da Educação, Aloízio Mercadante que homenagearam também os municípios. Receberam destaque de méritos as 173 cidades que atingiram a média de "alfabetização desejável" no 2º ano do Ensino Fundamental; os 34 municípios que atingiram a média de "proficiência adequada" em Língua Portuguesa e Matemática no 5º ano do Ensino Fundamental; as 9 cidades que mantiveram bons resultados na alfabetização das crianças entre 2007 e 2014; e os 10 municípios que mais apresentaram crescimento significativo também neste período.

Em 2014 a educação de Altaneira foi premiada com Escola Nota Dez a partir da Escola de Ensino Fundamental Joaquim Rufino de Oliveira ao ter conseguido elevar a proficiência em língua portuguesa e matemática, ano referência 2013.

O fato do município não ter sido premiado este ano levou a comentário do líder da oposição, o vereador e professor Adeilton que em seu blog indagou com tom de afirmação  “Educação de Altaneira não recebeu prêmio ‘Escola Nota 10 2014’”? . No artigo o parlamentar teceu críticas ao ex-secretário da educação, o vereador Deza Soares. “... Esperávamos que esse ano, tivéssemos mais uma vez, uma Escola Nota 10, salientando que essa premiação é referente ao ano de 2014 em que o mesmo estava a frente da pasta.  O que não ocorreu. Assim como o ex-secretário sempre fez questão de angariar todos os méritos pela conquista do ano passado, sem querer aceitar que Educação é um processo e não um momento, esperamos que esse ano o mesmo venha a público e nos faça mudar a compreensão sobre o que aconteceu com a Educação Nota 10”.

Ex-secretário Municipal da Educação Deza
Soares. Foto: Arquivo do Blog.
Em nota lançada no grupo “Altaneira-Ceará”, da rede social facebook, Deza arguiu que durante o tempo em que esteve na pasta a educação do município “atingiu o auge com os melhores índices da história” e citou como exemplos  a “elevação do Índice de Alfabetização, evolução da Proficiência, premiação Escola Nota 10, conquista acentuada de medalhas em Olimpíadas, elevado Índice de Desenvolvimento da Educação Básica (IDEB 5,9) atingindo a meta prevista para 2021, Indicador de Desempenho Escolar (IDE 10) e o comprovado melhoramento em toda modalidade de educação, tomando como base a Educação Infantil e estendendo-se ao Ensino Fundamental II...”.

Para o ex-secretário, o prêmio Escola Nota 10 se configura como uma grande marca na história da educação, por isso, disse ele, “nos orgulhamos em ter sido a única Gestão que atingiu esse mérito, porém, é bem verdade que essa premiação é apenas parte e não o todo no processo educacional, uma vez, que trata-se do desempenho de apenas uma, ou algumas turmas e não do coletivo escolar”.  Ao falar do ano em curso, o edil destacou que a Escola Joaquim Rufino atingiu o IDE-ALFA 10 e que a premiação não foi possível, pois essas turmas não concorriam.

Na nota houve espaço ainda para que ele afirmasse que entre os dois últimos anos (2013 – 2014) a educação de Altaneira saltou do décimo primeiro lugar (11º) para o 2º (segundo) entre os 12 municípios da Crede 18.

O Blog de Altaneira em artigo publicado na manhã desta sexta-feira tinha informado sobre a ausência de comentários referente ao assunto.

Confira a íntegra da Nota

ALTANEIRA – EDUCAÇÃO DE QUALIDADE

A qualidade da educação de Altaneira neste governo é algo indiscutível, tendo em vista que os dados falam por si só, especialmente em referência ao exercício 2013 e 2014, Gestão do Secretário Deza Soares, quando a educação altaneirense atingiu o auge com os melhores índices da história do nosso município, tais como, elevação do Índice de Alfabetização, evolução da Proficiência, premiação Escola Nota 10, conquista acentuada de medalhas em Olimpíadas, elevado Índice de Desenvolvimento da Educação Básica (IDEB 5,9) atingindo a meta prevista para 2021, Indicador de Desempenho Escolar (IDE 10) e o comprovado melhoramento em toda modalidade de educação, tomando como base a Educação Infantil e estendendo-se ao Ensino Fundamental II, ou seja, os índices que verdadeiramente indicam a qualidade da educação.

O Prêmio Escola Nota 10 é reconhecidamente uma grande marca na história da educação, por isso, nos orgulhamos em ter sido a única Gestão que atingiu esse mérito, porém, é bem verdade que essa premiação é apenas parte e não o todo no processo educacional, uma vez, que trata-se do desempenho de apenas uma, ou algumas turmas e não do coletivo escolar.
É importante registrar que mesmo atingindo o IDE-ALFA 10 na Escola Joaquim Rufino, não conquistamos o prêmio, uma vez, que essas turmas não concorriam.

O mais importante, é que a nossa educação nos anos 2013 e 2014 com esses resultados, deu um salto de qualidade se deslocando do 11º (décimo primeiro) lugar para o 2º lugar entre os 12 municípios da Crede 18.

