29 junho 2015

Personalidades Negras que Mudaram o Mundo: José Correia Leite

0 comentários


A imprensa negra brasileira ganhava a partir de 1924 um dos mais importantes ativistas. Mas os passos em prol disso começa a se desenhar aos 23 de agosto de 1900 quando nascia em São Paulo, José Correia Leite. Com uma infância humilde, Correia Leite teve que se dedicar ao trabalho ainda muito cedo, vindo a ser lenheiro, cocheiro e entregador de marmitas.

Aos 24 anos, ele junto a Jayme de Aguiar, fundaram o jornal “O Clarim” publicado de 1924 a 1932. Correia exerceu a função de redator, diretor, repórter e gráfico deste emprendimento jornalísico do quela foi o idealizador que durante o período de funcionamento passou a ser conhecido como o feito por negros para a comunidade negra, sendo posteriormente denominado de “O Clarim d’Alvorada”.

Sua atuação não ficou restrita somente a imprensa. Ele foi um dos mais importantes militantes do Movimento Negro Brasileiro, inclusive integrou o Conselho da fundação da Frente Negra. Foi responsável ainda pela fundação do Clube Negro de Cultura Social, do qual foi um dos secretários e orientadores. Nesse mesmo período a Associação dos Negros Brasileiros teve sua valiosa colaboração.

Segundo apurou o portal palmares em 1956 foi inaugurada a fundação da Associação Cultural do Negro, na qual Correia Leite assume a função de presidente do Conselho Deliberativo, até 1965. Ainda em 1960 participou da fundação da revista “Niger”.

Merece ser destacado ainda que além de atuar nos jornais e associações citadas, José Correia Leite escreveu também para outros órgãos da Imprensa Negra.

Colaborou, com seus depoimentos e material bibliográfico, para diversos trabalhos sociológicos. Foi entrevistado para a realização de documentários cinematográficos como “O Negro da Senzala ao Soul”, da RTC, “A Escravidão”, de Zózimo Bulbul, e outros.

Após se aposentar, José Correia Leite dedicou-se à pintura. Faleceu em 27 de fevereiro de 1989, na cidade de São Paulo, aos 88 anos de idade.

Continue Lendo...

Higor Vence V etapa e dispara na liderança do Campeonato de MTB de Altaneira

0 comentários


Realizou-se na manhã de ontem (28/06) na Trilha Sítio Poças a quinta etapa do Segundo Campeonato Municipal MTB de Altaneira. Com o tempo 1h.22min.05seg Higor Gomes venceu a etapa, seguido por Luciano Ferreira e Jonathan Soares, todos pela primeira pontuam entre os três primeiros.

O ciclista cratense Bruno Aires, o Bala, foi o primeiro a cruzar a linha de chegada dentre os participantes na categoria de visitantes com o tempo de 1h.26min.51seg, mas sua primeira volta foi anulada por falta de uso do capacete. Francisco Serafim Neto foi declarado vencedor, com Roosivelt Olguin em segundo e Bruno ficou com a terceira colocação.

Higor vence mais uma etapa do MTB e
dispara na liderança. Foto: Lindevaldo
A Classificação Geral dos visitantes foi a seguinte:
1) Francisco Serafim: 06 voltas - 1h.29min.50seg;
2) Roosivelt Olguin: 06 voltas - 1h.15min.04seg;
3) Bruno Aires: 05 voltas - 1h.13min.29seg;
4) Luis Carlos: 05 voltas - 1h.24min.27seg;
5) Carlos Alberto (Molão): 05 voltas - 1h.36min.44seg;
6) Fabiano Alencar: 03 voltas - 1h.01min.30seg;
7) Leonardo Feitosa: 03 voltas - 1h.06min.59seg;
8) Carlos Alberto (Beto Ciclo): 01 volta - 19min.08seg;

