30 novembro 2013

“O PSOL é democrático, socialista e de massas”, disse Ivan Valente na abertura do IV Congresso Nacional

0 comentários




De pé, militantes cantam o hino da internacional comunista
Foto: Tatiane Malta.
Com a disposição e o propósito de reafirmar o PSOL como a alternativa de esquerda socialista do país, militantes de norte a sul do Brasil participaram na noite desta sexta-feira, 29, da abertura do IV Congresso Nacional desta agremiação. As animadas palavras de ordem entoadas ao longo de toda a noite no auditório lotado do Centro de Treinamento da CNTI (Confederação Nacional dos Trabalhadores da Indústria), em Luziânia, cidade do entorno do Distrito Federal, comprovaram a disposição da militância em aproveitar os três dias de encontro para debater a conjuntura, definir as ações programáticas do partido para os próximos dois anos, eleger a nova direção e também definir quem representará a agremiação nas eleições presidenciais de 2014.

Estamos dando início a um processo muito importante e rico do nosso partido. O desafio que está colocado é a nossa capacidade de fazermos a leitura da realidade. De ver a realidade com os olhos da população e termos a capacidade de dialogar com esses setores. A nossa militância tem que estar do lado dos trabalhadores”, disse o Secretário de Finanças do PSOL, Francisvaldo Mendes, o primeiro dirigente nacional a falar na abertura do evento.

Representando as mulheres na mesa de abertura, a vereadora de Belém e membro da Executiva Nacional do PSOL, Marinor Britto, ressaltou que o partido quer uma sociedade diferente, em que não haja diferença entre homens e mulheres. “Todos nós que estamos nesse partido temos disposição de lutar pela transformação da sociedade. Todos nós fomos às ruas com a juventude nas jornadas de junho. Temos uma tarefa a cumprir nesse momento histórico. E precisamos nos debruçar sobre o nosso papel no próximo período. Não temos tempo a perder”, enfatizou Marinor.

O secretário-geral do PSOL, Edilson Silva, ao saudar os participantes do IV Congresso Nacional, lembrou a história do partido e as expectativas que muitos carregavam ao romper com outros setores do campo da esquerda para construir um novo partido. Na avaliação de Edilson, passados quase dez anos o PSOL conseguiu se firmar como uma importante alternativa de esquerda socialista e democrática. “O PSOL tem feito a diferença. Os nossos parlamentares estão entre os mais bem avaliados no Congresso Nacional. A nossa militância esteve nas ruas nas jornadas de junho. E nós precisamos sair desse congresso armados e preparados para estarmos ao lado dos trabalhadores e do povo”, finalizou o secretário-geral.

O prefeito da única capital governada pelo PSOL, Clécio Luis, saudou os participantes do congresso como representante da militância da região Norte, lembrando as medidas de inclusão já adotadas pelo seu governo em Macapá. “Trazemos a experiência de uma prefeitura da região Norte, na Amazônia. De uma cidade que tem a menor tarifa de ônibus do país e que foi uma das primeiras a implementar o passe livre para os estudantes. Uma prefeitura que tem o congresso do povo e governa com participação popular”, enfatizou. Clécio aproveitou a sua fala para ressaltar a importância da unidade da militância do partido. “O PSOL é um partido nacional, que tem militantes de norte a sul, e por isso tem que ter unidade. Mas uma unidade que compreenda que cada região do país tem as suas especificidades”, pontuou.

Reafirmando a fala do companheiro de partido e de estado sobre a importância da unidade, o senador Randolfe Rodrigues abriu sua fala citando um trecho do hino da Internacional Comunista (grifo nosso (Informações em Foco)): “paz entre nós e guerra aos inimigos”. Sob fortes aplausos do auditório lotado, o senador, que também é um dos pré-candidatos à Presidência da República pelo PSOL, foi enfático ao dizer quem são os verdadeiros inimigos dos trabalhadores e do povo brasileiro. “O inimigo número 1 é o agronegócio, o capital financeiro, as grandes empreiteiras. E eles não estão aqui. Eles estão de outro lado”, enfatizou Randolfe. Ao falar dos desafios do PSOL no próximo ano, o senador amapaense destacou que o partido precisa trabalhar para aumentar a sua bancada no Congresso Nacional, fazendo uma referência aos deputados federais. “A nossa bancada na Câmara é de longe a melhor. São três deputados, mas que valem por 30, 60 e até por 100 deputados. Quando ampliarmos essa nossa bancada, imaginem o trabalho que vamos dar ao agronegócio, aos ruralistas e aos grandes empresários”.

Ivan Valente - presidente do PSOL na abertura do IV
Congresso Nacional.
Com um clima de entusiasmo e grandes expectativas predominando no auditório, o presidente do partido, deputado Ivan Valente, encerrou a abertura agradecendo a participação de todos os militantes presentes e convidou os delegados a pensar, nos três dias de congresso, nas ações para enfrentar a ofensiva do “agronegócio, dos banqueiros e dos grandes empresários”. Em sua fala de encerramento, interrompida constantemente por fortes aplausos da militância, Ivan Valente reforçou o entendimento de que nesses anos o PSOL tem se firmado como um partido programático, de esquerda e socialista. “Nós somos a opção para ocupar o espaço à esquerda. Queremos e temos condições de ter o melhor programa para as eleições do ano que vem. O PSOL nasceu para superar o capitalismo, pois ele é socialista, democrático e de massas. Que saiamos daqui armados para a luta nas ruas. Viva o PSOL, viva os trabalhadores”, finalizou Ivan Valente.