Acompanhe agora o Resultado Oficial do Spaece 2014 e a evolução em referência a 2013, mesmo considerando os bons índices de 2013.

SPAECE ALFA 2º ANO - ALTANEIRA
ANO 2013 2014 VARIAÇÃO
PROFICIÊNCIA 218,0 223,7 +5,7
SPAECE 5º ANO – ALTANEIRA
LÍNGUA PORTUGUESA
ANO 2013 2014 VARIAÇÃO
PROFICIÊNCIA 231,3 257,5 +26,2
MATEMÁTICA
ANO 2013 2014 VARIAÇÃO
PROFICIÊNCIA 243,6 247,6 +4,0
SPAECE 9º ANO – ALTANEIRA
LÍNGUA PORTUGUESA
ANO 2013 2014 VARIAÇÃO
PROFICIÊNCIA 237,0 246,7 +9,7
MATEMÁTICA
ANO 2013 2014 VARIAÇÃO
PROFICIÊNCIA 244,8 247,0 +2,2

Importante: o resultado do SPAECE ALFA – 2° ANO, onde obtivemos uma proficiência de 223,7 correspondendo a uma elevação de +5,7 pontos em relação a 2013, representa 73,7 pontos acima da escala exigida e 49,4 pontos acima da proficiência média do estado, com isso atingimos o Indicador de Desempenho Escolar – IDE 10 e nos colocamos em 2° lugar na Crede 18 e entre os dez primeiros municípios na educação estadual.

Com relação ao resultado SPAECE 5° ANO – Língua Portuguesa, onde obtivemos uma evolução de +26,2 pontos em relação a 2013 e atingimos 50,5 pontos acima da média estadual, conquistamos também o maior nível de proficiência (verde escuro) e IDE 8,5, em Matemática, onde tivemos +4,0 pontos de elevação, comparado a 2013 e +28,6 pontos, comparado à média de proficiência no estado, mesmo ficando no verde claro, a exceção apenas de Antonina do Norte, ainda assim, novamente conseguimos o 2° lugar na Crede 18.
Finalmente, o resultado do SPAECE 9° ANO, com um crescimento de +9,7 pontos em Língua Portuguesa e +2,2 em Matemática, em relação a 2013, nos proporcionaram 1°e 3° lugares, nas respectivas disciplinas junto a Crede 18.

Todos esses resultados, demonstram o compromisso de um coletivo educacional, envolvendo equipes de educadores em salas (professores), equipes de gestão, coordenação e formação (núcleos gestores, paic/pnaic e demais programas de educação), consultoria, equipes técnicas, de transporte, merenda escolar e de serviços gerais, a colaboração dos pais, dedicação dos alunos e as intervenções e apoio do gestor da pasta (Deza soares) para execução das propostas de trabalho planejadas e implantadas nessa gestão de educação, como também, o apoio do gestor municipal (Prefeito Delvamberto Soares) e a colaboração da Crede 18/Seduc.

Tudo isso comprova que o Governo Municipal de Altaneira, através da Secretaria Municipal de Educação, preocupou-se com a qualidade da educação no município, investiu significativamente em ações de gestão, como organização do quadro de dirigentes/assessores e melhoramento de infraestrutura das escolas, mas principalmente, nas ações pedagógicas tais como, formações pedagógicas, acompanhamento e análises sobre o desempenho de professores e alunos, fornecimento de materiais pedagógicos e escolares, melhoria da qualidade da merenda e dos transportes, dentre muitas outras ações.

Portanto, nessa gestão de sucesso onde já tem a marca registrada na educação, nós reconhecemos, parabenizamos e agradecemos os méritos de todos os profissionais da educação que contribuíram para esses resultados e consequentemente, para uma educação de melhor qualidade, comprovada tanto por meio dos resultados divulgados, como também através de acompanhamento das ações pedagógicas e do desenvolvimento dos programas e projetos escolares. Esse é o compromisso do governo municipal com a educação, o desenvolvimento e o social”.
Continue Lendo...

MEC propõe alterar cursos de licenciatura a partir da base curricular comum

0 comentários




Após lançar a proposta de base curricular comum para o ensino básico, o Ministério da Educação (MEC) já discute o documento que norteará os currículos de todos os cursos de licenciatura e de Pedagogia do País. Esse texto deve ir a consulta pública até o fim do ano que vem. A pasta também retoma a discussão sobre criar uma residência para os professores, nos moldes do que existe na área médica.





Um dos principais objetivos é tornar os programas das graduações mais próximos da realidade de sala de aula. "Muitos cursos são mais voltados à formação científica do que à formação docente", disse à reportagem o secretário de Educação Básica do MEC, Manuel Palácios.

Na proposta de currículo do ensino básico, ainda em consulta pública, a opção do MEC foi de apresentar só objetivos de aprendizagem, e não como ensinar. No novo documento, haverá indicações sobre métodos.

"O diagnóstico é de que o espaço para questões didáticas é pequeno na formação de professores", explicou Palácios. "E mais importante do que selecionar um ou outro método, é que aqueles reconhecidos como válidos em cada área sejam objeto de discussão nos cursos."