A Classificação Geral Local ficou assim:
1) Higor Gomes: 06 voltas - 1h.17min.55seg;
2) Luciano Veloso:  06 voltas - 1h.28min.05seg;
3) Jonathan Soares: 06 voltas - 1h.33min.10seg;
4) Derlan Rodrigues: 06 voltas - 1h.33min.12seg;
5) Juliano Silva: 05 voltas - 1h.23min.15seg;
6) Raquel Guedes: 05 voltas - 1h.37min.28seg;
7) Bruno Roberto:  05 voltas - 1h.49min.11seg;
8) Richard Soares: 04 voltas - 1h.19min.15seg;
9) Ryan Batista: 04 voltas - 1h.29min.30seg;
10) Aderson Pereira: 04 voltas - 1h.30min.14seg;
11) Paulo Robson: 01 volta - 25min.30seg;

Os participantes do sexo masculino são divididos em duas categorias e os três primeiros colocados recebem medalhas, confiram as posições

Visitantes Sub 30:
1) Francisco Serafim (Crato);
2) Roosivelt Olguin (Crato);
3) Bruno Aires(Crato).
Visitantes Veterano:
1) Luis Carlos (Crato);
2) Carlos Alberto (Molão);
3) Fabiano Alencar (Nova Olinda).

Local Sub 30:
1) Higor Gomes;
2) Jonathan Soares;
3) Derlan Rodrigues.

Local Veterano:
1) Luciano Veloso;
2) Paulo Robson;  

Na categoria Feminino, mais uma vez, apenas a ciclista Raquel Guedes participou da etapa.

A mesa de cronometragem foi coordenada pelo estudante Pedro Rafael, presidente da Comissão Organizadora do evento. A sexta etapa Municipal está marcada para o último domingo do próximo mês (26/07), na mesma hora e no mesmo local.

Confira a pontuação geral do Campeonato Municipal de Ciclismo após a quinta etapa:
1) Higor Gomes - 93 pontos;
2) Luciano Ferreira - 67 pontos;
3) Jonathan Soares - 56 pontos;
4) Lindevaldo Ferreira - 55 pontos;
5) Bruno Roberto - 46 pontos;
6) Paulo Robson - 35 pontos;
7) Juliano Silva - 35 pontos;
8) Richard Soares - 32 pontos;
9) Raquel Guedes - 29 pontos;
10) Dean Freire - 24 pontos;
11) Derlan Rodrigues - 22 pontos;
12) Cicero Batista - 10 pontos;
13) Aderson Pereira - 9 pontos;
14) Ryan Alencar - 5 pontos;
15) Raimundo Soares - 4 pontos;
16) Sávio Soares;
17) Heloisa Bitu;
18) Delvamberto Soares;
19) Devanilton Soares;
20) Edezyo Jalled.

A pontuação geral dos visitantes é a seguinte:
1) Francisco Serafim - 68 pontos;
2) Rafael Cromado - 39 pontos;
3) Bruno Aires - 31 pontos;
4) Luis Carlos Barroso - 30 pontos;
5) Ruan Jacinto - 25 pontos;
6) Kelvyn Kleber - 25 pontos;
7) Kelbe Bezerra - 25 pontos;
8) Fabiano Almeida - 18 pontos;
9) João Filho - 18 pontos;
10) Adenauer Augusto - 18 pontos;
11) Jobson Junior - 18 pontos;
12) Roosivelt Olguin (Tarzan) - 18 pontos;
13) Alisson Paulo - 15 pontos;
14) Dhiogo Correia - 15 pontos;
15) Emanoel Vieira - 15 pontos;
16) Neto Pereira - 15 pontos;
17) Geraldo Feitosa - 14 pontos;
18) Wallace Brito - 12 pontos;
19) Evandro Vieira - 12 pontos;
20) Marco Saccon - 12 pontos;
21) Ricardo Alencar - 12 pontos;
22) Welder Adriano - 10 pontos;
23) Carlos Alberto (Molão) - 10 pontos;
24) Jefferson Macedo - 10 pontos;
25) Antonio Cardoso (Node) - 8 pontos;
26) Fabiano Alencar - 9 pontos;
27) Afonso José (Tico) - 6 pontos;
28) Geraldo Soares - 6 pontos;
29) Leonardo Feitosa - 6 pontos;
30) Carlos Alberto (Beto Ciclo) - 4 pontos;
31) Murilo Henrique - 4 pontos;
32) Talles Magalhães - 2 pontos;
33) José Eudes (Zé de Princesa) - 2 pontos;
34) Diogo Rolim;
35) Neto Sousa;
36) Guilherme Cabral;
37) Baden Powell;
38) Erlon Fabricio;
39) João Matias;
40) Tiago Araruna;
41) Luciano Marques;
42) Aristóteles Alencar.