Via Psol50
Continue Lendo...

Cícero Chagas participa de manifestações em Brasília por votação da PEC 150

0 comentários




Delegados e demais participantes da III CNC tomam as
ruas de Brasília em prol da votação da PEC 150.

Foto: Cícero Chagas.
100% (cem) dos entes federados brasileiros até o fim deste ano já terão feito a adesão do Sistema Nacional de Cultura – SNC, criado pelo Ministério da Cultura – Minc e que pretende ser um modelo de administração participativa e tem como finalidade tornar a gestão da cultura mais eficaz, planejada e com melhor uso dos recursos públicos.

O SNC foi aprovado ainda em 2012 pelo Congresso Nacional e ao todo 26 estados e mais de 2.000 municípios já fizeram a adesão, o que equivale a 36% das cidades no Brasil. Apenas Minas Gerais não está nesse processo, mas entrará nos próximos dias. . Foi essas palavras que ontem, 29, o Secretário de Políticas Culturais do Minc, Américo Córdula, utilizou na III Conferência Nacional desse setor que ora ocorre no Centro de Convenções Brasil 21 e se estende até domingo, 1º. Vale registrar que a implementação do SNC é a temática principal deste evento.

Cícero Chagas participa de manifestações em Brasília
pela aprovação da PEC 150
Caminhando nesse sentido, Cícero Chagas, representante do Município de Altaneira e um dos 1.126 delegados com direito a voto, informou por telefone a redação do Informações em Foco na manhã de sexta-feira, 29, que vários participantes da Conferência Cultural tomaram as ruas da capital federal com o objetivo de pressionar o governo e os legisladores sobre a aprovação da PEC 150 que destinará 2% do orçamento da União para a Cultura. “Sem essa PEC não há Sistema Nacional da Cultura”, arguiu. “Esse sistema é um é um passo decisivo para tirar um dos principais setores da sociedade da miséria em que se encontra. A cultura não pode continuar sendo tratada em segundo plano, não pode continuar a receber esmolas”, complementou Cícero.

É digno de registro que a PEC 150 completou em setembro último dez anos e apenas nesta quinta-feira, 28, ela foi aprovada na Comissão de Finanças e Tributação. Na tarde de ontem, 29, Cícero informou ao Informações em Focoque esse momento é impar e há a necessidade de unir forças em prol da valorização da cultura e pensar assim implica necessariamente cobrar a votação urgente dessa PEC”. Por isso, “essa nossa manifestação se dá em um momento mais que oportuno com o propósito maior de contribuir que esse texto possa ser apreciado o mais rápido possível no plenário da Câmara”, argumentou Cícero Chagas.

Note-se que caso essa emenda seja aprovada, os recursos destinados ao setor cultural pela União passam de 0,6% para 2% do orçamento federal, o que equivale, financeiramente falando, um aumento aproximado de R$ 1,3 bilhão para R$ 5,3 bilhões. O texto propõe ainda uma porcentagem fixa de investimento em cultura para governos dos estados e do Distrito Federal -1,5% - e dos municípios -1%. Hoje, essa vinculação mínima inexiste.





Continue Lendo...

29 novembro 2013

Chauí defende reforma política para acabar 'com o que sobrou da ditadura'

0 comentários




Ao lado do presidente da FPA, Marcio Pochmann,
professora diz que antigos devem aprender com novos
A filósofa Marilena Chauí afirmou hoje (29) durante o Fórum Ideias para o Brasil, da Fundação Perseu Abramo, ligada ao PT, que o Brasil precisa de uma reforma política capaz de reduzir a corrupção, politizar as manifestações de rua e fazer a democracia avançar no país.

É preciso uma reforma política que acabe com o que sobrou da ditadura”, disse Chauí na mesa inaugural dos debates, que também teve participação do presidente nacional da CUT, Vagner Freitas, e da cantora Karina Buhr.

A reforma política defendida pelo PT e por outros partidos de esquerda – além de entidades altamente representativas como CNBB, OAB, CUT, UNE e MST – tem como foco principal o fim do financiamento empresarial das campanhas eleitorais, considerado a porta de entrada para os desvios que depois se instalam nas instituições da República.

Dá para entender por que muitos jovens dizem não gostar de política. Cabe a nós mudar isso”, afirmou a filósofa, para quem o atual modelo fez a corrupção se tornar “institucional”.

Ela também disse que a CUT e outros movimentos precisam “prestar atenção” nas reivindicações que virão da nova classe trabalhadora (Chauí é contrária ao termo “nova classe média”). “Os antigos movimentos sociais precisam refletir sobre isso e aprender a conviver com essas novas formas, dialogando com elas", disse.

Segundo ela, o neoliberalismo continua sendo o modelo econômico global, precarizando e fragmentando os trabalhadores tanto quanto antes.

Chauí também alertou para o esperado recrudescimento dos protestos de rua durante da Copa do Mundo do Brasil no ano que vem. “A única forma de politizar as manifestações que se radicalizarão durante a Copa é pautar a reforma política no país”, voltou a frisar.

O Fórum Ideias para o Brasil vai de hoje a domingo (1º), com 18 mesas de debates sobre temas variados (Cultura, Direitos Humanos, Comunicação, Relações Internacionais, Economia etc.) no Mercure Nortel - Avenida Luiz Dumont Villares, 392, Santana, zona norte da capital.


Via Rede Brasil Atual
Continue Lendo...