No próximo mês, uma comissão de especialistas deve divulgar um roteiro de trabalho para o debate. Ao longo de 2016, universidades e organizações do setor também poderão contribuir. O processo começa agora, mas deve ganhar força no segundo semestre do ano que vem, quando o currículo do ensino básico estará pronto.

"O formato final deve atender às expectativas geradas pela base (curricular do ensino básico)", disse Palácios. A má qualidade na formação docente é considerada entrave para a adoção prática do currículo único.

Bernadete Gatti, especialista em formação docente, foi convidada para coordenar o grupo. Segundo ela, servirão de ponto de partida as diretrizes do Conselho Nacional de Educação, de julho, que elevam o conteúdo prático e a carga horária das licenciaturas. "Com isso, não dá mais para condensar, compactar (os cursos), como vem sendo feito", afirma.

Para cada disciplina, o documento do MEC terá uma seção separada. Também haverá sugestões para as licenciaturas interdisciplinares. Ao fim do debate, o documento deve tornar-se uma resolução. Com a reforma, a expectativa é reduzir a evasão em carreiras como Matemática e Física, maiores que 60%.

Helena Freitas, da Associação Nacional pela Formação dos Profissionais de Educação, defende participação mais ampla no processo. Outro problema é a baixa atratividade da carreira. "Investimos na formação de jovens que depois não vão para a escola pública", critica.

Residência

A criação de uma residência docente também está na agenda do ministério. Proposta semelhante já tramita no Congresso desde 2012.

A ideia, segundo Palácios, é o governo federal dar bolsas para recém-formados trabalharem por um ou dois anos nas redes municipais e estaduais. Assim, o professor chegaria "com experiência de ensino mais expressiva".

O modelo já é adotado por algumas universidades em parceria com as redes. "Esse candidato a professor teria condições de trabalhar na escola e, ao mesmo tempo, ter um suporte universitário", diz. A reforma curricular das licenciaturas e o reforço de estratégias de formação à docência estão previstos no Plano Nacional de Educação. Já a antiga a ideia do MEC de instituir uma prova nacional docente, que serviria para ingresso na carreira em todo o País, não está na pauta no momento, segundo o secretário.
Continue Lendo...

29 outubro 2015

Conferência de Direitos Humanos, LGBT e Mulheres será realizada na URCA

0 comentários



Após visitar a cidade de Sobral e Itapipoca, a Conferência Regional Unificada dos Direitos Humanos, Mulheres e LGBT chega, neste sábado (31), ao Crato . Nas duas cidades pelas quais passou a conferência regional unificada conseguiu cumprir o papel de ser um elo entre a população e o poder público. Em cada região estão sendo eleitos 20 delegados para a Conferência Estadual dos Direitos Humanos.

No Crato, a expectativa é a de que também haja engajamento dos movimentos sociais, mulheres, LGBT, juventude, pessoas com deficiência, entre outros. O coordenador especial de políticas públicas dos Direitos Humanos do Governo do Estado, Demitri Cruz, acredita que a oportunidade de aproximar a política do Estado como ferramenta de dialogo e respeito aos direitos humanos será bem aproveitada. "A conferência regional será marco de aproximação e construção de uma pauta conjunta entre Governo, movimentos sociais e organizações da sociedade civil que buscarão, pela via do diálogo, superar as violações de direitos humanos na região do Cariri", conclui Demitri.

A Universidade Regional do Cariri (URCA) é parceira da Coordenadoria Especial dos Direitos Humanos do Estado do Ceará, da Coordenadoria de Políticas Públicas para as Mulheres, da Coordenadoria Estadual de Políticas Públicas para LGBT, vinculadas ao Gabinete do Governador, e do Conselho Estadual de Defesa dos Direitos Humanos na realização desta conferência.

As coordenadorias e o Conselho acreditam que o conhecimento é uma das principais ferramentas de promoção de uma cultura de direitos humanos. “A URCA vem demonstrando por meio de ações, como a comissão de direitos humanos e o observatório da violência, que tem na sua essência o papel de defensor e difusor dos direitos humanos", afirma Demitri.

Acompanhe a programação no Cariri



Entenda as Conferências

As Conferências Regionais dos Direitos Humanos têm o objetivo de reafirmar e ampliar o compromisso de municípios, Governo do Estado e sociedade com as políticas públicas de promoção e defesa dos direitos humanos e de promoção da igualdade. A síntese dos debates será apresentada no encontro estadual e na 12a Conferência Nacional dos Direitos Humanos.

Continue Lendo...

“Atrás de portas fechadas” retrata atuação de mulheres durante a ditadura civil-militar no Brasil

0 comentários




O que ocorre na vida privada que determina as escolhas na vida pública?” Esta questão foi um dos fios condutores para as documentaristas Danielle Gaspar e Krishna Tavares na produção do documentário Atrás de Portas Fechadas, que será lançado no festival Cine Direitos Humanos, no final de outubro. O longa-metragem traz entrevistas com mulheres que atuaram em organizações de esquerda e de direita durante a ditadura no Brasil (1964-1985).