Os três primeiros colocados da categoria Local receberão premiação em dinheiro. Higor ganhou com brinde de calção pela melhor volta dentre os altaneirenses com o tempo de 12min.05seg.

A Quarta etapa do Campeonato Municipal contou com uma boa participação de público e recebeu o apoio do Governo Municipal, da JS Cerâmica, do MegaSom, da Horta Dois Irmãos, da Distribuidora Rio Norte e da Loja Via Center.

Ao final da etapa os três ciclistas altaneirenses com melhores colocações no Desafio 3 Horas MTB Altaneira, realizado no início do mês (06/06) receberam troféus com a marca do evento.


Continue Lendo...

28 junho 2015

Dunga deveria ser processado por praticar racismo, diz Dirigente da Comissão Nacional de Escravidão Negra da OAB

0 comentários



Representantes da Ordem dos Advogados do Brasil (OAB) empenhados na luta contra o racismo criticaram o técnico Dunga por suas declarações de que ele parece afrodescendente (negro), de ‘tanto que apanha e que gosta de apanhar”. Para Humberto Adami, presidente da Comissão Nacional de Escravidão Negra do Conselho Federal da OAB, o técnico brasileiro deveria ser formalmente acusado e processado por injúria racial e racismo, já que ofendeu não um indivíduo, mas toda a comunidade negra do país.

Dunga associou os afrodescentes com o gosto pelo o apanhar.
Foto: Divulgação.
— Dunga está totalmente errado e expressa preconceito, podendo ser enquadrado na prática de injúria racial e racismo. Ele pode ser acusado de praticar um crime, por ter exteriorizado que toda a população afrodescendente do Brasil gosta de apanhar. Assim, ele está dizendo que toda a população afrodescendente do país tem uma tendência ao masoquismo. Ele pode ser, sim, acusado de racismo, porque não atingiu um indivíduo, mas toda uma população — declarou Adami. — Ele deveria pensar melhor se deve continuar neste caro, porque a seleção representa uma população cuja maioria de afrodescendentes. É uma população que não gosta de apanhar nem no futebol, nem na vida, que trabalha de sol a sol, que paga suas contas e anda na linha como aprendeu com seus pais, e não pode concordar com isso.

Para o advogado, o que está por trás das declarações de Dunga é resquício da escravidão, ideias que ele deve ter aprendido na infância:

— Dunga, a população afrodescendente não gosta de apanhar. Essa é uma ideia muito errada, e você é ultrapassado como técnico e como ser humano. Você tem de entender que suas palavras têm repercussão. Imagine um menino negro que quer se espelhar nele e o ouve afirmar que negro gosta de apanhar, ou as mulheres negras ouvirem-no dizer isso. Creio que qualquer pessoa pode apresentar uma representação à ouvidoria da Secretaria de Políticas de Promoção da Igualdade Racial (Seppir, órgão da Presidência da República) e ao Ministério Público Federal.

Já o presidente da Comissão de Igualdade Racial-CIR/ OABRJ e coordenador nacional de comunicação do Movimento Negro Unificado, o advogado Marcelo Dias, disse concordar parcialmente com as declarações do treinador, embora considerando ridícula uma parte do que ele afirmou.

— O ridículo é dizer que a população negra gosta de apanhar. Pelo contrário. Até porque temos uma história de luta e de resistência. Esta parte da fala dele vamos rechaçar. No esporte, os responsáveis tentam, a todo momento, minimizar o racismo e a chaga da escravidão no país. Não podemos permitir que o técnico da seleção tome atitudes como esta. Ele merece que a OAB-Rio apresente uma representação contra ele. Racismo é crime, e vamos oficiar sobre o assunto à CBF na segunda-feira. Vamos reivindicar uma retratação pública por parte do Dunga — antecipou.

Dias reconheceu, porém, que há algo de verdadeiro no que o técnico da seleção declarou.

— É que a comunidade afrodescendente apanha muito no Brasil. Sofremos há mais de 500 anos o massacre da juventude negra — analisou Dias.
Continue Lendo...