Jurista Raimundo Soares Filho promove encontro com servidores de Altaneira sobre polêmica do FGTS

0 comentários




Um dos assuntos mais propagados desta semana foi, sem dúvida, as polêmicas ações impetradas de forma individual ou por intermédio da entidade representadora destes, o Sindicato dos Servidores Municipais de Altaneira – SINSEMA com o propósito de receber vantagem financeira  a título do Fundo de Garantia do Tempo de Serviço -  FGTS contra o executivo municipal. Alguns servidores já saíram vitoriosos na causa na Justiça do Trabalho.

O Secretário de Administração e Finanças, Arioval Soares Teles explicou que as ações já ganha pelos servidores está acarretando prejuízos financeiros ao município, podendo chegar a hum milhão de reais. Ante a essa situação o prefeito Delvamberto baixou portaria publicado no última dia 27 no Diário Oficial suspendendo vantagens aos servidores que ajuizaram ação visando anulação do Estatuto dos Servidores Municipais para fins de recebimento de verbas do FGTS.

Nesta quinta-feira o ex-presidente do SINSEMA, o servidor Antonio de Kaci publicou nota de esclarecimento sobre o fato e chegou a afirmar que fez uma análise sobre as vantagens pecuniárias de cada servidor e percebeu que os servidores vencedores da causa na Justiça do Trabalho terão grandes prejuízos na sua remuneração mensal e terão que devolver valores acima dos que vão receber a título de FGTS.

Antonio reconheceu que o ajuizamento das ações foi iniciado na sua gestão. Porém, não poupou críticas ao advogado da entidade. “Assumo que o ajuizamento das ações foram iniciadas em nossa gestão a frente do SINSEMA, mas não foi um ato isolado, todos os servidores foram convencidos pelo nosso Advogado de que tratava de um direito que nos era assegurado. Em nenhum momento fomos alertados de que perderíamos nossos direitos de servidores estatutários”, disse.

O ex-presidente Informou ainda  que quando estava afrente do SINSEMA no meu mandato não foi ajuizada nenhuma ação e que” todas as ações foram ajuizadas em nome de cada servidor, mas confesso que deveríamos ter analisado melhor a situação, pois na época pensei que era vantajoso para os servidores”, completou.


A atual diretoria do Sindicato ainda não e pronunciou sobre o ocorrido. Este portal de comunicação estará aberto para as explicações da entidade.

Jurista Raimundo Soares promove encontro com servidores
Ante a essa situação, foi laçado um convite na rede social facebook, no grupo “A Política de Altaneira” através da servidora Maria Glória Rodrigues para um encontro com o blogueiro e jurista Raimundo Soares Filho. A priori, este foi lançado para os servidores insatisfeito com o órgão representativo da classe de servidores, mas acabou sendo estendido para toda a classe trabalhadora. “O convite apresentado a minha pessoa era pra todos os servidores que ajuizaram ação, então que está satisfeito com a diretoria pode ir também. É sempre bom falar com essa turma”, arguiu o jurista.

O encontro está marcado para este sábado na Secretaria de Assistência Social a partir das 15 horas e versará principalmente sobre os vencimentos recebidos a título do FGTS.
Continue Lendo...

Luizianne defende palanque triplo para Dilma no Ceará

0 comentários




Luizianne comanda última reunião com o presidente
do PT e defende palanque triplo para Dilma.
A dias de deixar a presidência estadual do PT, a ex-prefeita de Fortaleza, Luizianne Lins (PT), afirma que vai militar pela candidatura própria do PT nas eleições para o Governo do Estado em 2014. “Não é tese de briga, não. Estamos diante de duas possíveis candidaturas de aliados, o PMDB e o Pros. Se o Pros deve ter candidato, se o (senador) Eunício (Oliveira, do PMDB) quer ser candidato e se vamos ter que nos dividir entre dois aliados, então por que não lançar nossa candidatura?”

Na opinião dela, o grande desafio do novo presidente estadual do PT, Diassis Diniz, que tomará posse no próximo dia 6, às 19 horas na sede do PT, será esse. Luizianne admite que Diassis defende a tese de palanque unificado, mas defende que o PT terá muitos debates até tomar a decisão coletiva em 2014. “O PT é um dos maiores partidos políticos do país. Ficar de legenda coadjuvante dum Pros? Com (o ex-deputado federal) José Roberto Arruda, (presidente do Pros, Joaquim) Roriz, com a corja toda que tá lá?”, alfinetou.

Se a tese de Luizianne avançar, a presidente Dilma Rousseff (PT) teria a possibilidade de três palanques no Ceará. “Se tem três candidatos a governador pedindo voto pra Dilma, ela não perde nada, só ganha. Se eu fosse ela, aproveitava os três palanques”. Luizianne argumenta que o governador Cid Gomes (então no PSB, hoje no Pros) lançou candidato à Prefeitura de Fortaleza, em 2012, assumindo oposição ao PT e não deixou de apoiar a Dilma. Ao falar de Cid, Luizianne reafirmou a decepção. “Esse governo é um desastre. Extravagante, cheio de picuinha, corrupção”.

Como a definição do cenário local depende da conjuntura nacional, Luizianne avalia que o PT precisa ter humildade. “O povo me ensina sempre: o mundo gira e gira rápido. Então tudo o que está pode não estar. Precisamos ter muita humildade diante do que vem pela frente. As manifestações de julho comprovaram isso”.