Jovelina (esq): 'Brutos'; Maria Helena: 'Nós já tínhamos o exemplo de cuba, do Che Guevara fazendo aquela desordem toda'
As diretoras investigaram fatores determinantes para a construção das convicções político-ideológicas de mulheres naquela época: enquanto uma parte delas lutava pela participação política, democrática e contra a repressão, outras deixavam brevemente o conforto do lar para defendê-lo do que chamavam de “ameaça comunista”.

Mas por que colocar no mesmo filme pessoas que lutaram pela democracia e pela manutenção da ditadura? “Acho que existe uma questão histórica com relação às lutas políticas e ideológicas no Brasil, que precisamos resgatar para responder essa pergunta. Em vários momentos na história dos movimentos de esquerda, no Brasil e na América Latina, vivemos a expectativa de mudanças sociais e políticas significativas que na maioria das vezes não se efetivou”, diz Krishna Tavares.

Para a documentarista e pesquisadora, a análise de todos esses momentos levanta a impressão que sempre o discurso e as ações daqueles que se opõem às mudanças – ou seja, o pensamento ideológico de direita – foram subestimados. “Além disso, historicamente, a esquerda latino-americana se fragmenta em dissidências, se fragiliza. Entender e escutar o outro, que é ideologicamente contrário ou igual, faz-se necessário na medida em que se pretende refletir sobre esses processos históricos de forma mais orgânica.”

De um lado estão mulheres que sobreviveram a torturas e humilhações das quais não podem nem lembrar, como é o caso de Jovelina: “Eu sempre falava para minha sogra: ‘Se eles pegarem meu filho e judiarem dele, eu vou falar de todo mundo’. Minha sogra falava: ‘Você não fala’. E foi impressionante, porque aí você sabe quem é o inimigo porque eles são tão brutos! Como dedar um companheiro, que é uma pessoa agradável e uma pessoa que está correta, e entregá-lo para uma pessoa tão bruta e estúpida que nem sabe por que está te batendo?”, relembra.

Do outro lado, o discurso da proteção da família, com argumentos de difícil digestão. Em especial os de Maria Helena: “Eu tinha três filhos – acabei tendo cinco filhos – e dizia ‘Que Brasil é este que nós vamos ter?’ Nós já tínhamos o exemplo de Cuba, do Che Guevara fazendo aquela desordem toda das quais tínhamos notícias constantes... E eu estava vendo o Brasil ir pelo mesmo caminho. Então, aquilo me deixava muito preocupada. Aí eu entrei na União Cívica Feminina (UCF) diretamente e fortemente, para fazer tudo o que fosse possível”, ela declara no início do filme.

E foi o que fez. Além de participar da organização de passeatas e das marchas da família, Maria Helena ajudava o Departamento de Ordem de Política e Social (Dops) a identificar militantes de esquerda. “Eu sabia que na Operação Bandeirantes eles tinham um trabalho muito grande de desbaratar aparelhos, que eram as células comunistas que se reuniam. Como nós fazíamos nossas reuniões, eles também faziam. Nós fazíamos as nossas porque eles faziam as deles. Então eu me ofereci e disse: ‘Vocês me liguem quando tiverem alguma denúncia que eu vou guardar na minha memória visual chapas de carros para passar para vocês, para desbaratar aparelhos’. Assim, eu consegui desbaratar muitos aparelhos”, afirma, orgulhosa.

Krishna e Danielle: 'Existe uma questão histórica com relação
as lutas políticas e ideológicas no Brasil que precisamos
resgatar. 
Ao final, Atrás de Portas Fechadas declara sua posição com a frase: “A impunidade dos crimes políticos perpetua-se nas mortes cotidianas, por meio das chacinas, massacres e outras arbitrariedades cometidas por policiais, grupos de extermínio e seus mandantes”. Mas será que as “distintas” senhoras de direita têm consciência de que a ditadura que apoiaram traz ainda hoje reflexos perversos na sociedade brasileira?

Não fizemos essas considerações com as entrevistadas da UCF, pois essas mulheres têm convicção ideológica no que dizem e, sobretudo, no que fazem. Ou seja, defender o modo como vivem e apoiar um regime político e econômico que legitime e mantenha uma estrutura social que beneficia poucos e mantém a maioria fora da conquista das necessidades básicas não é uma questão ideológica para elas, mas uma questão de competência. Essa concepção fundamenta historicamente a luta de classes na América Latina. Tenho convicção de que elas têm consciência de que tais reflexos perversos na sociedade brasileira ocorrem não porque são consequências da ditadura, mas porque se fazem necessários para manter a ordem que defendem”, observa Krishna.

O filme estreou às 11h do sábado (24), no Cine Direitos Humanos, no Espaço Itaú de Cinema do Shopping Frei Caneca, em São Paulo.



Continue Lendo...

28 outubro 2015

A necessidade das cotas raciais num país como o Brasil, por Priscilla Bezerra*

0 comentários



Estava eu, me preparando para dormir, quando resolvo dar aquela “última passada” no FB e me deparo com uma postagem que dizia:

Sou negra, e para mim, em vez de cotas, deveriam dar passagens de volta pra África para aqueles que choram pelo passado que nem viveram”.