Vasco encerra jejum com vitória sobre o Flamengo

0 comentários



Em um clássico de baixo nível técnico, o Vasco venceu por 1 a 0 o Flamengo, neste domingo, na Arena Pantanal, e chegou ao seu primeiro triunfo no Campeonato Brasileiro, na estreia do técnico celso Roth. Com o gol de Riascos, os cruz-maltinos chegaram a seis pontos e saíram da lanterna da Série A, mas permanecem na zona de rebaixamento. Os rubro-negros, com sete pontos, seguem na degola.


Em um primeiro tempo ruim, o Vasco conseguiu fazer o gol da vitória com Riascos, na única boa jogada da equipe na etapa inicial. Na segunda parte da partida, o Flamengo dominou, mas não conseguiu passar pela retranca cruz-maltina.

Na próxima rodada, os dois cariocas encaram times catarinenses. O Vasco terá pela frente o Avaí, na quarta-feira, em São Januário. No mesmo dia, o Flamengo vai até Joinville para enfrentar a equipe da casa.

O JOGO

As duas equipes não começaram bem a partida. Ambas erravam muitos passes e pouco incomodavam o adversário. O primeiro susto aconteceu com seis minutos. Christiano errou saída de bola, mas o Flamengo não soube aproveitar.

O Vasco conseguiu criar uma boa jogada aos 15 minutos e acabou recompensado com a abertura do placar. Madson passou por Anderson Pico e cruzou na cabeça de Riascos. O colombiano mergulhou e colocou na rede, sem chances para César.

O gol não mudou o panorama da partida. Os dois times seguiram muito mal nos passes. O Flamengo, atrás no placar, tentou impor uma pressão, mas passou a sofrer com os contra-ataques cruz-maltinos. Aos 26 minutos, Riascos lançou Gilberto, que chutou com perigo.

Na parte final, os rubro-negros mantiveram a posse de bola, mas em nenhum momento criaram uma boa chance para empatar o clássico. O Vasco se preocupou em marcar e segurou o resultado até o intervalo na Arena Pantanal.

No segundo tempo, o Flamengo voltou com a intenção de empatar o jogo. Os flamenguistas tiveram a primeira boa chance aos cinco minutos. Canteros recebeu na entrada da área, mas finalizou parea fora.

Com o passar do tempo, os rubro-negros aumentaram a pressão. Os vascaínos recuaram e abdicaram do ataque. Assim, o clássico ficou praticamente um jogo de ataque contra defesa. 

O Flamengo teve sua melhor chance aos 34 minutos. Após bola na área, Wallace ajeitou para Alan Patrick chutar, mas Charles estava atento para salvar o Vasco.

O lance animou os flamenguistas, que fizeram uma verdadeira blitz no campo ofensivo. No entanto, a equipe rubro-negra tinha dificuldade em transpor a retranca vascaína. O Flamengo quase empatou aos 42 minutos, quando Luiz Antônio cruzou rasteiro para a área, mas ninguém chegou a tempo de colocar a bola para a rede. Nos minutos finais, o Vasco segurou o resultado até o apito final.

Confira o Vídeo

             
Continue Lendo...

Trilha Sítio Poças, em Altaneira, é considerada um dos melhores circuitos de clicismo do interior cearense

0 comentários


Raimundo Soares Filho, jurista e administrador do Blog de Altaneira, publicou neste sábado, 27 de junho em seu portal na rede mundial de computadores, artigo intitulado “Os Melhores Tempos da Trilha Sítio Poças”. Neste, além de se perceber as melhores marcas de cada ciclista, seja altaneirense ou não, visualiza-se também que a trilha, segundo Soares, já está entre os melhores circuitos do interior do estado do ceará.

Higor - Ciclista altaneirense. Foto: João Alves.
Ainda de acordo com o artigo, Ruan Jacinto detém o melhor tempo por volta e por etapa. 11min e 16seg e 1h.15min e 36seg, respectivamente. Quando se volta para os altaneirenses, destaque para Lindevaldo Ferreira que ostenta o tempo de 12min e16seg por volta e  1h.22min e 08seg por etapa. Em 2014 esse recorde era de João Filho, oriundo da Equipe Beto Ciclo.