Dilema pessoal

Segundo ela, em visita ao Ceará em fevereiro, o ex-presidente Lula teria lhe pedido que se preparasse para tudo, inclusive para ser a candidata ao Governo do Estado. “Eu estou ainda num dilema pessoal: entre ser candidata a nada, ser cabo eleitoral ou ser candidata a qualquer coisa, governadora, deputada federal. Essa é uma decisão que tenho que tomar mesmo, de vida”. O que vai ser decisivo? “Acho que eu me encantar, ver alguma luz no fim do túnel nessa política do Ceará, que, na minha opinião, está medíocre”.


Via O Povo
Continue Lendo...

28 novembro 2013

Candidato a presidência pelo PSOl deve ser escolhido no IV Congresso Nacional da agremiação

0 comentários




III Congresso Nacional do PSOL em 2011
Aproximadamente 700 militantes do Partido Socialismo e Liberdade - PSOL chegarão nesta sexta-feira, 29, à Luziânia, município de Goiás, para participar do maior fórum deliberativo da legenda, o IV Congresso Nacional. O evento está previsto para ter início as 19 horas, no Centro de Treinamento Educacional da Confederação Nacional dos Trabalhadores da Indústria – CNTI e vai reunir, até domingo, 1º de dezembro, militantes do PSOL, entre delegados e observadores eleitos nos congressos estaduais, de todas as regiões do país.

Realizado a cada dois anos, o congresso deste ano terá entre os principais objetivos debater a atuação do PSOL nas eleições gerais do ano que vem e especialmente definir quem representará o partido na disputa à Presidência da República. Até o momento, já foram lançados oficialmente como pré-candidatos os nomes do senador do Amapá, Randolfe Rodrigues, da ex-deputada federal do Rio Grande do Sul, Luciana Genro, e do ex-candidato a prefeito de Fortaleza em 2012, Renato Roseno. Caberá aos delegados e às delegadas presentes no 4º Congresso Nacional decidirem qual dos três será o nome para disputar o principal cargo do Executivo brasileiro.

A pauta do 4º Congresso Nacional do PSOL inclui, ainda, o debate sobre conjuntura nacional, internacional e a tática para o período; modificações estatutárias; eleição da Direção Nacional, Conselho Fiscal, diretor presidente da Fundação Lauro Campos e Comissão de Ética. No domingo, 1º, além de escolher o candidato à Presidência da República, os delegados também elegerão o próximo presidente nacional do PSOL e os demais membros da Executiva e do Diretório Nacional, que ficarão à frente do partido nos próximos dois anos.

Abertura

A abertura contará com a presença de dirigentes nacionais do partido e de parlamentares federais, estaduais e municipais, além dos militantes que participarão do evento.

Acesso da imprensa

A organização do 4º Congresso Nacional do PSOL informa que o acesso de jornalistas, repórteres fotográficos e cinematográficos ao evento será liberado somente às 17h do domingo, 1º, quando já terá sido eleito o novo presidente do PSOL e definido o candidato ou a candidata à Presidência da República. Nesse horário, os profissionais credenciados poderão conversar com os novos dirigentes do partido e com o(a) candidato(a) escolhido(a).

A assessoria de imprensa do PSOL solicita a confirmação prévia de todos os profissionais da imprensa, por meio do e-mail: imprensa@psol50.org.br.

Via PSOL50



Continue Lendo...

Quando as crenças do alunado são colocadas de lado em favor da cultura que se diz dominante

0 comentários




Solenidades dos concludentes do terceiro ano do município
de Altaneira em 2012, na Igreja Católica. Foto: João Alves.
Na minha residência no quesito religiosidade tem de tudo. Tem católicos praticantes, católicos não praticantes, protestante e ateu. Às vezes, ou quase sempre, fico a me perguntar, fruto dessa convivência familiar e, claro das relações socais extra família, como é possível explicar ou até mesmo iniciar um debate sobre a não existência de um ser com característica divina, como explicar, a priori, a inexistência de deus em uma sociedade como a nossa, influenciada até o último suspiro, até a última gota pelo cristianismo, independentemente dos que acreditam?

Afinal, por mais que não haja provas materiais (e isso é um fato, e reconhecemos isso), atestar a existência de deus (para aqueles que creem) é muito fácil, está no automático, é cultural. Simplesmente há a repetição de frases e conceitos de outrora sem o mínimo de questionamento.  É tão automático que, se você não fizer isso, não se preocupe, pois em algum momento, alguém o fará por você. E, mais, sem o menor pudor, sem o mínimo de respeito pelo que você pensa. Sem a mínima decência de ao menos tocar nos assuntos que foram e são os calcanhares de Aquiles dessas religiosidades - as diversas perseguições, as várias atrocidades cometidas aos que dos conceitos, regras e dogmas destas instituições religiosas não partilhavam. Outros, ainda, carregando a cultura do medo também pregada pelos figurões religiosos, trazendo junto uma fé cheia de medo e culpa, que contribuirá com adultos violentos e intolerantes – diferente daquilo que, certamente, uma pessoa com o mínimo de bom senso esperaria para seus filhos, irmãos, mãe e pais e, claro todo o tecido social.