Tá, e daí? E daí que eu simplesmente não consegui dormir e quase sucumbi ao ímpeto de me levantar à 1h da madruga, para tentar escrever num texto tudo aquilo que eclodia em minha mente após ler tamanha prova do que, eu humildemente, chamaria de pura ignorância histórica, falta de identidade, falta de conhecimento e reconhecimento sobre a nossa própria história.

Eu queria muito, muito mesmo, ter alguma competência intelectual para produzir algo que colaborasse para o esclarecimento sobre o quão positiva, necessária e justa é a implantação de cotas raciais num país como o Brasil, onde sequer temos a capacidade de entender quem é e quem não é parte da população negra.

Bem, em minha mente, o processo histórico da humanidade me oferece argumentos simples, porém suficientes para entender que as cotas, não somente estas, mas todo o processo de políticas de reparação e ações afirmativas envolvendo os negros, são plenamente plausíveis e, assim sendo, merecem o devido respeito e o mínimo de conhecimento histórico, por parte daqueles que pretendem argumentar contra os mesmos.

Digo argumentar porque, admiradora da História, como tenho a ousadia de me enxergar, não me permito paciência para ouvir achismos sem qualquer embasamento que justifique a reprodução de tais tipos de “opinião”. Aliás, ter opinião não é crime não, moços e moças! Entretanto, seria de bom tom e muito mais louvável que suas opiniões fossem articuladas e apresentadas depois de muita leitura, muita pesquisa e muita troca de conhecimentos.

Veja bem, conhecimentos não são aquelas coisas mal pensadas e formuladas e que são excrementadas no feed de notícias de suas redes sociais. Não! Isso não! Apenas parem! Reprodução de discursos sem questionamento sobre os mesmos, sobre quem os forjou, com base em que os forjou, por quê os forjou e com que intenção os forjou, não é maneiro não!

Então, vamos lá! Como professora que sou, não tive a honra de ser registrada com o nome Maria, mas não perco a “mania de ter fé na vida”, como diz o grande artista Milton Nascimento. Para início de conversa, pergunto a você, caro leitor: você acredita que a condição social e econômica dos seus avós, teve alguma influência ou impacto para que os filhos dos mesmos, ou seja, seus pais, estivessem hoje na condição social e econômica que estão? ( ) Sim ( ) Não.

Você acredita que, sendo seus pais quem são, tendo as profissões que têm, a escolaridade que têm, a visão de mundo que têm, a condição de classe social e econômica que têm, influenciou ou influenciará no seu futuro, na classe social e econômica que você será enquadrado devido às condições financeiras que você apresentará dentro da sociedade em que vive? ( ) Sim ( ) Não.

Vou tentar ser mais vulgar. Pergunto: Você acha que ser filho de família predominantemente branca, de classe média alta ou elite, moradora das áreas mais nobres e de maior custo de vida do país, teria algum impacto no seu futuro, na sua educação, na sua profissionalização e por fim na classe social e econômica em que as pesquisas do governo te enquadrarão?

Você acredita na maior tentativa de coação moral, contra as minorias sociais, de todos os tempos, a meritocracia? Esta reproduz a ideia de que em nossa sociedade tanto faz ser homem ou mulher (nem vou falar sobre tudo que há na questão de identidade de gênero entre ser homem e ser mulher), ser negro ou branco (nem vou falar sobre tudo que há na questão de identidade étnica entre ser negro e ser branco), ser rico, classe média, pobre ou miserável, ser natural das regiões norte e nordeste ou sul e sudeste, o que conta é o esforço individual de cada ser.

Cada um é aquilo que tratou de ser. Cada um está justamente onde merece. Mas, tenho a impressão que o buraco é bem mais fundo do que tentam nos fazer crer. Voltando às questões que lancei bem aqui acima, vamos tentar traçar uma rota para organizar nossos pensamentos e argumentos.

Eu, particularmente, responderia SIM às duas primeiras questões: sim, a condição de classe social e econômica dos meus avós tiveram influência direta na vida dos meus pais, assim como, a condição social e econômica dos meus pais tiveram influência direta no meu enquadramento social e econômico na atualidade. Seria ingênuo e até ignorante da minha parte acreditar que sendo meus pais, filhos de famílias pobres, na fase adulta da vida, seriam reconhecidos em classes sociais e econômicas diferentes.

O mesmo ocorre comigo e meu irmão, como poderíamos fazer parte da elite hoje se nosso histórico familiar se encontra todo em outro lugar? É claro que, é algo razoável que uma geração viva melhor que a anterior, pelo menos é bem comum que isso aconteça, mas, ao olharmos o tabuleiro de cima, as melhorias não nos trazem um afastamento significativo de nossas raízes. Pois bem, se para mim e para você, o passado tem um peso, tem uma influência, uma participação, por que para os negros – leia-se afrodescendentes: pretos e pardos – esse passado não teria nenhuma ligação para seu atual contexto social, econômico, cultural e político?