Na manhã deste domingo ocorreu o V etapa do Campeonato Municipal de MTB e os dados abaixo devem ter mudanças.

Os 10 ciclistas com melhores voltas de 2015 são:
1) Ruan Jacinto: 11min.16seg
2) João Filho: 11min.48seg
3) Lindevaldo Ferreira:  12min.16seg
4) Dhiogo Correia: 12min.50seg;
5) Higor Gomes: 12min.56seg;
6) Fabiano Almeida: 13min.30seg;
7) Evandro Vieira: 13min.40seg;
8) Kelvyn Kleber: 14min.23seg
9) Kelbe Bezerra: 14min.33seg;
10) Jobson Júnior: 14min.37seg

Os 10 melhores tempo por etapa de seis voltas na Trilha Sítio Poças são:
1) Ruan Jacinto: 06 voltas - 1h.15min.36seg;
2) João Filho: 06 voltas - 1h.22min.00seg;
3) Dhiogo Correia: 06 voltas - 1h.22min.50seg;
4) Lindevaldo Ferreira:  06 voltas - 1h.22min.08seg;
5) Higor Gomes: 06 voltas - 1h.23min.25seg;
6) Evandro Vieira: 06 voltas - 1h.29min.10seg;
7) Fabiano Almeida: 06 voltas – 1h.29min.30seg;
8) Kelbe Bezerra: 06 voltas - 1h.32min.33seg;
9) Jobson Júnior: 06 voltas - 1h.34min.50seg;
10) Bruno Aires (Bala): 06 voltas - 1h.37min.44seg.


Continue Lendo...

27 junho 2015

Documentário: Africanidades brasileiras e educação

0 comentários



“...porque nós formamos um cidadão que não sabe realmente quem ele é. Ele quer ser considerado como europeu, como ocidental. Quando, na realidade, ele é brasileiro. Ele é o fruto, o resultado de um encontro das culturas e das civilizações. No cotidiano, ele passa, tropeça nas contribuições africanas, mas não tem consciência disso. Seria bom oferecer, na formação do cidadão, não apenas os valores ocidentais, mas os valores da história, da visão do mundo, da filosofia de vida dos povos que construíram o Brasil. É necessário que isso seja ensinado nas escolas brasileiras, faz parte do processo da educação, para que uma pessoa possa respeitar a outra...” Kabengele Munanga (2008)


Em março de 2003, foi aprovada a Lei Federal nº 10.639/03, que torna obrigatório o ensino de História e Cultura Africana e Afro-Brasileira nas escolas de Ensino Fundamental e Médio. Essa lei altera a LDB (Lei de Diretrizes e Bases) e, comprometida com as origens do povo brasileiro, tem o objetivo de promover uma educação que reconhece e valoriza a diversidade. A implementação da lei é um desafio que se faz presente no espaço escolar e entre os professores da Educação Básica há mais de uma década, pois em sua proposta é necessária a construção de diversos conhecimentos multidisciplinares sobre as culturas africana e afro-brasileira.

E para vencer os diversos desafios, muitos são os caminhos, processos e iniciativas a serem percorridos.

Em 2008, foi produzido no Salto para o Futuro o Documentário: Africanidades Brasileiras e Educação, que agora está disponível aqui e no site da TV Escola.

Nesse documentário, um grupo de entrevistados reflete sobre as africanidades brasileiras. São eles: Carlos Moore Wedderburn – Universidade  do Caribe; Georgina Helena Lima Nunes – Universidade Federal de Pelotas; Julio César Tavares – Universidade Federal Fluminense; Kabengele Munanga – Universidade de São Paulo; Joselina da Silva – Universidade Federal do Ceará;  Yedo Ferreira – Movimento Negro; Luena Pereira – Universidade Federal Rural do Rio de Janeiro; Alain Pascal Kaly – Universidade Federal Rural do Rio de Janeiro; e Azoilda Loretto da Trindade – Coordenadora do Instituto Diálogo entre Povos e Consultora desse Documentário.

Convidamos todos a assistirem!

                          
Continue Lendo...