Ante a esse cenário fico a me perguntar de quem é o papel de educar para a cidadania religiosa? Afinal, esse ato de educar implica necessariamente as ações relativas a todo esse jogo. Ou seja, não é para termos sujeitos que desprezem as religiões, mas para termos um mínimo de bom senso e educar com zelo pela respeito às diferenças, mostrando que há um mundo para além da religiosidade. E isso é dever das instituições de ensino.  Mas estamos muito longe dessa perspectiva de educação, apesar de termos alguns avanços nesse sentido, como a lei 10.639/2013 e 11.645/08, que torna obrigatório o ensino da história e cultura afro-brasileira e indígena nos estabelecimentos de ensino fundamental e de ensino médio, públicos e privados e, apesar de caminharmos também a passos lentos para garantir essa efetivação que foi fruto de lutas, crítica e de muita resistência dos povos negros e indígenas.

Caminhamos a passos lentos e, na grande maioria das vezes, sequer saímos de onde paramos. Por exemplo, vamos abordar um tema que raramente entra em discussão. Muitos, inclusive fogem quando ele é cogitado. Não é novidade para ninguém, embora muitos diretores educacionais tapam os olhos para não ver que, nas instituições de ensino temos estudantes católicos, protestantes, testemunha de Jeová, os praticantes do candomblé, umbanda e até ateus (estes em menor número, inclusive do que os dos dois últimos listados). Toda via, mesmo dentro deste cenário, as formaturas dos alunos do terceiro ano sempre se dá na igreja católica. Essa atitude fere a constituição e desrespeita o estado laico. Muitos alunos que não comungam do catolicismo deixam de participar dessa cerimônia que, sem dúvida é um marco na vida estudantil. Será que se tivéssemos diretores que praticassem o protestantismo e as outras religiões já citadas iriam submeter seus alunos a cerimônias dentro de templos que são símbolos desses grupos? E como ficariam os discentes e seus pais, católicos?

As direções de muitas escolas acabam colocando suas crenças acima dos interesses coletivos e da constituição. Os alunos são respeitados e valorizados para fazer diversos exames, sejam eles internos ou externos. Todos são convocados a participar, independentemente de suas crenças ou de não tê-las. Mas no momento mais emblemático e talvez mais prazeroso e significante de sua vida estudantil - as suas crenças são colocadas de lado a serviço de uma tradição medíocre e de interesses e crenças individuais. As escolas, que é feita por alunos, pais, servidores, professores e coordenação, não pode ficar refém de uma cultura que se diz dominantes e colocar suas crenças como pano de fundo dos eventos.

Continue Lendo...

Guimarães nega chapa com Eunício, Zezinho e Inácio

0 comentários




O deputado federal José Guimarães (PT), líder do PT na Câmara dos Deputados, rebateu informação publicada pelo colunista do O Globo, Ilimar Franco, no último dia 26, dando conta de que a presidente Dilma Rousseff (PT) estaria avançando no diálogo com o governador Cid Gomes (Pros) para definir chapa majoritária no Ceará para as eleições de 2014. Segundo a coluna, a chapa seria composta pelo senador Eunício Oliveira (PMDB) como candidato a governador, o deputado estadual José Albuquerque (Pros) como vice e o senador Inácio Arruda (PCdoB) tentando a reeleição. “Isso é conversa fiada. São meras especulações”, garantiu.

Guimarães garante que não há possibilidade de o PT não ter um representante na chapa majoritária. “O PT do Ceará terá mais um senador”. Se assim for, mantém-se o impasse com Inácio e outras lideranças do PCdoB, que já deram declarações recentes reforçando que não abrem mão da vaga no Senado. O candidato ao Governo será definido em consenso com PT, com o governador e com Eunício, disse o petista.

De acordo com as informações publicadas pelo colunista do O Globo, o PT não poderia retirar o apoio à reeleição de Inácio Arruda (PCdoB), que vem sendo lembrado nas pesquisas de opinião. Além disso, lembrou o colunista, o suplente de Eunício, o petista Valdemir Catanho, é ligado a ex-prefeita Luizianne Lins (PT), que segue adotando discurso de resistência em apoiar o governador. Seria, portanto, uma forma de atrair o apoio da ex-prefeita.

Também ligado a Luizianne, Elmano de Freitas (PT) afirmou que a chapa, como foi divulgada pelo colunista, não contempla o PT. “Em nenhum momento trabalhamos com a ideia de fazer política porque fulano pode vir a ser senador”, disse. Na opinião dele, o PT deve ter candidato ao Governo do Estado.

Aliados

O deputado estadual José Sarto (Pros), líder do Governo Cid na Assembleia, reforçou que o governador não tem conversado com ninguém sobre eleições neste ano, o que inclui a própria presidente. Portanto, afirmou que nunca ouviu falar do arranjo que prevê Eunício, Zezinho e Inácio. “Pra mim, isso é novidade. Não ouvi nada, nem boato”.

Já conforme o deputado estadual do PMDB, Danniel Oliveira, sobrinho de Eunício, circula pelos bastidores políticos que o arranjo expressa o sentimento de Dilma, diante da possibilidade de unir todos os partidos da base. “O Guimarães (não sendo candidato ao Senado) iria para a presidência da Câmara”, disse, acrescentando que a informação tem partido de dentro do PT. Contudo, Guimarães rebateu mais uma vez. “Essa ideia de intérprete do sentimento dos outros é complicada. Se partiu de alguém do PT, essa pessoa não tem informação de nada. Está mais perdida do que cego em tiroteio”.


Via O Povo
Continue Lendo...