Por que cometer a grosseria intelectual de dizer que os negros de hoje nada tem a ver com os nossos ancestrais africanos e que, portanto, não devem receber nenhum tipo de reparação histórica pelo contexto que os empurrou e encurralou até aqui? Será que a ligação dos afrodescendentes de hoje está tão longe assim dos africanos que foram alijados de sua condição de humanos, mesmo esta sendo um bem inalienável? Será que o meu marido negro, filho e neto de negros, está realmente muito distante dos escravizados que fazem parte de sua história familiar, de sua árvore genealógica?

Afinal, a escravização do negro africano no Brasil, foi teoricamente abolida há 127 anos. Poxa, 127 anos é muita coisa, nem respinga mais nada em nós depois de tanto tempo! Será? Voltemos a citar o meu marido. Ele tem 30 anos. Gostaria de citar as idades certinhas de seus pais, avós, bisavós e tataravós, mas, no momento, não há possibilidade para obter tais informações, mas seu avô paterno completou há quatro meses, 90 anos, assim, dá para imaginar que os bisavós paternos do meu digníssimo, teriam aí, por baixo, 110 anos, portanto, provavelmente, vivenciaram a escravização do negro africano em nosso país.

Partindo daí, sigo uma linha de raciocínio que para mim, soa como lógica: Os bisavôs e bisavós do meu marido tiveram uma condição de vida que influenciou sim na condição de vida dos seus avôs e avós, um deles é esse senhorzinho que acabara de completar noventa anos.

Logo, a condição de vida dos avôs e avós do meu marido, foi determinante para a consolidação da vida do meu sogro e sogra como ela é hoje e, portanto, determinante para que meu marido e seus irmãos estejam na classe social e econômica que estão neste exato momento histórico.

Tudo bem até aqui? Vamos prosseguir. Que há uma ligação direta e inegável entre as condições de vida das diversas gerações que compõem uma família, creio, está claro. Agora, basta discutirmos sobre que condições são essas de que falo e que, a meu ver, dão todo o embasamento para o estabelecimento de cotas raciais nas universidades e em concursos de acesso a cargos públicos.

O dia era 13, o mês era Maio e o ano era 1888. Após pressões do movimento abolicionista, um membro da família Real, a Princesa Isabel, assina a tal abolição da escravatura. O Brasil estava no final do seu período imperial, estávamos às portas da República. E os negros, ex-escravizados, agora livres, viveram felizes para sempre. Viva à igualdade de oportunidades entre negros e brancos no Brasil! Viva! Mas e aí, o que a versão histórica do Homem Branco Europeu, colonizador, tenta esconder entre as fissuras dessa versão contada a nós?

É historicamente sabido por todos, que a o braço que construiu o Brasil, foi o braço negro dos africanos. Negros estes que foram impiedosamente extraídos de seu local de origem, da sua comunidade, da sua família, da sua cultura, das suas formas de organização social, dos seus deuses e de si mesmos. Foram cerceados da sua condição humana e passaram a ser objetificados, coisificados. Foram entulhados no interior de navios e foram atravessados pelo Atlântico em condições que nenhum inseto, por mais asqueroso que nos pareça, mereceria passar. Foram desembarcados num mundo totalmente desconhecido e inimaginável para a lógica de vida que tinham em seu continente, a África.

Os que conseguiram sobreviver à viagem do diabo até a terra desconhecida, além de chegarem nesta, como peças a serem negociadas, ainda se viam impossibilitados de sequer compreender linguisticamente o que ouviam ao redor. Eram adquiridos por senhores brancos como instrumentos de desenvolvimento de trabalhos que tinham um tempo de vida útil bem curto, dentro de poucos anos eram considerados inúteis, bons para serem jogados no lixo, serem substituídos, como um maquinário bem gasto e sem peças para fazer reparos.

Então, esses escravizados, considerados não humanos e nem animais, tinham o “toque de Midas” ao contrário, tudo que fosse relacionado ao negro era considerado: sujo, profano e demoníaco. Esses negros, desde o início resistiram à condição a que foram submetidos. Eram fugas, greves, negras abortando, assassinatos de senhores brancos, movimentos e revoluções. Para manterem sua fé, fizeram malabares e nos trouxeram o que chamamos de sincretismo religioso.

Foi com muita luta, muita resistência e muita união que os escravizados, ao longo de séculos, conseguiram se libertar. Claro, não podemos ignorar o contexto político econômico que fez com que a Inglaterra, dona do mundo capitalista à época, pressionasse o Brasil para o fim da escravidão, não por um sentimento humanístico, mas por simples interesse econômico: mais homens livres, trabalho remunerado, mercado consumidor aumentando. Simples assim!

Daí que chegou o grande dia e a tal Princesa Isabel assinou o documento que deixava livre todos os escravizados do Brasil. E é aí que pecam aqueles que não enxergam a necessidade das políticas de reparação para os negros. O que aconteceu depois do 13 de maio de 1888, estavam todos os escravizados livres para usufruir das mesmas e idênticas oportunidades de vida que os brancos que se sentiram no direito de dominá-los por mais de 300 anos?