26 junho 2015

As sete maiores vergonhas da História do Brasil

0 comentários


A pedido da Trip, a antropóloga Lilia Schwarcz e a historiadora Heloisa Starling, autoras do recém-lançado ''Brasil: uma biografia'', fazem uma lista dos episódios mais vergonhosos da história nacional

No livro, com acesso a documentação inédita e vasta pesquisa, as autoras traçam um retrato completo do país. Dão conta não somente da "grande história" mas também do cotidiano, da expressão artística e da cultura, das minorias, dos ciclos econômicos e dos conflitos sociais. E, claro, falam também sobre os momentos tensos, de vergonha.

São eles:

1 — Genocídio da População Indígena


Até os dias de hoje há controvérsia sobre a antiguidade dos povos do Novo Mundo. As estimativas mais tradicionais mencionam 12 mil anos, mas pesquisas recentes arriscam projetar de 30 mil a 35 mil anos. Sabe-se pouco dessa história indígena, e dos inúmeros povos que desapareceram em resultado do que agora chamamos eufemisticamente de "encontro" de sociedades. Um verdadeiro morticínio teve início naquele momento: uma população estimada na casa dos milhões em 1500 foi sendo reduzida aos poucos a cerca de 800 mil, que é a quantidade de índios que habitam o Brasil atualmente.

2 — Sistema Escravocrata


O Brasil recebeu 40% do total de africanos que compulsoriamente deixaram seu continente para trabalhar nas colônias agrícolas do continente americano, sob regime de escravidão, num total de cerca de 3,8 milhões imigrantes. Fomos o último país a abolir a escravidão mercantil no Ocidente (só o fazendo em 1888, e depois de muita pressão) e o resultado desse uso contínuo, por quatro séculos, e extensivo por todo o território foi a naturalização do sistema. Escravos eram abertamente leiloados, alugados, penhorados, segurados, torturados e assassinados.

3 — Guerra do Paraguai


O Império brasileiro errou em cheio. Avaliou-se que a contenda internacional opondo, de um lado, Brasil, Uruguai e Argentina, e, de outro, o Paraguai seria breve e indolor. No entanto, a guerra – na época chamada de "açougue do Paraguai" ou de "tríplice infâmia" – durou cinco longos e doloridos anos: de 1865 a 1870. A consequência para o lado paraguaio não foi apenas a deposição de seu dirigente máximo, mas a destruição do próprio Estado nacional. Os números de mortes sofridos pelo país são até hoje controversos e oscilam entre 800 mil e 1,3 milhão habitantes. Quanto às estatísticas brasileiras, a relação de homens enviados varia de 100 a 140 mil.

4 — Canudos


Em 1897, a República abriu guerra contra Canudos: uma comunidade sertaneja originada de um movimento sóciorreligioso liderado por Antônio Conselheiro. Canudos incomodou o governo da República e os grandes proprietários de terras, pois era uma nova maneira de viver no sertão. Em 1897, o arraial foi invadido por tropas militares, queimado a querosene e demolido com dinamite. A população foi dizimada. Em Os sertões, publicado em 1902, Euclides da Cunha escreve: "Canudos não se rendeu. Caiu no dia 5, ao entardecer, quando caíram os seus últimos defensores, e todos morreram. Eram quatro apenas: um velho, dois homens feitos e uma criança, na frente dos quais rugiam raivosamente 5 mil soldados".

5 — Polícia política do Governo Vargas


Em 1933, Getúlio Vargas criou a Delegacia Especial de Segurança Política e Social (Desp). Para comandá-la, Vargas entronizou o capitão do Exército, Filinto Müller. Na condição de chefe de polícia, Müller não vacilou em mandar matar, torturar ou deixar apodrecer nos calabouços do Desp os suspeitos e adversários declarados do regime sem necessidade de comprovar prática efetiva de crime. Pró-nazista, sua delegacia manteve um intercâmbio, reconhecido pelo governo brasileiro, com a Gestapo – a polícia secreta de Hitler – que incluía troca de informações, técnicas e métodos de interrogatório.

6 — Centros clandestidos de violação de direitos humanos


A ditadura militar instalou, a partir de 1970, centros clandestinos que serviram para executar os procedimentos de desaparecimento de corpos de opositores mortos sob a guarda do Estado – como a retirada de digitais e de arcadas dentárias, o esquartejamento e a queima de corpos em fogueiras de pneus. No Brasil governado pelos militares, a prática da tortura política e dos desaparecimentos forçados não foi fruto das ações incidentais de personalidades desequilibradas, e nessa constatação reside o escândalo e a dor.