27 novembro 2013

Eric Hobsbawm: a importância do marxismo e da crítica à injustiça social

0 comentários




Eric Hobsbawm, um dos maiores historiadores
do século XXI
No último mês de outubro fez um ano do falecimento do historiador britânico Eric Hobsbawm. Para quem estuda história, é de conhecimento geral que Hobsbawm é uma das maiores referências em história contemporânea. Seu legado intelectual é vastíssimo e suas contribuições para a renovação do marxismo enquanto perspectiva teórica também foram importantíssimas. Detratores do renomado historiador já tentaram acusá-lo de cúmplice do stalinismo e apoiador de tiranias; nada disso, contudo, pode ser imputado a ele. Hobsbawm faz parte de uma geração de pesquisadores, como E.P. Thompson, Christopher Hill, Raymond Williams que não se dobraram aos direcionamentos reducionistas de certo marxismo nem descartaram o marxismo para a lata de lixo por conta dos direcionamentos totalitários que o socialismo ganhou no decorrer do século XX.

No início dos anos 1990, ele também contribuiu para uma coletânea de textos organizada por Robin Blackburn com o título “Depois da Queda: o fracasso do comunismo e o futuro do socialismo” (publicado no Brasil pela editora Paz e Terra e hoje disponível apenas em sebos), que reuniu a contribuição de variados intelectuais, além dele próprio e de Thompson, também de Norberto Bobbio, Habermas, Fredric Jameson, entre outros. Escrito no calor dos acontecimentos que resultaram no fim da União Soviética, os autores analisaram com bastante lucidez o significado histórico daqueles eventos, e, embora algumas análises possam estar superadas, ainda vale a pena a leitura.  Ler sua obra é tanto instigante (incluindo sua autobiografia, “Tempos Interessantes”), como também necessária para compreendermos as raízes de alguns mal-estares sociais e intelectuais de nossa época.

Em 1995, Hobsbawm concedeu uma entrevista para o jornalista Geneton Moraes Neto, em que esclarece a importância da União Soviética no século XX, em que sentido ele a apoiou, o significado da morte do marxismo, a importância da utopia enquanto motivação para a elaboração de perspectivas de futuro e da crítica à injustiça social, um dos pontos fortes do marxismo que não perdeu sua atualidade, entre outros temas. A entrevista permanece tão atual como há quase vinte anos. Eu havia guardado esse texto em meus arquivos e reproduzo aqui para reflexão.

Por Geneton Moraes Neto

Órfãos de Marx, saudosistas do socialismo, parem de chorar. Porque o que sumiu na poeira da História foi o chamado “socialismo real”, um equívoco cinzento feito à base de partido único, Estado onipotente, arte demagógica e imprensa oficialesca. Mas, desfeito o equívoco, abre-se agora “um vasto espaço para o sonho”, território livre para novas utopias. Quem garante é o historiador que conseguiu se transformar em guru dos historiadores, o marxista que fez a autópsia do socialismo : o britânico Eric Hosbawm.

Um acaso do calendário reúne a biografia pessoal de Hobsbawm a um dos principais acontecimentos do século XX : o historiador nasceu em 1917, ano em que Lenin escreveu a palavra bolchevique na história da Rússia. Quando ainda usava calças curtas, Hobsbawm virou comunista, se é que um menino de quatorze anos é capaz de enumerar três diferenças razoáveis entre “centralismo democrático” e pudim de chocolate. Passado o vendaval,ele faz uma avaliação sincera das ilusões que viveu.

Eis a entrevista, agora publicada pela primeira vez na íntegra :

GMN : Qual foi a maior ilusão política de Eric Hobsbawm ?

Hobsbawm : “Minha maior ilusão política foi acreditar que a União Soviética poderia ser uma alternativa de desenvolvimento para o Ocidente. Tal crença tomou corpo simplesmente porque, a certa altura do século XX, a economia capitalista mergulhou numa crise catastrófica, à qual a União Soviética parecia imune. Mas, principalmente depois dos anos cinquenta e sessenta, ficou claro que o socialismo soviético não iria cumprir suas promessas nem realizar suas potencialidades. A partir daí,muitos – como eu – deixaram de acreditar no que tinham acreditado quando jovens”.

GMN : O marxismo morreu ?

Hobsbawm (depois de longa pausa) : “Não. Em primeiro lugar,a crítica essencial que Marx fez ao capitalismo é necessária ainda hoje. Como historiador, digo que a abordagem marxista é extremamente útil para que se entenda como as sociedades mudam- não apenas as sociedades capitalistas mas também as sociedades socialistas, hoje inexistentes. Não há dúvida de que uma grande parte das crenças do marxismo já não pode ser considera válida. O fim do socialismo real deixou um enorme vazio”.

Hoje,um grande número dos que poderiam estar na esquerda – socialista ou revolucionária- já não sabe em quem acreditar”.

GMN : O senhor lamenta ter apoiado os governos soviéticos ?

Hobsbawm : “Não lamento, porque nunca vivi na União Soviética. Quem, como eu, apoiava os governos soviéticos não estava pensando na Rússia, mas em nossos próprios países e no resto do mundo. Porque, para o resto do mundo,a existência da União Soviética, ainda que fosse ruim para a Rússia, teve um desenvolvimento positivo. Sem a União Soviética, não teríamos vencido a Segunda Guerra.
Sem a União Soviética, o capitalismo não teria sido reformado, como foi, depois da Guerra. Os que, no Ocidente, foram marxistas ou apoiaram o movimento comunista não têm do que se lamentar, porque estavam apenas tentando alcançar, em seus próprios países, objetivos que eram bons. Quando tiveram a chance de mudar os seus países, mudaram para melhor. Mas,para tanto, pediram o apoio de um regime que impôs um enorme sofrimento ao povo russo – mais do que a qualquer povo”.