A escravidão foi abolida e com ela toda a visão e todo o sentimento de asco, repulsa, desconsideração e desprezo que os brancos, senhores de escravos, construíram, disseminaram e reforçaram culturalmente no decorrer de trezentos e cinquenta anos e várias gerações, com relação aos negros? Você acredita mesmo que aqueles que viam os negros como suas posses, seus objetos, suas coisas das quais usufruíam como bem achasse melhor, do dia 13 de maio de 1888 em diante, passaram a ver esses mesmos negros, como humanos detentores dos mesmos direitos de dignidade à vida que eles?

Você realmente acredita que a partir do 13 de maio de 1888, esse homem branco, que se acreditou superior ao negro africano durante trezentos e cinquenta anos, achou justo que “seu patrimônio” passasse a ser considerado gente e que assim deveria ser tratado como igual? Você jura para mim que acredita que esses escravizados, a partir do 13 de maio de 1888, foram conduzidos às instituições de ensino do Brasil para que pudessem passar pelo processo de escolarização formal e profissionalização que, provavelmente, os levariam a uma condição de vida equiparada a do homem branco que até ontem era o dono do mundo? Você realmente entendeu, naquela aula de História, que os negros escravizados, humilhados, odiados, assassinados durante trezentos e cinquenta anos, foram tranquilamente inseridos na sociedade brasileira após o bendito 13 de maio de 1888 e assim acolhidos com todo o respeito e irmandade que o homem branco poderia oferecer?

Se sim, se você realmente acredita nisso tudo, há duas possibilidades: ou você realmente tem dificuldades em entender processos históricos, ou seus professores de História do colégio foram displicentes e/ou negligentes em demasia.

Após o tão aclamado 13 de maio de 1888, não houve a integração do negro à sociedade brasileira, muito pelo contrário, o que houve foram pencas de “planos infalíveis” para a eliminação desses negros da sociedade. Eles não foram contratados como trabalhadores assalariados, para tal, abrimos as portas para imigrantes europeus, que além de dignos de usufruir de pagamentos pelo seu trabalho, também dariam uma forcinha no processo de branqueamento da população que se formava.

Aos negros, não foram oferecidos moradia, trabalho, educação, saúde, nada! Depois que a escravidão foi abolida, os negros foram jogados à própria sorte, visto que não eram mais propriedade dos senhores e estes não tinham obrigações com os mesmos e isso era algo natural, o que não foi natural, foi o governo, o Estado brasileiro, não oferecer aos ex-escravizados, qualquer projeto de inserção na sociedade brasileira. Será que é tão difícil enxergar que os negros não tiveram vez em nossa sociedade, após o 13 de maio de 1888?! Durante o período em que foram escravizados, foram impedidos por lei de se escolarizarem, não tiveram chance de serem sequer alfabetizados.

Os muitos ofícios que sabiam exercer lindamente, não lhes serviram como fonte de renda, para isso, trouxemos o branco europeu pobre. Eram negros pelas ruas batendo cabeça, entregues à fome, às múltiplas formas de violência, humilhação, subalternização, etc. Aí você me diz: ah, mas isso já tem quase 130 anos. Pois é, 127 anos não são o suficiente para reparar os estragos de mais de 300 anos de subjugação, invisibilização, violação de direitos e dignidade dos negros que foram obrigados a fazer o nosso país.

Voltando à família do meu marido, os bisavôs e as bisavós dele foram escravizados e quando libertos não tiveram nenhuma chance de integração na sociedade em que viviam. Não foram inseridos tranquilamente no mercado de trabalho, não tiveram acesso à escola, quiçá à educação superior! Não tiveram direito a oferecer moradia digna, alimentação digna, cuidados básicos de saúde dignos aos seus filhos, avós do meu marido. Depois, os avós do meu marido filhos de ex-escravizados, tiveram uma vida livre, sofrida e miserável onde ainda carregavam os estigmas da ideia do branco europeu sobre o que era ser negro. Também, de maneira quase óbvia, não tiveram acesso à educação formal e, seus filhos, meus sogros, não tiveram uma vida muito diferente.

Filhos de uma família de negros, pobres, sem estudo e que ainda têm dificuldade de ser aceitos na sociedade brasileira, também tiveram uma vida livre, sofrida e miserável. Não sei muito, mas sei que minha sogra foi o que chamamos de boia fria, denominação para trabalhadores rurais que recebem um tratamento que não muito raro e sem requerer muito esforço, pode ser comparado à escravização vivida duas gerações anteriores a sua. E dessa forma, a vida do meu marido e dos meus cunhados, também não foi um rio de oportunidades. São homens e mulheres livres, sofridos e, se comparados ao todo branco da nossa sociedade, miseráveis. Estes, já tiveram acesso à educação formal, porém, pelo histórico sócio-econômico da família, estudaram em escolas públicas.

Precisaram trabalhar desde muito cedo, pois com os salários pagos ainda hoje à população negra do nosso país, tinham a necessidade de somar renda em casa para ter o mínimo de dignidade. Meu marido, foi agraciado com um dom, é artista e enveredou pelo caminho da tatuagem e está, apesar de muita dificuldade, alcançando algum reconhecimento na área em que atua. Seu sonho? Cursar artes plásticas numa universidade. Infelizmente, pagar por uma formação superior em artes, está fora das nossas possibilidades, ao mesmo tempo, uma universidade pública, fica difícil, pois para termos uma vida digna, ele trabalha seis dias por semana, doze horas por dia.