7 — Massacre do Carandiru


Mais conhecida como Carandiru, a Casa de Detenção de São Paulo abrigava mais de 7 mil detentos, em 1992 – a capacidade oficial era de 3.500 pessoas. No dia 2 de outubro, uma briga entre facções rivais de presidiários terminou num massacre: a tropa policial entrou no presídio utilizando armamento pesado e munição letal. 111 presos foram mortos e 110 feridos. O cenário era de horror. Passados 21 anos, somente em 2014, 73 policiais foram condenados – todos podem recorrer em liberdade.



Continue Lendo...

25 junho 2015

Terreiro de candomblé Ilê Axé Oloiobá é atacado e destruido

0 comentários



O Escritório Frei Tito de Alencar, órgão de defesa dos Direitos Humanos da Assembleia Legislativa, deve reunir, nos próximos dias, materiais para oferecer denúncia pelo ataque sofrido no terreiro de candomblé Ilê Axé Oloiobá, há cerca de duas semanas. O local onde acontecem os encontros religiosos, na Cidade Nova, divisa entre Fortaleza e Maracanaú, teve o prédio completamente destruído durante a madrugada. Cerca de 10 integrantes do grupo recorreu à advogada do escritório, Luanna Marley, que deve pedir apoio à Secretaria da Segurança Pública e Defesa Social (SSPDS), ao Ministério Público Estadual e à Justiça. A suspeita é que o crime tenha sido motivado por preconceito religioso.

O Terreiro de Candombé Ilê Axé Oloiobá na Cidade Nova, ficou completamente destruído após ataque.
O escritório deve entrar com três ações judiciais. A primeira é de usucapião (já que o terreiro existe, no mesmo local, há mais de 25 anos, mas o dono não tem o documento de propriedade). A segunda é em relação ao crime cometido no local. A terceira é de indenização por danos morais. “Não podemos admitir que crimes dessa natureza permaneçam impunes e os criminosos ajam livremente”, apontou a advogada.

Queremos realizar nossos encontros como sempre ocorreram, com muita fé e segurança”, confirma Marcos da Justa Teixeira, conhecido como Marcos de Oxissi. A ideia de procurar proteção, segundo Marcos, veio após a agressão de uma criança, no Rio de Janeiro, apenas por estar com roupas do candomblé.

Maria Zelma de Araújo Madeira, titular da Coordenadoria Especial de Políticas Públicas para a Promoção da Igualdade Racial do Ceará (Ceppir/CE) defende que a questão das minorias, no Ceará, sempre foi levada em segundo plano por conta do machismo. “Combatemos a intolerância religiosa, machismo, homofobia. Lutamos conjuntamente para a transformação social”, confirma.
Continue Lendo...

Conheça o Tambor de Crioula: Patrimônio Cultural Imaterial Brasileiro

0 comentários



O Tambor de Crioula do Maranhão é uma forma de expressão de matriz afro-brasileira que envolve dança circular, canto e percussão de tambores. Seja ao ar livre, nas praças, no interior de terreiros, ou associado a outros eventos e manifestações, é realizado sem local específico ou calendário pré-fixado.


Reconhecido em 2007 como Patrimônio Imaterial da Cultura Brasileira pelo Instituto de Patrimônio Histórico e Artístico Nacional (Iphan). Desde então, o 18 de junho se tornou Dia Nacional é marcada por festas em diversas cidades do estado.

Trazida para o estado por escravizados de diversas regiões africanas nos séculos XVIII e XIX, como divertimento ou uma forma de louvor e pagar promessa a São Benedito.

Essa manifestação afro-brasileira ocorre na maioria dos municípios do Maranhão, envolvendo uma dança circular feminina, canto e percussão de tambores. Dela participam as coreiras ou dançadeiras, conduzidas pelo ritmo intenso dos tambores e pelo influxo das toadas evocadas por tocadores e cantadores, culminando na punga ou umbigada – gesto característico, entendido como saudação e convite.

Continue Lendo...