GMN : Qual foi o pecado capital do socialismo ?

Hobsbawm : “A falta de liberdade foi o pecado capital, particularmente para os intelectuais. Mas o pecado capital do socialismo foi acreditar que a economia poderia ser operada inteiramente através de um planejamento centralizado, sem a atuação dos elementos do mercado. Os consumidores, os cidadãos comuns, não tinham a liberdade de comprar o que queriam. O que existia,basicamente,era um exagero do papel do Estado Central como um arquiteto da nova sociedade.

Marx disse, em relação às suas teorias, que o importante não era interpretar o mundo,mas modificá-lo. Ficou provado que é mais difícil mudar o mundo através das linhas de análise marxista do que interpretá-lo. Além de tudo,o desenvolvimento dos partidos socialistas foi profundamente influenciado – e distorcido – pelo fato de que o marxismo tomou o poder na Rússia. O que aconteceu ? A União Soviética dominou por anos e anos o desenvolvimento do marxismo e do movimento comunista internacional, o que acabou provocando uma divisão – mais negativa do que perigosa – entre as duas facções do marxismo : os social-democratas e reformistas de um lado; os comunistas e revolucionários de outro”.

GMN : E qual é o pecado capital do capitalismo ?

Hobsbawn : “O pecado capital do capitalismo é a injustiça social. Isso quando nós falamos em termos morais. Em termos práticos, o pecado é que o capitalismo é um sistema que desenvolveu um mundo que precisa de administração e planejamento global – mas o próprio capitalismo não pode prover esta administração e este planejamento. O capitalismo, então, deixa o mundo com sérios e crescentes problemas, para os quais não encontra soluções”.

GMN : O senhor disse uma vez que “o problema básico da história marxista é descobrir como a humanidade passou da Idade da Pedra para a Idade do Átomo”. Se o marxismo não conseguiu, quem é que vai conseguir explicar ?

Hobsbawm : “Em primeiro lugar,não acredito que o marxismo tenha falhado na explicação do desenvolvimento da História. Eis um grande debate que se desenvolve entre historiadores e filósofos.A contribuição do marxismo permanece essencial. O que haverá é um marxismo modificado.A crença dos marxistas na determinação única do desenvolvimento econômico provou ser inadequada.Deve-se levar em conta a análise de fatores como a cultura e as idéias”.

GMN : Haverá lugar na história para uma nova tentativa de aplicar a idéia marxista de uma sociedade sem classes ?

Hobsbawm : “O socialismo real – tal como o tivemos até há poucos anos – não vai voltar. Mas há lugar, sim, para uma nova tentativa de construir uma sociedade de liberdade e de igualdade, em que os seres humanos terão a chance de desenvolver todas as suas capacidades. Eu espero que haja espaço para movimentos que favoreçam a justiça social”.

GMN : O fim do socialismo foi um choque para as esquerdas. Qual será o próximo sonho ? Um jovem arriscaria a vida para implantar uma sociedade liberal-democrata, como se arriscou antes por outros ideais ?

Hobsbawn : “Uma democracia liberal é algo pelo qual ninguém é capaz de morrer. Nem é bom que um jovem esteja preparado para morrer tão facilmente por uma causa. O fim do socialismo real deixou um enorme vazio. Hoje, um grande número dos que poderiam estar na esquerda – seja a esquerda socialista,seja a esquerda revolucionária – não sabem em quem acreditar”.

GMN : O vácuo pode criar espaço para novos sonhos ?

Hobsbawn : “Há um vasto espaço para o sonho. Mas também há o perigo de que esse espaço seja preenchido por um tipo errado de sonho : por sonhos nacionalistas, por sonhos racistas, por sonhos de ressureição de religiões fundamentalistas. De qualquer maneira, problemas como a pobreza e a desigualdade, cada vez mais presentes no desenvolvimento global da economia, assumem uma tal proporção que haverá certamente espaço para movimentos políticos que tentem resolvê-los”.

GMN : É possível prever que movimentos serão esses ?

Hobsbawn : “Alguns desses movimentos serão os antigos movimentos de esquerda. Há no Brasil, por exemplo, um partido de trabalhadores que é similar a partidos de massa que existiram no passado na Europa. Em muitas partes do Terceiro Mundo, há lugar para movimentos iguais aos que existiram antes. Não devemos, portanto, eliminar os movimentos do passado.

A verdade é que o vácuo ideológico será muito mais sério nos países desenvolvidos,os países ricos. Porque nestes países a crise da fé e das crenças – e também a mudança provocada pela extensão da industrialização a países do Terceiro Mundo – terão um efeito mais dramático”.

GMN :A desilusão das esquerdas dará, então, lugar a novos sonhos num futuro próximo ?

Hobsbawm :”É possível que sim,mas,felizmente,historiadores não são profetas.
Nós só tratamos do passado. Historiadores fizeram previsões que provaram ser inexatas. Hoje, com exceção dos instituto de pesquisas econômicas dos governos, todos são céticos na hora de fazer previsões…”.

GMN : Como é que a História vai julgar Fidel Castro ? Daqui a meio século,ele vai receber um julgamento positivo ou vai ser condenado como o último ditador comunista ?