Mas, se algum dia houver a possibilidade dele cursar artes numa universidade pública do nosso país, eu acho completamente justo e digno que ele concorra por cotas raciais, não porque eu acredite que ele seja incapaz, mas em nome do passado que, mesmo ele não tendo vivido, exerce força suficiente sobre a vida dele hoje. Sim, é em nome de seus pais, avós e bisavós e tudo que a eles foi negado antes e após o 13 de maio de 1888 que acredito ser justo, digno e louvável que ele e todos os negros que estão onde estão devido à escravização de seus antepassados, usufruam de políticas reparadoras.

É como se toda essa historia que escrevi, pudesse ser ilustrada como uma grande corrida onde os brancos deram a largada em 1538 (no contexto brasileiro) e os negros tivessem sido impedidos de largar no mesmo instante que os brancos. Agora, o que as políticas reparadoras fazem, é pegar esses negros que não puderam largar na corrida em 1538 e os coloca ao lado do branco, na altura em que ele está e, a partir daí, depois que o almejado processo de equiparação social, econômica e política for completo, os negros passarão a correr por si só, sem interferências.

Mas, enquanto o negro for mais da metade da população brasileira e ainda assim for o percentual mínimo nos setores privilegiados, for a maior parte das classes social e economicamente vulneráveis, receber os mais baixos salários, mesmo sendo a maior parte da massa trabalhadora do país, possuir os mais baixos níveis de escolarização entre outras coisas, as cotas, assim como todas as políticas de reparação e ação afirmativa, serão necessárias, dignas e justas.

*Professora de História e Mestranda do PPGEDUC pela UFRRJ.
Continue Lendo...

Espetáculo do Pente: atrizes negras discutem preconceito e autoconhecimento

0 comentários



Em comemoração ao mês da Consciência Negra, o Grupo Teatral Embaraça faz circulação de seu primeiro espetáculo, Pentes, pelo Distrito Federal. Na peça, quatro atrizes apresentam cenas que compõem a “saga” de mulheres negras, da negação à afirmação de seus cabelos. O espetáculo tem estreia no Teatro Sesc Garagem, com sessões nos dias 7 de novembro (sábado), às 20h, e 8 de novembro (domingo), às 20h. Os ingressos para as apresentações custam R$ 10 (inteira) e R$ 5 (meia-entrada).

A ideia para a montagem e a criação do grupo surgiu em 2012, em um projeto na Universidade de Brasília, de onde todas as integrantes do elenco eram alunas. Das primeiras apresentações em festivais universitários, o espetáculo cresceu em pesquisa sobre o tema étnico-racial e é apresentado em 2015 com elenco formado pelas atrizes Fernanda Jacob, Tuanny Araújo, Ana Paulo Monteiro e Elisa Carneiro.

O Grupo Embaraça assina a direção e o texto do espetáculo, com apoio dramatúrgico de Fabrícia Carvalho. As músicas de Pentes tem autoria do Grupo e da banda Protofonia – formada por André Chayb, André Gurgel e Janari Coelho – que toca durante todo o espetáculo. A montagem traz ações cênicas em caráter performativo e interações com a plateia, alternadas entre críticas e momentos lúdicos. Pentes se preocupa com a valorização da beleza negra, explorando histórias do cotidiano das atrizes e depoimentos pessoais para argumentar sobre identidade e identificação social.

Com inspiração nas poetizas e pensadoras contemporâneas Elisa Lucinda, Bell Hooks e Conceição Evaristo, e tendo outras referências do universo negro e até do movimento Black power, o texto é composto por grandes sutilezas que guiam as sensações de quem assiste à montagem, aliado à expressividade da banda Protofonia, que ajuda a criar momentos de diferentes intensidades dramáticas.

Toda a construção do espetáculo é focada em derrubar a imposição da estética branca como ideal de beleza e propor um diálogo em prol da aceitação da diversidade, no qual o cabelo crespo, que hoje ainda é considerado “ruim, feio ou duro”, passe a ser um cabelo como outro qualquer: bonito porque é diferente e singular.

Do Teatro Garagem, a peça segue para apresentações na faculdade IESB Oeste de Ceilândia (17 e 18 de novembro, às 19h e 11h, respectivamente), Espaço Semente do Gama (20 e 21 de novembro, às 20h), Teatro da Praça de Taguatinga (23 e 24 de novembro, às 20h), Casa do Cantador de Ceilândia (25 e 26 de novembro, às 20h) e Espaço Cultural Pé Direito da Vila Telebrasília (28 e 29 de novembro, às 20h). Com exceção das sessões em Ceilândia, que contam com entrada franca mediante confirmação prévia (vide serviço), as demais apresentações têm valor de R$ 10 (inteira) e R$ 5 (meia-entrada). A temporada é apresentada pelo Fundo de Apoio à Cultura do Governo de Brasília.





Continue Lendo...