Hobsbawm : “O julgamento será positivo, sem dúvida alguma. Fidel Castro será claramente a figura mais importante da história nacional de Cuba. Quanto à América Latina como um todo, Fidel Castro será um símbolo de libertação – ainda que as políticas de libertação que ele adotou não tenham sido bem sucedidas. Em todo caso, será visto não como um homem não muito bom ao governar o próprio país. Porque,sob o aspecto econômico,eles fez um péssimo trabalho. Por outro lado,as reformas sociais são absolutamente esplêndidas. Há fraquezas no regime cubano, mas Fidel Castro vai ter um papel bastante positivo nos julgamentos históricos do futuro”.

GMN : O senhor diz,na última página do livro “A Idade dos Extremos”,que, no final do Século XX, não sabemos para onde vamos. É bom ou é ruim não saber para onde caminha a humanidade ?

Hobsbawm :”Não saber para onde vamos é o destino da humanidade. Algumas vezes,o homem pensa que sabe para onde vai. Mas, em geral,a gente erra quando pensa que sabe”.

GMN : O senhor diz que o homem hoje tem a ilusão de que vive num “eterno presente”. Isso afeta a percepção da História ?

Hobsbawm : “O “eterno presente” é, em parte, resultado da quebra de relações entre as gerações e, por outro lado, conseqüência da sociedade de consumo. A desvantagem é que é impossível que as pessoas entendam a situação em que vivem sem que saibam como as coisas surgiram,antes. A maioria das pessoas na verdade gostaria de estabelecer tal continuidade entre elas e o passado. Não é fácil estabelecer tal continuidade hoje,porque as mudanças do mundo têm sido tão rápidas e tão profundas que a experiência de vida da maioria das pessoas é marcada pela descontinuidade”.

GMN : A televisão é culpada por criar a ilusão de que vivemos todos num eterno presente ?

Hobsbawm : “Sim. Mas este é apenas um aspecto de uma sociedade de consumo que atua satisfazendo os desejos e as vontades das pessoas a qualquer momento. A sociedade de consumo se interessa pelo que as pessoas fazem agora. A lógica do mercado é ganhar dinheiro com o que as pessoas vão gastar agora – não com o que vão gastar daqui a vinte anos”.

GMN : O senhor é freqüentemente citado na imprensa como “o maior historiador vivo”. Aceita o título ?

Hobsbawm : “É difícil julgar. Não me vejo como o mais importante historiador,mas é uma sensação agradável ver que as pessoas pensam que os livros que escrevi são importantes.Sinceramente,não me cabe julgar se essas pessoas estão certas.Em todo caso,penso que exageram….”.

GMN : Quem é Eric Hosbabwm,por Eric Hobsbawm ?

Hobsbawm : “Tudo o que posso dizer é que tento tentado ver como, num determinado período da História, as coisas se juntam para formar um todo. Porque existe, sim, uma conexão entre as diferentes partes da vida”.

( “O comunismo representou o ideal de transcender o egoísmo e servir a toda a humanidade,sem exceção “,escreveria Hobsbawm em 2002.”Emocionalmente, pertenço a uma geração ligada por um quase inquebrável cordão umbilical à esperança de uma revolução mundial, não importa o quão cética ou crítica diante da União Soviética”. Professor da Universidade de Oxford,Nial Ferguson perguntou,num artigo publicado sobre Eric Hobsbawm em setembro de 2002, no Daily Telegraph :
“Como pode um brilhante acadêmico cometer um erro político por tanto tempo – por cinquenta anos, para ser exato, período em que foi membro do Partido Comunista ? Como pode ele continuar a acreditar, como ele claramente faz, que alguma coisa pode ser salva da lamentável empresa de Lenin e seus asseclas ? A tragédia do comunismo – o que custou a vida de dezenas demilhões – é que um homem com a inteligência de Eric Hobsbawm não pôde ver – e ainda não pode – que o comunismo foi a negação tanto da liberdade quanto da justiça,em nome de um espúrio e falso igualitarismo”.

As simpatias pelo ideal comunista ainda hoje dividem historiadores. Quando uma edição de bolso do Manifesto Comunista apareceu – surpreendentemente – no terceiro lugar na lista de livros políticos mais vendidos publicada toda semana pelo Mail on Sunday,procurei Kenneth R. Minogue,titular da cadeira de Ciência Política da London School of Economics :

– É preocupante ver como um melodrama simplista como este Manifesto é tão popular – disse-me,na entrevista.Eu diria que é simplesmente notável a simplicidade de gente que acredita que um intelectual alemão – escrevendo em 1848 – possa entender a essência do mundo moderno. A um amigo que quisesse entender as tentações do totalitarismo,eu recomendaria que lesse o Manifesto Comunista e ouvisse aquela canção do musical “Cabaret” chamada “Tomorrow Belongs to Me” 
(“O Amanhã me Pertence”). Tanto o Manifesto como a canção exibem um belo otimismo e uma simplicidade de raciocínio que terminam levando à morte e à destruição.

Hobsbawm resumiria em três linhas,no parágrafo final do livro autobiográfico “Intersting Times” o que sente no início do século XXI :

- Não nos desarmemos, ainda que os tempos sejam insatisfatórios.A injustiça social ainda precisa ser denunciada e combatida.O mundo não ficará melhor por conta própria).

(*) Entrevista gravada em Londres, em 1995. A íntegra da entrevista com Eric Hobabawm – assim como com o filho do líder soviético Nikita Kruschev, com um general da KGB e com o agente encarregado de eliminar Leon Trotsky – foi publicada no nosso livro “DOSSIÊ MOSCOU”.



Via Bertonesousa
Continue Lendo...